Home > Livros > Análises > Imperiais de Gran Abuelo – Terror brasileiro e aventura de época!

Imperiais de Gran Abuelo – Terror brasileiro e aventura de época!

M. R. Terci mescla narrativa militar com terror brasileiro de verdade

O apelo inerente às narrativas militares, principalmente aquelas que contam com um grupo que age nas sombras, é curioso. Publicado pela Pandorga, Imperiais de Gran Abuelo, quinto livro de M. R. Terci e primeiro volume das Crônicas de Pólvora e Sangue, já tem vantagem na largada por isso, mas traz diferenciais na trama geral que valorizam muito o conjunto.  Por exemplo, a ambientação de época, cerca de dez anos após a Guerra do Paraguai, e o forte elemento sobrenatural, fazendo a alegria dos leitores que procuram um terror brasileiro de qualidade.

Compre clicando na imagem abaixo!Terror brasileiro na literatura. Resenha de Imperiais de Gran Abuelo

Sabe aqueles clichês que você já viu muito, porém ainda animam bastante quando bem utilizados? A camaradagem entre o grupo, formado pelos mais endurecidos combatentes que existem, a lealdade ao líder – sempre alguém com um senso de moral inabalável – e por aí segue. Neste caso, a embalagem também ajuda bastante. O Brasil de Dom Pedro II, com sua configuração peculiar, pouco comum em obras de ficção, dá um ar interessantíssimo e (por que não?) instrutivo, já que Terci sentiu-se à vontade para usar figuras reais em sua narrativa.

Falando em pessoas reais, Manuel Luís Osório, o Marquês de Herval, é personagem de suma importância aqui. Tanto que o Gran Abuelo do título, vertido para o português como “Vovozão”, é o próprio. Militar de carreira e herói da Guerra do Paraguai, sua trajetória de caserna o marcou na História como “O Legendário” e patrono da Cavalaria do Exército Brasileiro.  O autor colocou Osório como líder de um grupo conhecido como Legião de Malditos, pela natureza de algumas ameaças insólitas que enfrentavam.

Quando a história começa, o Vovozão já está morto, sucedido no comando da equipe. Imperiais de Gran Abuelo é narrado em primeira pessoa pelo fictício Amadeu Carabenieri, cujo sobrenome já indica uma bela propensão guerreira. Tão respeitado quanto o falecido, o tenente é chamado Papá pelos subalternos, mas a inspiração que os faz seguir em frente é a memória de Osório. A morte não impede que sua presença permaneça entre eles, um sentimento dos soldados que é facilmente sentido pelo leitor.

Nas primeiras páginas, acompanhamos o grupo transportando caixão do líder, em direção à capela de Santo Nicolau, em Tebraria, na província de São Paulo. O local abriga a cripta de sua viúva e a intenção desta travessia é quebrar uma maldição. O evento serve como prólogo, deixando bastante claro qual é a proposta e a natureza desta história. Logo de cara, uma ameaça sobrenatural e uma dose cavalar de ação nos preparam para a jornada. Quem aceita seguir em frente, não tem do que reclamar depois neste sentido.

A partir deste primeiro obstáculo, começamos a descobrir gradualmente que existe um mal muito maior, desencadeado durante o conflito entre a Tríplice Aliança e o ditador paraguaio Solano López.  Cabe ao grupo deter a ameaça que tem origem nas tradições negras da brujeria, encontrando pelo caminho personagens e situações que enriquecem o pano de fundo histórico da aventura sobrenatural.

Terror brasileiro na literatura. Resenha de Imperiais de Gran Abuelo

M. R. Terci, o pai da criança!

Muita ação entre relatos que misturam realidade e fantasia

Já é um mérito a coragem de investir em um cenário como esse. Ainda que a esmagadora maioria do público alvo de livros como esse ignore, a História e o folclore brasileiro são fontes inesgotáveis de material para qualquer autor. É uma forma, inclusive, de despertar a curiosidade, não apenas dos mais jovens, para o que nós temos aqui mesmo. Imperiais de Gran Abuelo, mais do que um mero terror brasileiro com aventura, estimula qualquer um a pausar a leitura entre um ou outro capitulo para pesquisar sobre o que leu, separando o que é invenção do que é fato.

Porém, os que não estiverem dispostos a esse exercício não vão se frustrar, pois a função principal da obra é outra. No quesito entretenimento, ela cumpre muito bem sua função, mantendo-se movimentada até o confronto final. Viradas dramáticas acontecem e o autor tem a destreza necessária para que elas não soem gratuitas ou telegrafadas. Com pouco mais de 200 páginas na versão impressa, é uma leitura rápida que convida seus leitores a imaginar as sequências de ação como um filme carregado de violência gore.

Apesar do fluxo frenético de acontecimentos, a única ressalva fica por conta de alguns solavancos que interferem na cadência narrativa. O ritmo é um pouco prejudicado na estrutura dos relatos do nosso protagonista, quando precisa descrever eventos do passado para nos dar mais detalhes sobre ele mesmo e seu mentor. São momentos em que a sequência pegou um embalo que já envolveu o leitor. Quando interrompe e volta, é como se fosse um carro que parou e vai sair novamente, acelerando aos poucos até retomar a mesma velocidade.

Pequenos deslizes à parte, Imperiais de Gran Abuelo é mais um ponto a favor da boa Literatura Fantástica Nacional, junto a outras obras bacanas como Livraria Limítrofe e Sussurros da Boca do Monte. A satisfação é garantida, com aquele orgulho por tratar-se de uma obra genuinamente brasileira. Não apenas nos faz torcer por mais empreitadas de outros escritores com inspirações similares, mas também deixa, no mínimo, a curiosidade sobre o que mais M. R. Terci terá a mostrar ao seu público. A expectativa é bem positiva.

Já leu essas?
Tomie - Junji Ito
Tomie, de Junji Ito, na pauta do Formiga na Tela!
Weird Western - Robert E Howard
Weird Western de Robert E. Howard no Formiga na Tela!
Pós Terror - Formiga na Tela
Uma impressão sobre o termo Pós Terror no Formiga na Tela!
Conto - O Dia Em Que A Terra Parou
O conto que inspirou O Dia em Que a Terra Parou no Formiga na Tela!