Home > Livros > Análises > Laranja Mecânica – Suspendendo juízos morais!

Laranja Mecânica – Suspendendo juízos morais!

O livro Laranja Mecânica permanece incomodamente atual

Uma das mais clássicas celeumas da filosofia política acerca da natureza da moralidade humana gira em torno de supostas qualidades inatas: Rousseau afirmava que o ser humano era inatamente bom, enquanto Hobbes pontuava o contrário. Claro que, em ambos os casos, isso era muito menos uma discussão metafísica e muito mais um meio argumentativo para um fim epistemológico, já que, apesar da divergência nas conclusões, o questionamento de ambos era muito similar: do que consiste a natureza humana em relação à moralidade, e, determinando isso, como nos devemos comportar como indivíduos em relação à sociedade e vice-versa. Desses debates, muitas inferências e extrapolações foram realizadas – a ficção científica e suas distopias são um terreno particularmente prolífico para isso. E das distopias que discutem a natureza moral do ser humano, Laranja Mecânica, do inglês Anthony Burgess, republicado aqui recentemente pela Aleph, talvez seja uma das mais conhecidas.

Compre clicando na imagem abaixo!Resenha do livro Laranja Mecânica

Laranja Mecânica é essencialmente um livro que discute o livre-arbítrio diante da ideia de que não necessariamente boas escolhas serão feitas com ele, e o custo moral e social de se obrigar indivíduos a fazer as escolhas “corretas”. A trama conta, em primeira pessoa, a trajetória do adolescente Alex, um ser humano vil, desprezível – maniqueistamente maligno – que passa seus dias evitando deveres sociais, como a escola, para poder realizar atos de indizível maldade, como assassinatos, estupros, invasões, etc. Em determinado momento, um desses atos acaba interrompido por agentes da lei, e Alex é levado para a prisão. Não arrefecido seu comportamento brutal, a instituição decide submetê-lo a técnicas de “recondicionamento”. Agora avesso à violência, Alex passa a perceber a violência da própria sociedade à sua volta.

Um fato curioso sobre a relevância objetiva do questionamento proposto por Burgess: Laranja Mecânica foi publicado em 1962. Um ano depois, R.M. Hare, o renomado filósofo ético inglês, publicaria sua obra seminal Liberdade e Razão, um dos mais influentes textos filosóficos do século XX, que se propunha discutir um tema bastante caros aos textos distópicos de ficção científica – o texto aqui resenhado incluso. A investigação de Hare refere-se à aparente antinomia entre liberdade e razão. A racionalidade parece ser uma restrição à liberdade, enquanto a liberdade parece ser incompatível com a racionalidade. Rejeitar a racionalidade para preservar a liberdade é a marca das teorias da ética subjetivista / emotivista. Rejeitar a liberdade de enfatizar a racionalidade pertence às teorias naturalistas / descritivistas. 

Malignas liberdades

É nesse cisma que a obra de Burgess se encontra. Mais do que uma obra amoral, Laranja estabelece que a bondade e a civilidade podem não ser necessariamente uma escolha – podem ser uma indução que, no geral, é benéfica para a sociedade. Entretanto, para chegar a isso, a liberdade de escolha é completamente suprimida, o que impõe um difícil dilema moral: deveria-se permitir que Alex continuasse a ser uma criatura hedionda, restringindo não seu poder de escolha, mas sua liberdade física em si?

Não obstante, antes de tomar uma posição – algo relativamente fácil diante do contexto acima – é necessário observar duas ressalvas: primeiro, a supressão da liberdade de escolha não vem sem uma dose considerável do que é objetivamente tortura. Apesar de a chamada Técnica Ludovico ser apresentada como um método de recondicionamento e reeducação, observamos que se trata simplesmente de torturar um indivíduo até que ele acredite e se comporte da maneira que consideramos apropriada. Uma versão distópica de Pavlov – como se esse precisasse do adjetivo…

Segundo – aqui, com Burgess usando um brilhante pretexto narrativo, existe uma impactante mudança de perspectiva na trama, que não nos permite assumir maniqueísmos banais, a despeito da maldade de Alex. Como dissemos, a história é narrada em primeira pessoa por Alex. No primeiro ato, temos estabelecido o tipo de pessoa que ele é não pelos atos abjetos em si, mas pelas emoções do protagonista em relação à elas, transitando entre o tédio e um profundo prazer. No último ato, com ele recondicionado, passamos a ter noção do tipo de mundo que englobava a existência daquele maldoso adolescente: um lugar coletivamente não muito mais agradável como sociedade do que Alex era como indivíduo.

Resenha do livro Laranja Mecânica

A tradução em imagens dos conceitos de Burgess, cortesia de Stanley Kubrick no filme de 1971.

Paradigmas morais

O que nos leva de volta ao princípio filosófico social e político da distopia de Burgess: o ser humano é rousseauniano, bom mas corrompido, ou hobbesiano, mau mas forçado à civilidade? Não obstante, precede o pensamento de Hare na medida em que, para solucionar a antinomia observada por ele, o pensador propõe o que ele chama de prescritivismo, uma espécie de emenda ao emotivismo. Como os emotivistas, Hare acredita que o discurso moral não é principalmente informativo ou factual. Mas enquanto os emotivistas afirmam que a linguagem moral é principalmente destinada a expressar sentimentos ou influenciar o comportamento, Hare acredita que o propósito central do discurso moral é guiar o comportamento dizendo a alguém o que fazer. Seu principal objetivo é “prescrever” (recomendar) um determinado ato – fazer com que alguém realize esse ato ou expresse seus sentimentos e/ou atitudes pessoais.

Portanto, tanto o caos moral absoluto de Alex quanto seu recondicionamento forçado são atitudes reprováveis, por se submeterem a um escrutínio sectarista rudimentar, que acredita piamente que seu modus operandi é o correto: o indivíduo Alex destruindo e molestando toda a sociedade ao seu redor, e a sociedade e as instituições ao redor de Alex posteriormente destruindo e molestando o que ele é. Como uma boa distopia, Laranja Mecânica se dispõe muito mais a questionar do que a propôr respostas. E é por isso que, em tempos de individualismo exacerbado e “verdades” absolutas erigidas por maioria de votos, é um livro mais do que necessário.

Muito infelizmente, existe sempre algo de atemporal quando alguém se debruça sobre as lacunas dos ser moral humano.

Já leu essas?
The Expanse - Formiga na Tela
The Expanse e a relação com o agora no Formiga na Tela!
Planetes - Formiga na Tela
O mangá Planetes, de Makoto Yukimura, no Formiga na Tela!
Conto - O Dia Em Que A Terra Parou
O conto que inspirou O Dia em Que a Terra Parou no Formiga na Tela!
Metal Hurlant - FormigaCast
A revista Metal Hurlant na pauta do FormigaCast!