Home > Seriados > Artigos > Twin Peaks – O que tem de novo 20 anos depois

Twin Peaks – O que tem de novo 20 anos depois

Após quase duas décadas e meia de seu lançamento na televisão, para quem não sabe, está disponível em nosso país o Box completo (Gold Edition), distribuído pela Paramount, que traz as duas temporadas, o piloto e mais um bom número de extras inéditos de uma das coisas mais cultuadas da televisão, a série Twin Peaks. Até pouco tempo atrás, os apreciadores da série nunca tiveram uma apresentação digna de colecionador como é possível encontrar nesta Gold Edition.

série Twin Peaks

Lançado originalmente em 1990 na televisão americana, a chegada em DVD somente aconteceu na década passada, com as temporadas distribuídas separadamente. Difícil entender esta demora pela repercussão que teve entre os cinéfilos na época e pelo responsável ter sido uma das cabeças mais enigmáticas e influentes do cinema moderno, David Lynch.

Desta vez, nesta última edição, a coleção está como sempre mereceu. Entre os extras, talvez o mais interessante seja o documentário Segredos de um Outro Lugar, que explora toda a produção em detalhes. Conta também com entrevistas recentes envolvendo o elenco e o diretor, uma matéria que acompanha fãs no Festival Twin Peaks 2006 e até um episódio do Saturday Night Live que satiriza a série. Além também de muitas cenas perdidas e inéditas que não acompanhavam o primeiro lançamento.

Para quem não se lembra, a história gira em torno dos habitantes de uma pequena cidade chamada Twin Peaks, quando Laura Palmer, um dos moradores, é encontrada morta. Isso já ocorre no início do primeiro episódio e desencadeia uma série de descobertas sobre ela e também sobre os moradores da cidade. Segredos são expostos na medida em que o agente do FBI encarregado, Dale Cooper (Kyle MacLachlan), se aprofunda na investigação.

série Twin Peaks

Muito mais do que uma simples investigação para descobrir o culpado, o mistério é, na realidade, um estudo do comportamento humano… Um estudo ao estilo David Lynch, é claro. Comportamento e atitudes comuns não fazem parte do universo criativo do diretor. A narrativa obscura, complexa e surreal são suas marcas já consagradas. Quem assiste seus trabalhos, conhece sua imaginação fértil e rica em subjetividade. Lynch é daqueles poucos diretores que  possuem legião de fãs fiéis e causam impacto ao lançar um novo filme. Fãs que certamente estão ansiosos por um novo longa, pois o último é de 2006, Império dos Sonhos.

O diretor tem na bagagem um dos mais comentados e explorados filmes da última década, Cidade dos Sonhos. Porém, foi no início dos anos 90 que dirigiu e produziu esta série Twin Peaks. Sua vontade de produzir uma série televisiva era grande e conseguiu, principalmente, pelo sucesso inesperado de Veludo Azul. Mentor e produtor da série, dirigiu apenas alguns episódios, mas a finalização dos outros sempre passavam pelo seu aval.

E como foi mencionado Veludo Azul, a ligação entre ambos é evidente. Sem este filme, talvez o melhor do diretor, a série provavelmente não teria ido ao ar. O interessante é que, mesmo não tendo uma linguagem acessível ao público em geral, Veludo Azul fez um sucesso considerável tanto de crítica quanto de público. E este bom retorno, habilitou ao diretor à ir em frente com esta série, que leva muito do estilo do filme. O mistério com toques surreais está presente em ambos. Até o ator principal é o mesmo, Kyle MacLachlan, que o acompanhou em outros de seus filmes como Duna.

Série Twin Peaks

No Brasil, como passou na Rede Globo (quem diria!), não teve boa resposta do público na época, mas teve o status de cult muitos anos depois. Curiosamente, a emissora tomou a liberdade de alternar alguns episódios, pulando a exibição de outros e, por fim, terminou a transmissão da série sem passar seu final. Quem acompanhava teve que aguardar a saída da série em VHS. Um exemplo de respeito ao telespectador…

Confesso que não acompanhei a série quando passou na televisão e só tive a oportunidade de assisti-la alguns anos depois. O piloto e a primeira temporada são de altíssimo nível e fazem parte das melhores realizações do diretor. Porém a linguagem de Lynch se perde um pouco ao longo da segunda e última temporada e até o próprio toma as rédeas na direção para salvar os últimos episódios. De qualquer forma, o resultado final não fica comprometido e vale a pena acompanhar a série na íntegra.

Abaixo segue o trailer específico para este release Gold Edition.

Para quem se interessar ir mais a fundo, após o cancelamento da série, Lynch ainda fez um filme que é como um prólogo da série e se chama Os Últimos dias de Laura Palmer.

Já leu essas?
Serie Game of Thrones em estilo anime
Game of Thrones com abertura em estilo anime!
Westworld no Formiga na Tela
Westworld na pauta do Formiga na Tela!
Crítica do documentário David Lynch A Vida de Um Artista
David Lynch: A Vida de um Artista – Silêncio, um gigante está entre nós!
Cidade dos Sonhos - Formiga na Tela
Cidade dos Sonhos no Formiga na Tela!