Home > Cinema > 7 Desejos – E um deles era que este filme não existisse!

7 Desejos – E um deles era que este filme não existisse!

 O filme 7 Desejos é uma salada de frutas estragada

Os gêneros cinematográficos servem para definir um grupo de produções que compartilham determinadas semelhanças. Porém, mesmo entre obras com características parecidas, às vezes, há diferenças significativas. É por isso que existem os subgêneros, isto é, categorizações menores dentro de uma categoria fundamental. Como as linhas que separam esses subgêneros podem ser tênues, muitos cineastas tentam criar um filme que contém os mais diversos tipos de elementos. Quando as características distintas são respeitadas, pode nascer algo como A CuraJá quando alguém tenta juntá-las sem ter noção de suas essências, o resultado é o filme 7 Desejos (Wish Upon), longa que se tornará, no futuro, sinônimo definitivo do termo “catastrófico”.

Crítica do filme 7 Desejos

O filme 7 Desejos é um péssimo exemplar de terror…

Perpetrado por Barbara Marshall, o “roteiro” do filme gira em torno de Clare Shannon (Joey King, a neta de Michael Caine em Despedida em Grande Estilo). Vivendo com o pai (Ryan Phillippe) numa casa antiga e tendo de conviver com o trauma de ter visto a mãe enforcada no sótão, ela é a típica adolescente deslocada do ambiente escolar. Certo dia, quando o seu pai a presenteia com uma caixa chinesa capaz de realizar sete desejos, tudo muda. Agora, ela se torna a garota mais popular da escola e as coisas começam a acontecer de acordo com as suas intenções. No entanto, ela não sabe que há um alto preço a ser pago em troca disso.

Em 7 Desejos, os realizadores tentam misturar três subgêneros diferentes e falham em cada um deles. Acima de tudo, parece que eles desejam contar uma história em que a vida adolescente se confunde com morte e violência, nos moldes da franquia Pânico e de filmes como Segunda Intenções (a presença de Ryan Phillipe no elenco não é um mero acaso). O problema é que os personagens e seus respectivos dramas não comovem o espectador, uma vez que são construídos como estereótipos e não pessoas reais, nem dão a impressão de terem sido concebidos de forma subversiva, pois, se a roteirista tivesse empregado inteligentemente os famosos arquétipos dos filmes adolescentes (a garota tímida, a popular, os bullys, o garoto mais cobiçado), a trama entreteria o público, mas nem isso ela conseguiu fazer.

Crítica do filme 7 Desejos

Depois, passam-se alguns minutos, coisas estranhas começam a acontecer e, a partir daí, o filme esquece as intenções iniciais e se transforma numa sequência risível e inexplicável de mortes bizarras e involuntariamente hilárias. Sabe-se lá por que algumas pessoas próximas à protagonista falecem das maneiras mais estranhas possíveis. Aliás, do começo do segundo ato em diante, o roteiro não consegue estabelecer com o mínimo de clareza qual é a lógica que movimenta as consequências mortíferas oriundas dos desejos. A sensação gerada é de que Marshall quis “homenagear” Premonição A Caixa sem tentar justificar as suas escolhas logicamente. Por fim, há uma comicidade e a promessa da presença de um ente sobrenatural (que nunca se cumpre, por sinal) que fazem o filme ir por um caminho completamente diferente. Como as tentativas de humor são mal-sucedidas e a ameaça de um demônio chinês é totalmente mal explicada, dizer que os responsáveis fracassam nisso também seria redundante.

Burrice e mau-caratismo

Entretanto, nada disso supera a idiotice da protagonista. Além de ser maldosa e incapaz de criar algum elo emocional com a plateia, a sua burrice supera todos os limites do aceitável. Talvez, a pretensão tenha sido apresentar uma personagem principal horrenda. Mas ver no filme um caráter provocativo ou ousado é ir longe demais, afinal de contas, para isso, é necessário inteligência, algo que nunca dá as caras aqui. Em resumo, é preguiça criativa mesmo. Para se ter uma ideia do quão amador é o roteiro, Clare percebe que há uma relação entre os seus pedidos e os acontecimentos violentos lá pelo quinto desejo! Não é à toa que, em certo momento, jogamos a toalha e torcemos pela morte daqueles personagens. Burrice em um nível tão alto não merece existir artisticamente.

Crítica do filme 7 Desejos

Com visíveis inconsistências causais e finalizando a tortura emocional e intelectual com um plano pífio, mas que traz um certo júbilo aos corações sôfregos daqueles que tiveram de acompanhar a detestável protagonista por mais de uma hora (eu admito que senti um calor dentro de mim), 7 Desejos já é um dos principais candidatos a pior filme do ano. Não há nada na sua concepção ou condução que mereça 1% de atenção. Com uma cena pós-crédito que abre espaço para uma sequência (Deus nos livre!), só nos resta torcer para a bilheteria ser ínfima e a ideia absurda de iniciar uma nova franquia  morra no nascedouro. O nosso Mundo é horrível, mas não o é a ponto de merecer algo como “8 Desejos” ou “7 Desejos 2”.

Já leu essas?
Crítica do filme A Torre Negra
A Torre Negra – Pipocão que você já viu (várias vezes)!
Crítica de Na Mira do Atirador
Na Mira Do Atirador – E as problematizações desnecessárias!
Crítica de O Castelo de Vidro
O Castelo de Vidro – Tão Frágil Quanto Um!
Crítica de Bingo: O Rei das Manhãs
Bingo: O Rei das Manhãs – Enfim, um filme para sorrir!
  • santuci

    Não esperei até o final dos créditos. Muita tortura chegar até eles. Excelente review sobre o filme. É exatamente isso que o filme representa, um dos piores de um ano que já está sofrível.

    • Miguel Forlin

      Obrigado pelo elogio, Santuci! O filme é muito ruim. A minha única dúvida é se “7 Desejos” é pior que “Baywatch”. A briga tá acirrada.

  • Pingback: Cinema.Estreias da Semana.28.07.17 | Blog do Rogerinho()