Home > Quadrinhos > Blue Note: Os Últimos Dias da Lei Seca – Sempre dentro do tom!

Blue Note: Os Últimos Dias da Lei Seca – Sempre dentro do tom!

Blue Note mostra que o imaginário proporcionado pela época da Lei Seca está longe de se esgotar

Não consigo deixar de apreciar uma certa ironia pessoal no título da HQ de Mathieu Mariolle e Mikael Bourgouin, Blue Note – Os Últimos Dias da Lei Seca, lançado aqui recentemente pela editora Mythos. Quando garoto, ainda deslumbrado com o universo de conhecimento que se apresentava diante de mim, me tomava por um formalista. O que era um problema para alguns professores, como os de música, com quem estudei na adolescência.

Compre clicando na imagem abaixo!
Resenha da HQ Blue Note, da Mythos

Ao tentar me ensinar como executar uma blue note nota que não consta na escala diatônica tradicional, baixando alguns comas aos terceiro, quinto e sétimo graus da escala – ele ficava extremamente frustrado. Pois elas saiam perfeitas – mas de forma tétrica. Levou muito tempo para eu entender que a blue note não é uma técnica. É um sentimento. Demorou para obter uma certa vivência, e assimilar que música – como todas as outras formas de arte, incluindo quadrinhos – vai além de convenções fixas e estéreis. Hoje, sou grato ao meu professor, pois, ao abrir minha cabeça (às vezes meio na pancada) para além do formalismo, posso compreender a beleza sutil desta HQ de qualidade tipicamente francesa sobre uma história tipicamente americana.

(Falando em música e quadrinhos, que tal dar uma olhada em outros artigos sobre o assunto?)

Memórias a parte, algum contexto extra sobre história americana e a cultura do período pode valorizar a leitura, mas não é absolutamente necessário. Blue Note é uma pequena obra-prima que se sustenta sozinha. A dupla de autores franceses já acerta logo na saída, escolhendo como cenário um dos períodos mais instigantes – e aparentemente inesgotáveis – para narrativas na história estadunidense: a época da Lei Seca.

Resenha da HQ Blue Note, da Mythos

Como manda o bom manual do puritanismo ianque, quando essa sociedade vê um problema, ela lida com ele de maneira enérgica. Boba, mas enérgica. Seguindo a esteira do boom econômico pós-Primeira Guerra, a boa moral ianque, na figura dos políticos nem um pouco interesseiros e do “cidadão de bem” do período, decide que nada deve atrapalhar o crescimento econômico do país, nem distrair o bom trabalhador americano. Assim, eles decidem cortar sua maior distração: o álcool.

Entra em ação a controversa Lei Seca, que proibiu o comércio e consumo de álcool nos EUA entre 1920 e 1933. É o tipo de bobagem que professores de história tentam explicar o tempo todo – justamente por causa desse tipo de exemplo – mas muita gente parece ter dificuldade de entender: quando se vive num sistema capitalista, a oferta se adapta à demanda. Mesmo que seja contra a lei. Quando se proíbe algo que possui uma enorme demanda, cria-se imediatamente um mercado paralelo ilegal onde o preço inflacionado obedece às normas do capitalismo primevo de livre-mercado, onde as regras são ditadas não por um senso comum de competitividade sustentável, por aqueles que conseguirem se sobrepôr aos seus concorrentes.

Como bem sabemos – ou, para quem ainda insiste em discordar desse tipo de evidência, deveria saber – é daí que surge o grande surto criminoso do país nessa época, sustentado principalmente por essa vertente do comércio ilegal. Surgem, no período, grandes nomes da infâmia criminosa americana; destacadamente, gente do naipe de Al Capone. Mas abaixo desses figurões políticos e da máfia, inúmeras outras vidas foram afetadas por esse conturbado período do país – algumas, para nunca mais se encaixarem na sociedade novamente. Notas eternamente fora da escala, se o amigo leitor assim preferir.

Acordes visuais

Mariolle e Bourgouin escolhem como símbolos gráficos das suas blue notes narrativas duas figuras, que nos apresentam as vicissitudes do período por dois diferentes pontos de vista: Jack Doyle, um irlandês turrão, é convencido a voltar aos ringues depois de cinco anos afastado, e o jovem guitarrista R.J. encanta com sua habilidade Vincenzo, o dono de um clube famoso na cidade e também um perigoso mafioso. Ambos representam, cada um da sua forma, o peso que os males de um país assolado pelo crime oriundo da Lei Seca e, pelas consequências da Grande Depressão, exercia sobre os indivíduos da época.

Há que se apreciar o simbolismo apresentado aqui. R.J. é um violonista de jazz, uma linhagem descendente do blues. O blues, por sua vez, é a grande égide musical sob a qual o escravos norte-americanos lamentavam sua sina – to feel blue, para o amigo leitor que possa não saber, pode ser traduzido como “se sentir triste”. A jazz carrega, na sua aurora, o espírito do blues, mas acende uma luz no fim desse túnel: é uma arte que valoriza o improviso, os atalhos e caminhos secretos que existem entre acordes e compassos. De muitas formas, apesar de ter surgido no blues, a blue note encontra sua exegese no jazz.

R.J. e Doyle entendem isso. Os EUA estavam tocando, 1933, um jazz para o seu país: existia uma ideia geral, mas acomodou-se ao que parecia um caos. É o cenário perfeito para o drama de acentos e velocidades alternadas composto pela dupla de autores franceses. Para um jazzista e um boxeador, o caos e a incerteza não são perigos. São oportunidades – atalhos e caminhos secretos – para o dinheiro, fama e sucesso. Muito mais importante do que entender o contexto e a narrativa dos personagens aqui, é entender o sentimento. Tal qual uma blue note.

Resenha da HQ Blue Note, da Mythos

De fato, a arte de Bourgouin reflete esse aspecto de maneira sublime. Escolher a música como metáfora para uma mídia visual é sempre um problema, mas o desenhista tira de letra (trocadilho absolutamente pretendido). Não apenas seu traço dá ambientação e tons precisos para representar os EUA do começo dos anos 1930, como, para representar o jazz de maneira visualmente ele habilmente solta sua mão para simbolizar, sinestesicamente, a liberdade e o preenchimento que esse estilo musical proporciona.

Não obstante, reencontra a dureza e o impacto necessário para os traços do boxeador protagonista. Para coroar o brilhantismo desse trabalho, tons de azul permeiam as emoções que emanam da narrativa, acentuando seu aspecto trágico e dramático. Demonstrar domínio completo da proposta tanto narrativa quanto metafórica de uma HQ é mostra da envergadura deste desenhista.

Blue Note honra sua metáfora e, assim como os EUA em 1933, quando Roosevelt encerra a Lei Seca, termina de maneira melancólica. Não existe redenção para aqueles que gostam de caminhar do lado errado. Ou talvez exista. Afinal, por brutal que possa ser, a escravidão americana, por exemplo, gerou alguns dos mais transformadores e belos gêneros musicais contemporâneos. A Lei Seca gerou um zeigeist que até hoje alimenta grandes narrativas literárias, cinematográficas e quadrinísticas. O trabalho de Mariolle e Bourgouin colabora para celebrarmos, a posteriori, esse trágico período americano.

Blue Note pode não ter um lugar na escala diatônica. Mas certamente terá na sua estante.

Já leu essas?
Sam Raimi - Darkman
Sam Raimi e o filme perfeito de super-herói no Formiga na Tela!
Tomie - Junji Ito
Tomie, de Junji Ito, na pauta do Formiga na Tela!
HQs que me emocionaram - FormigaCast
HQs que nos emocionaram no FormigaCast!
Amarelo Seletivo HQ - Formiga na Tela
A HQ Amarelo Seletivo na pauta do Formiga na Tela!