Home > Seriados > Artigos > Star Trek Discovery / Primeira Temporada – Episódio 10: Crítica!

Star Trek Discovery / Primeira Temporada – Episódio 10: Crítica!

Despite Yourself traz Star Trek Discovery de volta com respostas – mas também com muitas perguntas

Pois bem, Star Trek Discovery finalmente retornou depois de dois meses de ausência. Após uma primeira metade de temporada de altos e baixos, a série retorna com o episódio Despite Yourself, com uma única missão: ir aonde todos nós já sabíamos que ela iria – o Universo Espelho.

Para nossa imensa felicidade, a série retorna mantendo o bom nível de onde parou, se encaminhando para nos fazer esquecer alguns tropeços bastante questionáveis do início. Porque o episódio 10 concentra algumas das características que todo bom fã de Star Trek exige: um pouco de fan service, um pouco de humor desajustado, uniformes mais legais que os originais (embora sem as faixas brilhantes – e muita, muita complexidade moral.

Dirigido por ninguém do que o eterno Number One Jonathan Frakes – competentemente, por sinal – nós começamos exatamente de onde paramos – com a Discovery no meio de lugar nenhum, após os hercúleos 133 saltos que o bravo (e agora possivelmente insano) Tenente Stamets executou para derrotar os klingons no episódio 9.

star trek discovery

Nada mais justo que o personagem fosse a ponte para o Universo Espelho, afinal de contas, ele foi o primeiro a cantar a bola de uma dimensão paralela na agora famigerada cena do espelho. Entretanto, a série da continuidade ao tratamento cada vez mais sombrio desse local – na série original era uma local até um tanto asséptico, cujo único objetivo era explorar a natureza de políticas fascistas (além de fornecer barbichas matadoras); em Deep Space Nine, o caldo já engrossa, e as consequências de um império fascista e opressor são mostradas de forma mais contundente.

Star Trek Discovery segue essa tônica, trazendo todo o peso de uma instituição fascista, assim como suas consequências mais diretas, mas vai além – prepare-se para um nível de brutalidade nunca antes visto nas franquias trekkers.

Alerta de Spoiler!!!

 

 

A primeira vítima dessa nova abordagem de Star Trek e de seu respectivo universo espelho é ninguém menos que o Dr. Culber. Se ele tivesse conversado com Saru, cujos gânglios de perigo estão em fúria desde o momento em que eles chegaram a esse universo, talvez ele tivesse percebido que o perigo realmente estava ao seu lado. Na figura de Ash Tyler, que é, na prática, o grande destaque desse episódio.

O motivo? A chiadeira da qual mesmo este articulista participou, sobre a maneira deliberadamente simples como o tenente sobreviveu e escapou do cativeiro klingon: agora nós “sabemos” (95% de certeza, vai) que Tyler é muito provavelmente um agente infiltrado klingon – como muito possivelmente, um klingon que passou pelo processo de valmorfanização para se tornar um humano.

De fato, esse é um dos pontos altos do episódio – a interpretação de Shazad Latif está acima da média, assim como a construção dos flashbacks do Tenente Tyler imprimem uma tensão considerável, em uma história que se alterna com outros momentos mais leves. Como dissemos, de fato, quem sofre diretamente com essa tensão é o Dr. Culber, que, ao pincelar a verdade em relação à Tyler, acaba despertando nele um lapso de desespero irracional – e este simplesmente quebra o pescoço do doutor. Eu avisei: brutalidade.

Desde nossa querida Tasha Yar em Star Trek: A Nova Geração nós não víamos um personagem de considerável importância ser descartado dessa forma em uma série trekker. O que nos leva a algumas reflexões: a) talvez ele não fosse tão importante assim; b) talvez ele seja e, como fica claro nesse episódio que todos os membros da tripulação têm sua contraparte no Universo Espelho, talvez ainda vejamos mais do ator Wilson Cruz na série; e c) talvez o objetivo dessa morte seja o mesmo que os roteiristas declararam para a morte de Yar: lembrar aos espectadores que o espaço pode ser um lugar fatalmente perigoso.

star trek discovery

No caso de Star Trek Discovery e seu tom naturalmente mais sombrio, esse novo patamar pode facilmente representar uma escalada mais sombria nos eventos da série.

 

 

Fim do spoiler!

 

De toda forma, nem só de Tyler vive esse episódio. Graças a um hard drive aleatoriamente encontrado que convenientemente possui todas as informações necessárias sobre aquele universo, devidamente entoada em diálogos apropriadamente expositivos – eu não sei se vocês notaram, mas sim, isso foi uma crítica – os comandados de Lorca rapidamente assimilam o perigo de estarem agora dentro do temível Império Terran, e sua guerra contra as raças alienígenas unidas.

Apesar do tom lúgubre que toda a situação descrita do Tenente Tyler dá a entender, o episódio tem sim, como dissemos, seus momentos de humor – principalmente na figura da Capitã “Killy” – como a cadete Tilly é chamada naquele universo, em que é líder da Discovery. O diálogo da Capitã com um Lorca ligeiramente “escocês” arranca algumas risadas do espectador.

Ainda sobre Lorca, um comentário precisa ser feito – esperamos ansiosos para ver o que virá da sua contraparte no Universo Espelho, já que se trata de um fugitivo que é perseguido pela Burnham daquela dimensão. Dizemos isso porque Lorca aparenta estar passando por uma transformação – aos poucos, ele vai deixando para trás aquele aspecto contestador e beligerante, e se tornando mais e mais um capitão que esperamos de Star Trek. É uma clara denúncia de que os roteiristas não sabiam como compor o personagem de início, mas mesmo assim é uma mudança bem-vinda.

Dessa forma, entre outras situações – como a descrição da anárquica maneira como os membros da Frota Terran sobem de posto naquele universo, assim como os carnavalescos, mas divertidíssimos, uniformes da Frota maligna – dão o alívio necessário que impedem que esse episódio se torne pesado além da conta – afinal, ainda é Star Trek.

O arco de Burnham no episódio compõe um último gênero a ser trabalhado – drama. Ao fingir ser sua própria irmã gêmea maligna de outra dimensão para se infiltrar na Discovery do mal, ela encontra um de seus antigos companheiros mortos na Shenzhou vivo e bem. E maligno, já que ele a ataca, provocando um dos dilemas morais mais intensos do episódio. Ciência bizarra meio frouxa, com toques de ação malfeita e dilemas morais agudos. Star Trek Discovery, você está finalmente começando a entender do que se trata Star Trek!

star trek discovery

E de fato, isso é o importante – Star Trek Discovery mantém seu rumo firme, finalmente começando a mostrar a que veio. O uso do Universo Espelho – esperamos, bem dosado, e não até o final da temporada – pode mostrar bem um contraste que ainda não havia ficado claro: porque a Federação do universo regular é uma utopia, e porque a guerra contra os klingons, em verdade, mostra o melhor que a humanidade pode oferecer.

Apesar de todos os elogios, ainda é um episódio elusivo – ele se propõe a responder muitas coisas, sem de fato responder, e ainda levanta outras perguntas. Ainda é necessário assentar melhor essa ideia de um Star Trek com um arco à longo prazo, mas é necessário, sim, exaltar que ela esteja continuamente se acertando e se definindo.

Ficção científica responsável, sem deixar de ser divertida. Bem-vinda de volta, Discovery.

Não deixe de conferir nossa crítica dos episódios anteriores!

Já leu essas?
trilha sonora
T-Bone Burnett – Uma lenda da trilha sonora!
simpsons
A Disney comprou os Simpsons! E agora? Alguém ainda liga?
o sol é para todos
O Sol é Para Todos – Quando um clássico gera outro clássico!
cidade maravilhosa
Cidade Maravilhosa… do Terror – A Mostra Sinistro de Cinema!