Home > Cinema > Esplendor – O horizonte além do cinema!

Esplendor – O horizonte além do cinema!

Esplendor é celebração, interpretação e encarnação do cinema enquanto obra de arte

Segundo Gadamer, interpretar é o ato de “compreender o que fica de não dito quando se diz algo”. E por “dizer”, ele está implicando um espectro bem amplo: virtualmente qualquer coisa, qualquer forma, qualquer ideia que sejamos capazes de comunicar. Ele usa uma expressão muito bela para explicar um conceito hermenêutico um tanto árido: “fusão de horizontes”, onde a dialética da interpretação de duas perspectivas encontra um ponto em comum. Cinema é essencialmente uma forma de arte audiovisual. É? Ou seria esse um reducionismo tecnicista, que não abarca completamente o potencial de interpretação de uma forma de arte? Esse é o debate, conduzido de forma magnanimamente singela por Naomi Kawase em Esplendor, mais uma pérola do cinema japonês.

esplendor

A sinopse não poderia ser mais simples – de fato, até um tanto piegas: Misako (Ayame Misaki) é uma audiodescritora de filmes para deficientes visuais. Ela pega um trabalho bastante difícil com um filme dramático, cheio de emoções intensas e muito simbolismo. Ela tem dificuldade de discernir o que deve e o que não deve ser narrado. Para dificultar ainda mais sua vida, um de seus críticos é Masaya Nakamori (Masatoshi Nagase), um ex-fotógrafo talentoso que agora amarga a perda gradual da visão. Juntos, irão redefinir suas perspectivas devida conforme estreitam suas relações.

A missão de Misako é essencialmente um “crime” hermenêutico; ela tem que reinterpretar a visão cinematográfica audiovisual para uma forma narrativa corrida. Entretanto, o que se pede dela não é apenas a descrição: ela tem que encontrar uma maneira de transmitir toda a densidade da obra para pessoas que são fisicamente incapazes de imergir no universo da obra conforme pretendido pelos seus criadores. De muitas formas, essa é uma posição precária: qualquer amigo leitor sabe que uma única cena de um grande filme pode obter múltiplas interpretações. Como você descreveria a cena do pião em “A Origem”? Ou o encerramento de “Crepúsculo dos Deuses”? Como você narraria “2001” para uma amigo deficiente visual? A tarefa de Misako parece mais fácil de ser explicada do que realizada.

O contraponto e encarnação dessa dificuldade é justamente Masaya. Afinal, estamos falando de um indivíduo cuja própria existência é definida – literalmente – pela sua visão de mundo. A fotografia nada mais é do que capturar uma janela do tempo e expressar, nesse microcosmo reduzido em uma eternizada fração de segundo, milhares de interpretações, sinais e significados. Para ele, uma única imagem representa um universo de memórias, linguagens e possibilidades. A perda da visão, para ele, é muito mais do que a perda de um sentido; é o completo isolamento do que – ao menos ele entende assim – é a sua única maneira de interpretar e compreender o mundo.

Quem sou eu, quem és tu?

De certa forma, não deixa de haver uma ironia nesta crítica: o amigo leitor está vendo, nada mais, do que uma parca tentativa deste colunista de tentar representar em palavras os sentimentos profundos despertados pelo filme. Pois saiba disso então: é impossível. Porque o grande trunfo e beleza da obra de Kawase – e o que, incidentalmente, define uma grande obra – está justamente nisso: uma infinitude de possibilidades de interpretação. O que o amigo leitor irá extrair da experiência do filme dirá muito mais sobre a si mesmo do que sobre o filme; mimetizando, de muitas formas, a própria refiguração dos personagens em cena. Kawase constrói personagens que possuem vida própria, sim, mas que não deixam de ser um espelho para o espectador.

esplendor

Embora possa servir como uma metáfora para a arte em si, Esplendor não deixa de se calcar essencialmente na interpretação do que é o cinema. É até curiosa a composição metalinguística da narrativa feita pela diretora, já que todo o filme gira em torno da interpretação do filme narrado por Misako: o processo de evolução dos conceitos de interpretação e compreensão da audiodescritora acompanham o processo de descoberta do espectador em relação à interpretação do filme em si. As duras críticas feitas por Masaya nada mais são do que a dura realidade de tentar estabelecer a interpretação mais apropriada partindo de um ponto de vista que é praticamente inacessível a alguém que não vive no mesmo mundo em que o outro vive.

A busca pela alteridade mais apropriada – a “fusão de horizontes” de Gadamer – é o verdadeiro âmago da obra, muito mais do que a relação afetiva desenvolvida pelos protagonistas, que é o que enxergamos – muito apropriadamente – na superfície da narrativa. Não obstante, fazendo jus a sua proposta simbólica e metafórica, Kawase dá uma verdadeira aula de composição de cenas, conduzindo a narrativa – uma certa ironia dramática – através de muitos elementos visuais. Todo a película, através uma magnífica fotografia – sem trocadilhos pretendidos – é permeada pela imagem do pôr-do-sol; a ideia de que existe enorme beleza nas coisas que se esvaem.

Kawase ainda insiste em conduzir, imageticamente, a ideia de que estamos imersos na dialética visual dos personagens – é enorme a quantidade de tempo em que a câmera acompanha, fixa, o olhar dos personagens. É particularmente bela a relação que a cineasta faz da perda da visão de Masaya com o pôr-do-sol, em mais de uma situação posicionando a iluminação poente apenas sobre os falhos olhos do fotógrafo. Mesmo Misako também se define pela perda – seu pai desapareceu e sua mãe sofre de demência, e todos esses símbolos de sua vida também são definidos pela luz alaranjada que se esvai no horizonte, levando consigo o que é, ao mesmo tempo em que assenta as possibilidades do porvir.

esplendor

Esplendor pode sim ser interpretado como uma homenagem de Kawase ao poder do cinema como forma de arte – mas este colunista se permite assumir mais do que esse parco reducionismo. É uma obra que fala ao espectador de forma ostensiva, mas também íntima; que prima pela composição técnica, mas que dialoga de forma íntima. De muitas formas, Kawase prova em Esplendor que a comunicação, como a vida, sempre encontra um caminho. Que a escuridão apenas prenuncia uma nova alvorada. E ela apenas escolheu um horizonte específico, que todos podemos compartilhar, para nos mostrar isso.

O do tela branca diante de nós.

Já leu essas?
Alta Ansiedade - Mel Brooks
Alta Ansiedade, de Mel Brooks, no Formiga na Tela!
Doutor Estranho - Full Moon
Doutor Estranho como você nunca viu no Formiga na Tela!
HQs que me emocionaram - FormigaCast
HQs que nos emocionaram no FormigaCast!
Django - Sergio Corbucci
Django, o original de Sergio Corbucci, no Formiga na Tela!