Home > Livros > Análises > A Queda de Gondolin – Porque Tolkien nunca é demais!

A Queda de Gondolin – Porque Tolkien nunca é demais!

Volume de A Queda de Gondolin é um deleite para os fãs

O projeto da HarperCollins para as obras de J.R.R. Tolkien no Brasil finalmente tem início com a publicação de A Queda de Gondolin (The Fall Gondolin). Originalmente editado – como praticamente todo o resto da obra do Professor – pelo seu filho e herdeiro Christopher Tolkien, A Queda resgata um momento determinante na construção do legendarium tolkieniano. Na verdade, o primeiro deles, já que a primeira versão deste texto é apontada como a pedra fundamental no desenvolvimento da sua mitologia.

Compre clicando na imagem abaixo!Resenha de A Queda de Gondolin

O volume conta com diversas versões da mesma história, desde a sua primeira composição até suas versões posteriores revisadas e mais completamente inseridas dentro da história interna de Arda. É possível ver claramente a evolução da escrita de Tolkien, visto que a versão inicial data de 1916, tendo sido lida publicamente no Exeter College Essay Club em 1920 – ou seja, 17 anos antes da publicação de O Hobbit – até as últimas versões, quando a história da saga dos elfos na Terra-Média já estava melhor consolidada e organizada.

No conto, ficamos sabendo como Ulmo, o senhor das águas e um dos Valar de maior poder em Arda, revelou a Turgon a localização do vale de Tumladen, um local secreto e geograficamente fortificado, onde os elfos e aqueles que estes achassem dignos poderiam viver longe dos olhos e da corrupção de Morgoth, o primeiro e mais poderoso Senhor do Escuro. Sob este desígnio divino, Turgon encontrou o cisma dentro das Echoriath, as Montanhas Circundantes, e ali fundou sua cidade, cujo desenho era baseado na cidade de Tirion, em Valinor, que os Noldor tiveram que abandonar para sempre após o Fratricídio de Alqualondë.

A cidade cresceu em poder e prosperidade, e resistiu durante muito tempo às investidas de Morgoth. A cidade era protegida por sete portões, cada uma feito de um material específico – desde madeira, até aço – e era considerada inexpugnável, até que a traição de Maeglin, sobrinho de Turgon, levou as criaturas de Morgoth aos portões da cidade no momento mais propício possível. Gondolin termina completamente destruída, e sua tragédia torna-se uma das memórias mais dolorosas na mente dos noldorin na Terra-Média.

Mitologia para quem gosta de mitologia

O amigo leitor mais versado em mitologia pode perceber uma forte influência dos mitos gregos sobre um jovem Tolkien aqui – algo relativamente raro de se ver, já que o autor era conhecido por se debruçar sobre os entroncamentos nórdicos, germânicos e celtas da mitologia mais do que sobre os greco-romanos. A história claramente remete ao relato homérico do saque da cidade fortificada de Tróia, da traição de Efialtes aos espartanos nas Termópilas e às descrições da mítica cidade de Ecbátana. Talvez por ser o texto primevo de Tolkien, também encontremos uma justificativa aí para tal tipo de afirmação: como todos os habitantes do ocidente, Tolkien também era bastante influenciado pelas tradições greco-romanas, e não é absurdo afirmar que ele tenha encontrado nesses mitos – de conhecimento relativamente comum – uma boa pedra fundamental no desenvolvimento da sua própria mitologia.

Mas perceba, amigo leitor, como é necessária alguma base prévia para fruir completamente de A Queda. Portanto, é necessário frisar, principalmente para os leitores casuais, que este é um volume complementar – daí a nota reduzida do livro. Para quem já teve acesso ao textos de O Silmarillion e Contos Inacabados, A Queda de Gondolin pode ser um volume redundante – como também acontece com Os Filhos de Húrin e Beren e Lúthien. Ou então, se você é um fã mais hardcore e já teve acesso aos History of Middle-Earth – que esperamos honestamente que faça parte do projeto da HC Brasil, já que estes sim, trariam muito material inédito em português – A Queda é quase que completamente desnecessária.

Resenha de A Queda de Gondolin

Mas existe uma pegadinha nessa última sentença, porque, se você é realmente um fã hardcore, vai fazer questão de ter essa belezinha na sua estante. Primeiro porque, para fins de estudo da mitopoesia tolkieniana, é sempre mais fácil e mais rico ter material específico dedicado ao mito em questão – pelo menos, mais fácil do que buscar as referências nos imensos compêndios dos History ou nas versões específicas de Silmarillion e Contos. Com inúmeras notas, esclarecimentos específicos e referências dos textos originais, o livro é um prato delicioso para quem não acha que exista o bastante de textos de Tolkien.

Segundo, porque o volume em si ficou magnífico: o trabalho de publicação de HC, além da capa dura e papel de alta qualidade, também é adornado pelas ilustrações belíssimas de Alan Lee, que não apenas dão um toque de classe ao volume, mas também potencializam o processo de imersão no conto – uma decisão bastante acertada, visto que, como dissemos, A Queda é primariamente uma publicação para fãs ardorosos e/ou estudiosos de Tolkien.

A tradução

Agora, antes de encerrarmos, precisamos falar sobre o elefante na sala: a nova tradução, assinada por Reinaldo José Lopes (que participou do nosso podcast sobre Tolkien). O trabalho de dividido opiniões, principalmente em relação aos termos clássicos “orc” e “goblin”, que foram traduzidos como “orque” e “gobelin”. A justificativa é que o corpo de tradutores optou por obedecer de forma preciosista as orientações do próprio Tolkien para traduções, que incluem não apenas versões diretas dos vernáculos, mas também seu desenvolvimento social e histórico dentro da filologia de Arda. Devemos dizer que apoiamos tal decisão.

É salutar observar que, mesmo no contexto interno d’A Queda, Tolkien observa que, porque Gondolin permaneceu durante muito tempo isolada e com uma população mista de noldorin e sindarin, desenvolveu-se ali um dialeto distinto dos seus idiomas originais; a própria palavra “Gondolin” é uma corruptela oriunda das versões de Quenya, o idioma Noldor, que a chamava de Ondolindë, e do sindarin de Beleriand, que deveria chamá-la de Goenlin ou Goenglin.

Ou seja, a opção feita pelas tradutores é apenas orientada – apropriadamente – pela noção de que todo idioma é algo orgânico, que se adapta e se transforma às sociedades e contextos históricos que apresentam ou, no caso de Tolkien, representam; ergo, seria naturalmente um desenvolvimento outro de tais nomes e termos que não simplesmente sua alocação direta do inglês para o português. É preciso, principalmente para os fãs mais novos ou oriundos de outras mídias, desapegar-se da ideia de que o cânone tolkieniano obedece uma prima regra fixa e imutável. Se assim o fosse, o próprio autor não teria se dado ao trabalho de orientar traduções de nomes e termos.

A única nota realmente lamentável é que Christopher já deixou claro que A Queda de Gondolin provavelmente será a última publicação dos trabalhos restantes de seu pai. O que significa que, 45 anos após sua morte, estaremos definitivamente órfãos do Professor.

Certamente, uma tragédia pior do que qualquer uma que os elfos já enfrentaram…

Já leu essas?
Weird Western - Robert E Howard
Weird Western de Robert E. Howard no Formiga na Tela!
Metal Hurlant - FormigaCast
A revista Metal Hurlant na pauta do FormigaCast!
Aventuras do Formigueiro - FormigaCast
As aventuras de produzir conteúdo foram a pauta do FormigaCast!
Tolkien na Música - Formiga na tela
Tolkien e sua influência na música é a pauta no Formiga na Tela!