Home > Cinema > O Poderoso Chefinho – Bebês falantes em uma animação divertidíssima!

O Poderoso Chefinho – Bebês falantes em uma animação divertidíssima!

Criatividade e humor em O Poderoso Chefinho

Eu sou filho único, mas imagino o quão duro deve ser para uma criança que monopoliza a atenção e os carinhos dos pais descobrir que, em breve, chegará à casa um novo ser disposto a lhe roubar todas essas coisas. Sem ter a maturidade para compreender a momentaneidade da situação, a criança, entrando em contato pela primeira vez com o ciúme, fará de tudo para que o “intruso” desapareça. O Poderoso Chefinho (The Boss Baby), a nova animação de Tom McGrath, em meio a muita imaginação e criatividade, é um filme que trata justamente desse sentimento conflituoso entre irmãos.

(Para aqueles que são fãs de animação, não deixem de conferir os recentes e criativos Minha Vida de Abobrinha e A Tartaruga Vermelha)

O Poderoso Chefinho, animação da Dreamworks, exibe criatividade e acerta no humor.

O Poderoso Chefinho

Inventivo, o roteiro escrito por Michael McCullers (adaptado do livro homônimo de Marla Frazee) conta a história do jovem Tim (Miles Christopher Bakshi o dubla na infância e Tobey Maguire, na vida adulta). Com uma imaginação fértil e tratado com muito carinho pelos atenciosos pais, ele descobre num certo dia que um irmãozinho (Alec Baldwin) está a caminho. Enciumado inicialmente com a chegada de um bebê que lhe tira toda a atenção, aos poucos, ele vai percebendo que, além de se comportar de uma maneira estranha, o pequenino também fala. Ao confrontá-lo, descobre que ele está em uma missão a pedido de uma corporação responsável pela chegada de novos bebês à Terra.

Dirigido por um Tom McGrath cada vez melhor (as experiências prévias como diretor dos filmes da série Madagascar foram bem aproveitadas pelo cineasta), O Poderoso Chefinho se beneficia da imaginação fértil de seu protagonista. Imaginando viver todos os tipos de situações de perigo, como lutas contra chimpanzés, mergulhos em pleno mar aberto, duelos de espada e tantas outras, Tim tem a bonita capacidade de usar os elementos mais simples do cotidiano como componentes de seus sonhos e fantasias. Nada daquilo que está ao redor passa despercebido aos seus olhos.

Do ponto de vista técnico e narrativo, essa característica do personagem acabou dando aos realizadores um leque maior de possibilidades imaginativas na hora de compor o visual da animação. Isso, aliado à montagem ao mesmo tempo frenética e elegante de James Ryan (percebem como as transações das fantasias de Tim para a vida real são sempre feitas de maneira plástica e clara) faz com que o filme gere no público a ótima sensação de que a narrativa nunca parará de surpreendê-lo. E embora isso não aconteça durante toda a projeção (alguns dos elementos são invencionices vazias), na maior parte do tempo, as ideias e concepções são ricas e divertidas.

O Poderoso Chefinho, animação da Dreamworks, exibe criatividade e acerta no humor.

Darei alguns exemplos: não há como não se encantar com a cena que revela o processo de fabricação em massa de bebês; ou deixar de considerar incrivelmente atual a ideia de que a missão do poderoso chefinho é recuperar a estima que as crianças perderam por causa dos filhotes de cachorro (nos dias de hoje, é muito comum ouvir comentários de que as pessoas preferem animais à seres humanos); ou ficar maravilhado com a existência de uma corporação de bebês estruturada como uma grande empresa, com espaço para CEO, departamentos técnicos e burocráticos e diferentes processos de seleção.

Mas é ao lado das eficientes gags e piadas que essas ideias imaginativas ganham força. Aliadas, as duas compartilham uma responsabilidade grande na rica comicidade do filme. Desde as particularidades do poderoso chefinho (a mania de dar um tapa na mão daquele que segura a sua mamadeira), passando pelas reuniões que ele tem com um outro grupo de bebês (uma delas é a sua secretária, e um outro é o seu guarda-costas), até os instantes que revelam a também existência de um corporação responsável pela venda dos filhotes de cachorro, praticamente todas as tentativas de humor do longa funcionam.

Os bons personagens e a bonita relação entre eles

No entanto, não há como falar da animação sem dedicar algumas linhas ao personagem do bebê. Arrogante e prepotente, mas também muito inteligente, ele é um representante típico do executivo milionário ao qual estamos acostumados a ver nos filmes. Amparada pela importância do cargo que exerce dentro da corporação, essa postura é responsável pelos melhores momentos da narrativa. A cena em que ele se apropria de alguns brinquedos para explicar a Tim como será a situação depois da sua chegada, ou o momento da primeira reunião com os outros bebês, são exemplos perfeitos de escrita e realização cômicas.

O Poderoso Chefinho, animação da Dreamworks, exibe criatividade e acerta no humor.

Porém, para evitar qualquer tipo de antipatia, o roteiro de McCullers é inteligente o suficiente para criar vulnerabilidades na personalidade do personagem. E é fascinante perceber que se workaholics adultos lamentam o fato de não terem uma vida pessoal, o poderoso chefinho se ressente de estar em uma posição em que nunca poderá participar de uma família. Em razão disso, não é à toa que será na relação repleta de altos e baixos com Tim que encontrará aquilo que ele mesmo desconhecia lhe fazer falta. E o protagonista, por sua vez, encontrará no irmão, e nas extravagâncias deste, um parceiro perfeito para lhe acompanhar nas suas fantasias.

Engraçado e comovente, O Poderoso Chefinho é diversão garantida tanto para crianças quanto para adultos. Mantendo a qualidade de suas animações, a DreamWorks acerta mais uma vez com este seu novo projeto. A animação tem qualidade para estar ao lado das melhores do estúdio, como as séries de filmes Shrek, Madagascar e Kung Fu Panda. E para os pais que levarão os filhos para assistir à animação atual, podem ficar sossegados: embora a dublagem original tenha nomes como Alec Baldwin, Tobey Maguire, Steve Buscemi, Jimmy Kimmel e Lisa Kudrow, o grupo de atores responsáveis pelas vozes nacionais fizeram um ótimo trabalho de interpretação. Portanto, estão esperando o quê?! Garantam já os seus ingressos!

Já leu essas?
Los Angeles - Cidade Proibida
Los Angeles: Cidade Proibida no Formiga na Tela!
Os Bons Companheiros - Formiga na Tela
Os Bons Companheiros na pauta do Formiga na Tela!
O Homem Que Queria Ser Rei - Formiga na tela
O Homem Que Queria Ser Rei no Formiga na Tela!
Critica de Quadrinhos - FormigaCast
A crítica de Quadrinhos é discutida no FormigaCast!