Home > Quadrinhos > LOKI – O peso da vitória

LOKI – O peso da vitória

Perigo em Asgard! O poderoso Odin comanda seus exércitos e consigo tem seu filho, o grande Thor! O combate acontece e a vitória é certa! Asgard está segura! Não, desta vez não. Em Loki, minissérie originalmente em quatro edições – publicada encadernada no Brasil, em edição de luxo, pela Panini Books  – o Deus do Trovão é feito prisioneiro e seu meio-irmão trapaceiro leva a melhor. Asgard finalmente foi dominada por Loki. Mas… O que vem agora?

Esse é o início de uma saga que trata da desconstrução de um dos maiores vilões da Marvel. A aventura mostra o deus da mentira de uma forma bem mais humana, sem o estereótipo vilanesco que estamos acostumados a ver. A série começa com Thor ajoelhado em praça pública para todos verem seu fracasso diante de Loki. Isso já revela muitos pontos fortes da série, na qual a personagem de Loki não será guiada pela conquista, pois Asgard já é sua! O problema? Simples. Loki sempre pensou em dominar o reino, mas jamais o que faria com ele e com seu antagonista. Quais são as mentiras e quais são as verdades dessa personagem?

A história continua sem perder o ritmo, Loki indaga sobre si e a respeito do portador do martelo encantado Mjölnir durante os quatro episódios, e tais questionamentos resultam em um final inesperado. Somado a essa trama, o novo soberano lidará com vários afazeres trazidos pela vitória. Um dos grandes pontos é a introspecção da personagem-título, percebendo não se conhecer como pensava. A série varia do drama até a ação e o desenrolar tanto quanto o final da série surpreende o leitor. As decisões do trapaceiro da Marvel revelam seu caráter e mostram como ele afeta os que estão próximos dele! Breve, mas muito mais intenso e interessante do que os quadrinhos mensais.

A arte é de Esad Ribic, artista croata que iniciou sua carreira em meados da década de 1990. Ele já trabalhou em minisséries como Surfista Prateado  Réquiem e Namor – Profundezas, ambas também publicadas no Brasil pela Panini. O roteiro fica a cargo de Robert Rodi, escritor, ensaísta e roteirista americano, que criou algumas minisséries como Thor: Por Asgard, Codename: Knockout e Astonishing Thor . O autor, homossexual , tem suas obras muito elogiadas no meio GLS. O leitor é levado pela dupla, para uma história intrigante do início ao fim. Rodi entra na mente de Loki e procura mostrar quem é ele de fato.

As cenas realmente refletem a tensão da história e a confusão da personagem. Ribic contribui muito em cada aspecto, pois as cores tornam o enredo mais profundo e suas composições completam toda a ambientação de Rodi. Ao passo que a história se intensifica, as cores tornam-se mais pesadas, acompanhando a narrativa. O artista usa a luz como um instrumento para contar e dar força a trama, o que se comprova pela cena do calabouço com Thor e várias ao longo da série. Nestas, a figura de Loki está encoberta por cores escuras e pesadas durante seus momentos de tensão, enquanto mesmo em cenas da prisão, Thor é representado com cores mais suaves.

Foram utilizados estilos clássicos nas vestimentas das personagens, mesclados a um visual viking, garantindo um ar de magia e fantasia. Esse cuidado com a ambientação faz a história tornar-se mais crível. A história também é enriquecida pela pesquisa sobre a relação entre Thor e Loki, com fortes raízes nas lendas nórdicas, porém sem deixar o universo Marvel de lado. No final, a edição de luxo brasileira traz algumas das lendas sobre o trapaceiro de Asgard. Originalmente publicada em 2005, com certeza, esta é uma história para ser lida por admiradores de fantasia e mitologia em geral, além dos fãs de bons quadrinhos.

A aventura retratada em Loki rendeu o motion comic que levou o título de Thor and Loki: Blood Brothers; feita pelo estúdio Marvel Knight Animation e lançada em março de 2011 de acordo com o site oficial. Foram utilizadas técnicas de CG para animar o quadrinho. Os animadores também se basearam em atores para verem como os personagens se comportariam. Confira o trailer!

Já leu essas?
Marshal Law no Formiga na Tela
Marshal Law, de Pat Mills, no Formiga na Tela!
Filme Pantera Negra
Pantera Negra comentado no Formiga na Cabine!
Chris Claremont
Chris Claremont ganha documentário sobre trajetória em X-Men!
Resenha de Elektra Vive
Elektra Vive – O Miller de antigamente!