Home > Cinema > Slender Man: Pesadelo Sem Rosto – A face da vergonha!

Slender Man: Pesadelo Sem Rosto – A face da vergonha!

Slender Man não passa de um filme batido e imbecil

Em tempos que o terror é redescoberto, com A Bruxa, Hereditário e O Lamento, além de O Animal Cordial e As Boas Maneiras no Brasil, produtos como esse Slender Man: Pesadelo Sem Rosto (Slender Man) são um desserviço. Porque se esses filmes citados provam que o gênero pode ser revistado de maneiras diferentes, vemos aqui mais uma reciclagem genérica com adolescentes idiotas e sustos fáceis. Com o agravante de um roteiro risível e uma direção patética.

Crítica de Slender Man: Pesadelo Sem Rosto

O longa acompanha um grupo de quatro jovens que, em uma noite monótona, decidem ver um vídeo que acaba conjurando o terrível Slender Man, um ser sobrenatural que enlouquece suas vítimas e as leva para algum lugar misterioso. Claro que, já que armaram o problema, precisam achar um jeito de se livrar da maldição antes que seja tarde demais.

O Slender Man surgiu como um meme da internet em 2009. O caso foi abordado no documentário da HBO, Beware The Slender Man (2016), relatando como a brincadeira afetou psicologicamente duas meninas de 12 anos. Mas o que esse longa quer é ir para o mesmo lugar comum e sem graça de qualquer filme de terror cretino: o monstro aparece para apavorar adolescentes burros e só. Não há desenvolvimento algum na figura do monstro e os conceitos por trás dela.

Aliás, seria muita boa vontade dizer que há alguma coisa nesse roteiro escrito por David Birke (surpreendentemente, o mesmo do excelente Elle). Talvez um dos piores em se tratando de terror, pois falha em tudo. A história vai para todos os lados, com protagonistas seguindo o estereótipo moderno do adolescente: burras, apáticas e escandalosas. Os diálogos são elementos que assustam mais que o próprio Slender Man, parecendo escritos por umas das garotas da trama. Uma das falas afirma que a entidade invade sua cabeça como um vírus invade um HD, dito exatamente assim.

É de se questionar a sanidade de Birke, que devia precisar muito de dinheiro naquele momento para assinar algo assim, e – principalmente – da galera do estúdio que aprovou esse texto. É um roteiro que merece ser estudado em aulas sobre como passar vergonha.

Festival da incompetência: Errando no básico

Com certeza a pior coisa do filme é a direção de Sylvain White. Apesar da experiência em séries de TV como The Americans, Hawaii Five-O e Máquina Mortífera, algo de errado aconteceu por aqui, pois ele está mais perdido que cego na guerra. Nos primeiros cinco minutos de projeção, percebe-se que o diretor não tem a menor noção do que está fazendo, sem ter ideia de como filmar uma conversa de maneira decente. Parece que simplesmente posiciona a câmera para o ângulo mais bonito, mas não consegue nem criar um plano esteticamente aceitável ou interessante. A fotografia de Luca Del Puppo não tem coerência visual, chutando para todos os lados sem acertar.

Crítica de Slender Man: Pesadelo Sem Rosto

Mas White tem dois fracassos mais evidentes: criar um clima constante de suspense e terror e o seu trabalho com o elenco. O primeiro porque todos os sustos do filme são previsíveis ou erram no timing. Para ocorrer o susto, é preciso uma atmosfera para que o espectador sinta isso na hora certa. Slender Man erra pelo fato de que, em todos os ataques do monstro, há a repetição dos mesmos truques: o som da madeira quebrada indicando que ele está perto; ângulos esquisitos e uma trilha irritante (O que aconteceu, Ramin Djwadi?). Parece que o diretor não entendeu o básico. Se não funciona na primeira, não vai rolar na quinta vez.

Agora o outro ponto onde o longa erra com gosto: as atuações. Não basta as personagens serem irritantes e estúpidas, mas as atrizes conseguiram mostrar seu pior. Na verdade, todo mundo no elenco está ruim, mas o grupo de protagonistas se supera. Além de não haver química, todas são inexpressivas e irritantes. Com destaque para Julia Goldani Telles, que nos faz questionar sua opção profissional. É até cruel exigir muito de uma atriz jovem e iniciante, mas Telles não funciona de maneira alguma. Pode acontecer o pior na frente dela sem que sua expressão de sonsa e voz enjoada mudem. Ficamos na torcida para que o monstro realmente mate esse grupo.

Enfim, Slender Man: Pesadelo Sem Rosto é um dos piores – senão o pior – filmes do ano. Nada se salva e existem trabalhos de faculdade mais bem feitos que ele. Além do retrocesso no gênero, veio atrasado na onda no monstro. Um típico desserviço ao próprio Cinema.

Já leu essas?
Alta Ansiedade - Mel Brooks
Alta Ansiedade, de Mel Brooks, no Formiga na Tela!
Doutor Estranho - Full Moon
Doutor Estranho como você nunca viu no Formiga na Tela!
Tomie - Junji Ito
Tomie, de Junji Ito, na pauta do Formiga na Tela!
Django - Sergio Corbucci
Django, o original de Sergio Corbucci, no Formiga na Tela!