Home > Cinema > Ponte Aérea – Resenha e coletiva de imprensa (Estreia em 26/03)

Ponte Aérea – Resenha e coletiva de imprensa (Estreia em 26/03)

Ponte Aérea

Ponte Aérea é um filme brasileiro sobre amor que discute os relacionamentos contemporâneos de maneira, ao mesmo tempo, sensível e divertida. Só isso já valeria o ingresso, por ser algo raríssimo no cinema nacional, mas o filme dirigido por Julia Rezende conta com muitas outras razões para ser visto e apreciado. Inspirado no livro Amor líquido – Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos, de Zygmunt Bauman, e em experiências e questionamentos pessoais da diretora, ele propõe uma reflexão sobre o modo de se enxergar os relacionamentos amorosos nos dias de hoje. Cada vez mais encarados como um produto, algo a ser desejado e consumido sem muito esforço e dedicação, talvez a geração atual esteja com dificuldade ou medo de encarar os desafios e obstáculos que muitas vezes aparecem dentro de uma relação.

Ponte Aérea

Obstáculos não faltarão para o casal Bruno (Caio Blat) e Amanda (Leticia Colin). Após terem seu vôo Rio-São Paulo desviado para Belo Horizonte devido ao mau tempo e serem transferidos para um hotel, onde terão que passar a noite, o carioca e a paulistana irão se conhecer e após uma conversa rápida e superficial, passarão a noite juntos sem saberem ao menos os sobrenomes um do outro. Porém, a atração instantânea despertará algo maior e fará com que ele, em São Paulo para visitar o pai no hospital, a procure e iniciem um relacionamento, onde terão que se equilibrar entre as idas e vindas de Rio para São Paulo e vice-versa. A distância não será a principal dificuldade, mas as grandes diferenças no modo de vida e de enxergar o mundo entre eles. Amanda é uma mulher ambiciosa, workaholic e super focada, enquanto Bruno vive uma espécie de pós-adolescência prolongada, sem profissão ou objetivos definidos, apesar de bastante criativo e talentoso. Assim, ambos terão que aprender a conviver e se adaptar a essas diferenças, passando por um processo de amadurecimento e transformação no caminho.

Ponte Aérea

Ok, romances em que os protagonistas são de mundos diferentes e devem lidar com isso são bastante comuns e corriqueiros. Mas o grande mérito de Ponte Aérea é ter um roteiro que narra essa jornada de uma maneira delicada e agradável e que é tão bem estruturado que não sabemos como acabará. Ao contrário da grande maioria dos filmes românticos, aqui é difícil prever o destino do casal.

Ponte Aérea

Apesar dos personagens serem até certo ponto convenientemente estereotipados (carioca artista e relaxado, paulistana workaholic e estressada), eles são bem construídos e interessantes, com suas falhas e qualidades bem trabalhadas, tornando-os pessoas críveis e de fácil identificação com o público, sendo assim também fáceis de gostar. A transformação pela qual passam mostra que há muito mais neles do que poderia parecer no começo. A ótima atuação de seus atores também contribui muito para isso. Caio Blat, um dos nossos atores mais versáteis e atuantes entrega mais uma boa performance e a bela Leticia Colin desponta como uma grande promessa para o cinema nacional. Ambos estão muito bem tanto nos momentos mais descontraídos quanto nos mais dramáticos.

Ponte Aérea

Outro acerto é que as diferenças entre as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo são destacadas de maneira inteligente e bem humorada, não pendendo nem pra um lado nem pro outro. A belíssima fotografia ajuda muito nesse ponto, capturando as belezas de ambas as cidades sem apelar para a estética de cartão-postal. Fugindo do convencional São Paulo cinzento e Rio colorido, ela encontra o belo tanto na arquitetura dos prédios como nas praias e as locações são muito bem escolhidas e apropriadas para o clima da história.

Ponte Aérea é um filme feito com esmero e muito bem vindo no cinema brasileiro. Atual na discussão ao retratar o ponto de vista de uma geração, é também atemporal no tema ao tratar de amor, busca de identidade e amadurecimento. Que venham mais filmes como esse, sobre pessoas comuns enfrentando desafios comuns. Enfim, sobre nós.

[su_youtube url=”https://www.youtube.com/watch?v=LqRMjyCdbvw”]

A COLETIVA (Fotos de Marcelo Sakabe)

Coletiva Ponte Aérea

Após exibição para imprensa do filme Ponte Aérea, elenco e equipe esbanjaram simpatia e harmonia na coletiva realizada no Hotel Meliá para falar sobre o filme.  Estavam presentes as produtoras Mariza Leão e Erica Lootty, a diretora Julia Rezende e os atores Caio Blat, Leticia Colin, Felipe Camargo e Sílvio Guindane. Em clima descontraído, falaram sobre como foi realizar o filme e de como estavam orgulhosos dele.

A diretora contou sobre as motivações e inspirações para a obra. Afirmou acreditar que o amor e os relacionamentos são um tema importante da atualidade, mas que é muito pouco discutido no cinema nacional. Confessou ter usado bastante das experiências e indagações pessoais e de amigos para escrever o roteiro, que passou por diversas alterações e demorou quase quatro anos para chegar em sua versão final. Disse que queria falar sobre a dificuldade de sua geração de se comprometer e lutar por seus relacionamentos. Em meio a esse longo processo de levar Ponte Aérea aos cinemas, ela dirigiu Meu Passado Me Condena, que segundo ela lhe deu a chance de amadurecer como diretora e lhe preparou para um filme mais pessoal.

Coletiva Ponte Aérea

A produtora Mariza Leão, com seu jeito divertidamente desbocado de sempre, falou sobre as dificuldades de conseguir financiamento para um filme romântico e da importância de se filmar em locações reais nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, além do desafio de gravar num aeroporto em pleno funcionamento.

Os atores, num clima de camaradagem, falaram sobre seus personagens e suas relações pessoais com o tema do filme. Leticia Colin disse viver e entender bem os dilemas que sua personagem encara no filme, afinal, é um retrato de sua geração. Disse ter confiado plenamente em Julia para compor sua personagem e contou ao Formiga sobre as referências que tiveram dos filmes de Sofia Coppola para essa criação.

Coletiva Ponte Aérea

Caio Blat se mostrou um entusiasta e defensor do amor tradicional, com toda a proximidade e cumplicidade que vem junto com ele. “As pessoas estão com muito medo de se entregar e de amar. Se entregar é um ato de coragem. Sou uma pessoa com uma postura mais antiga. Queria casar e ter filhos.” Disse também ter amigos que tem medo de amar e que uma das razões que o levou a fazer esse filme foi justamente essa, de levar essa discussão para eles e gerar reflexão. Falou também da importância de um filme como esse no cinema brasileiro, dizendo que o jovem que vai ao cinema quer se ver lá. Pessoas comuns, encarando problemas e sentimentos comuns, retratadas de maneira sensível e inteligente. Fórmula que tem funcionado muito bem no cinema argentino e que começa aos poucos chegar por aqui.

No fim das contas, ficou evidente que esse foi um projeto bastante pessoal e feito com carinho e cuidado por todos. Equipe e elenco estavam satisfeitos com o resultado e esperançosos que o filme comunique bem com o público. Pelas reações que sentimos, parecem ter boas chances de conquistar esse objetivo.

Já leu essas?
Zé do Caixão na pauta do FormigaCast
Zé do Caixão na pauta do FormigaCast!
Crítica de Diante dos Meus Olhos
Diante dos Meus Olhos – Já ouviu falar de “Os Mamíferos”?
Crítica de Aspirantes
Aspirantes- Um estudo sobre a iniciação à vida!
Crítica de Azougue Nazaré
Azougue Nazaré – Maracatu (e fé) atômica!