Home > Quadrinhos > Eu Matei Adolf Hitler – A violência de cada dia!

Eu Matei Adolf Hitler – A violência de cada dia!

Ditador alemão é o que menos importa em Eu Matei Adolf Hitler

Qual é o preço da violência? No caso da HQ Eu Matei Adolf Hitler, do norueguês Jason, existe mais de uma resposta, dependendo do tipo de violência da qual estamos falando. O autor, astutamente, consegue trabalhar em cima de sentimentos comuns da chamada pós-contemporaneidade, da liquidez das relações e da sociedade do cansaço. Apesar de serem expressões que qualificam tão bem o ano em que vivemos, o quadrinho foi lançado originalmente em 2006 e publicano por aqui no ano passado pela editora Mino*. Uma demonstração de que o autor sempre esteve na crista da onda da melancolia e apatia que definem nossos tempos.

Compre clicando na imagem abaixo!Resenha da HQ Eu Matei Adolf Hitler

(*Confira as resenhas de Escapo e A Entrevista!)

O nome da HQ em si não deixa de ser uma grande brincadeira com o McGuffin que toca a narrativa – sem muito espaço para dúvida sobre a (falta de) importância do ditador alemão para a trama. A obra conta a história de um assassino de aluguel contratado por um cientista, que criou uma máquina do tempo, para que ele volte até antes da ascensão definitiva de Hitler, mate-o e impeça a Segunda Guerra. Roteiro banal padrão de filmes e HQ´s de ficção científica B, certo? Quase. Como dissemos, Hitler é um McGuffin – ele aparece, se muito, em um par de páginas.

Eu Matei Adolf Hitler é uma história sobre violência, mas não a dos nazistas. É uma história sobre violência social, interpessoal. Aquele tipo de violência que esquecemos que está lá. E porque esquecemos que está lá, nos acostumamos com ela. E tudo, como qualquer um que não passe seus dias com a cabeça enfiada em telas ou dentro do próprio ego pode perceber, se torna um grande espetáculo de banalização. O problema é que a imensa maioria de nós passa seus dias com a cabeça enfiada em telas ou dentro do próprio ego. Percebe para onde isso vai?

Resenha da HQ Eu Matei Adolf Hitler

Violências

Suspenso o Mcguffin nazista, percebemos que o foco da narrativa se debruça nos papéis sociais exercidos pelo casal protagonista. Quando falamos de tipos de violência, os mais notáveis apresentados por Jason são: contra o mundo, contra aqueles que queremos que nos aceitem a qualquer custo e, principalmente, contra si mesmo. O assassino que volta no tempo para matar Hitler não é uma pessoa hedionda ou um grande especialista. Ele é um profissional entediado em uma profissão regulamentada, que está profundamente cansado de ouvir as mesmas ladainhas todo dia.

Um chiste agridoce neste universo de pessoas que compartilham a mesma apática expressão antropomórfica, incidentalmente, uma marca do autor, podendo ser vista também no seu título anterior publicado aqui, Shh!. Assassino de aluguel é uma profissão como outra qualquer. Despida de todo glamour e com todo o peso da banalização da violência sobre si, nesse mundo (nesse?) se mata por muito pouco.

Desavenças entre vizinhos, casamentos deteriorados, tudo é motivo para se tirar a vida de alguém. O que não deixa de ser uma grande brincadeira com a liquidez baumanniana das relações contemporâneas: nada é feito para durar, então simplesmente descartamos pessoas pelo caminho, já que essas pessoas e relações significam muito pouco para quase todo mundo. Daí para literalmente matá-las, não deixa de ser um passo, certo?

Resenha da HQ Eu Matei Adolf Hitler

Tédio opressor

Não obstante, esse aspecto é, também, um pano de fundo para a difícil relação do assassino com sua parceira. E porque é difícil, também é descartável. O ensejo geral da trama se reflete também no silêncio e na banalização da relação interpessoal dos dois. Silêncio esse que não é apenas implícito. Uma das grandes armas de Jason para potencializar sentimentos e emoções como a melancolia, apatia e distância na relação são as longas sequências de quadros sem nenhum diálogo, recordatório, nada. O grid fixo e planificado e os traços e cores que emulam a ligne claire franco-belga, contribuem para exacerbar ainda mais o sentimento opressor do tédio existencial vivido pelos protagonistas.

E tudo isso porque o assassino em questão, sendo nosso ponto de vista na narrativa, sofre de um mal contemporâneo terrível: ele não consegue conviver consigo mesmo. Ao voltar no tempo para matar Hitler, algo dá errado e ele é obrigado a reviver a história para chegar ao mesmo tempo em que saiu dela, reencontrando sua parceira 50 anos mais velho. Esse aspecto exterior não deixa de refletir um aspecto interior: mesmo tendo vivido 50 anos de história já conhecida sozinho e distante da sua realidade, quando ele retorna, nada parece ter mudado muito. Ele é basicamente a mesma pessoa. E isso diz muito.

Eu Matei Adolf Hitler é uma sutil, porém impactante, obra sobre a parodoxal relação do peso que a frouxidão nas relações contemporâneas exerce sobre nós. Você pode ser um assassino profissional, você pode ter a habilidade de voltar no tempo,tudo ao seu redor pode ser incrível, fantástico, mas não tem o poder de diminuir o opressor tédio que sentimos em uma época onde significados devem ser atribuídos por nós e são nossa responsabilidade – mas temos muito pouca paciência e tempo para fazer isso. Apesar de tudo, o último quadro da HQ nos oferece algum alento. Talvez não exatamente uma catarse, mas ao menos um fio de esperança.

Afinal, não há porque nos violentarmos dessa forma, certo?

Certo?

Já leu essas?
Tomie - Junji Ito
Tomie, de Junji Ito, na pauta do Formiga na Tela!
HQs que me emocionaram - FormigaCast
HQs que nos emocionaram no FormigaCast!
The Expanse - Formiga na Tela
The Expanse e a relação com o agora no Formiga na Tela!
Amarelo Seletivo HQ - Formiga na Tela
A HQ Amarelo Seletivo na pauta do Formiga na Tela!