Home > Cinema > Predadores Assassinos -A união do cinema catástrofe com o horror!

Predadores Assassinos -A união do cinema catástrofe com o horror!

Tsunamis, furacões e crocodilos gigantes são a receita de Predadores Assassinos

Em Predadores Assassinos (Crawl), o espectador é convidado a conhecer Haley (Kaya Scodelario, de Maze Runner: A Cura Mortal), uma atleta de natação que mora na Flórida. Com a proximidade de um fortíssimo furacão, os avisos de evacuação tornam-se constantes. Mas Haley está disposta a encontrar seu pai, com o qual não consegue contato, antes de deixar o local. O problema é que Dave (Barry Pepper) está desacordado e ferido no porão de sua casa quando a filha o encontra. O extra fica por conta da proximidade de um monstruoso crocodilo, pronto para devorá-los na primeira tentativa de fuga.

Crítica de Predadores Assassinos

O horror e o cinema catástrofe são combinados de modo interessante pelo diretor Alejanxre Aja, que já havia mostrado talento com o assunto em Piranhas 3D e no ótimo Viagem Maldita. Um furacão de nível 5, animais gigantes e o estouro de uma barragem são os elementos principais da narrativa,que levam a ações desesperadoras dos personagens. Em pouquíssimo tempo de exibição,somos levados ao que realmente interessa: a sobrevivência de Haley e seu pai Dave. Na outra ponta do roteiro, os conflitos familiares são a fraqueza da narrativa. Somos tomados por flashbacks e discursos motivacionais sobre vitória e edificação moral, além de associações entre a equipe de natação de Haley e os conflitos dos personagens.

Há ainda o uso de repetições para criar situações que mantenham Haley e Dave dentro de casa, sempre fazendo-os retornarem ao ponto inicial da trama.  Na primeira vez, funciona muito bem, porém o uso repetitivo desagrada e tira qualquer tensão das cenas.Todos esses problemas, vale destacar, não chegam a atrapalhar o desenvolvimento da história, mas incomodam bastante.

Claustrofobia

Existe uma atmosfera claustrofóbica que é bem desenvolvida pelo diretor por meio da fotografia. O cenário do porão auxilia na caracterização e transposição desse clima ao espectador.O incômodo maior está no emprego dos jump scares.  Há dois momentos, logo no início do filme, em que o efeito é realizado com êxito. O problema é quando a direção decide utilizar o recurso de forma banal, o que atrapalha e impede claramente os efeitos que poderiam levantar o espectador da cadeira.

Outro problema encontrado em Predadores Assassinos é o mau uso do CGI. Infelizmente,a criação dos crocodilos deixa a desejar. Em nenhum momento o filme nos entrega alguma possível credibilidade de que aqueles animais na tela são reais. O trabalho de pós-produção é fraquíssimo. Para os mais desatentos,pode não incomodar. Entretanto, é um filme que com certeza envelhecerá precocemente.

Crítica de Predadores Assassinos

O ponto favorável à direção de Ajas está exatamente em alguns momentos de diversão propiciado pelas perseguições aquáticas dos monstruosos animais. A violência gráfica, algo próximo do gore, com corpos mutilados, bastante sangue e  timing cômico são marcos positivos e que aumentam as possibilidades de coesão do filme com o cinema de gênero. Vale lembrar que a produção do longaconta com o nome de Sam Raimi, o que justificaria algumas referências aos trabalhos do diretor de Evil Dead, como na cena do ataque dos jacarés aos assaltantes de uma loja de conveniência.

Predadores Assassinos (uma fatalidade da tradução brasileira) é divertido e consegue prender o espectador durante boa parte da projeção, mesmo com suas falhas e que merece atenção por aqueles que são ávidos pelo cinema de gênero.

Já leu essas?
Alta Ansiedade - Mel Brooks
Alta Ansiedade, de Mel Brooks, no Formiga na Tela!
Doutor Estranho - Full Moon
Doutor Estranho como você nunca viu no Formiga na Tela!
Tomie - Junji Ito
Tomie, de Junji Ito, na pauta do Formiga na Tela!
Django - Sergio Corbucci
Django, o original de Sergio Corbucci, no Formiga na Tela!