Home > Quadrinhos > Os Novos Atlantes – Grande potencial, com espaço para melhorar!

Os Novos Atlantes – Grande potencial, com espaço para melhorar!

Novos Atlantes se inspira em HQ’s clássicas e apresenta potencial para se desenvolver

É gratificante ver a ascensão da produção de HQ’s no Brasil. Um mercado inóspito e uma arte ignorada até alguns poucos anos atrás, os quadrinhos nacionais começam a emergir com mais força para fora dos modelos cômicos/infantis de um tempo para cá. Isso estimula uma galera como Ismael Chedid, Frank Tartarus e Adan Marini, do Coletivo Tesla, a continuarem produzindo material original para os fãs de ficção. Sua nova obra, Os Novos Atlantes, se envereda por esse caminho.

Resenha da HQ nacional Os Novos Atlantes

Os Novos Atlantes

Diferente de Dies Irae, de temática mais sombria e pesada, Novos Atlantes emula os padrões de uma aventura tradicional de super-heróis. De aspecto leve, quase infanto-juvenil, a história trabalha em cima de um grupo de jovens que acaba pego em uma imensa revolução de poderes antigos, que despertam em nossos tempos e são grandes o bastante para destruir o mundo.

Lançado na ComicCon RS deste ano, é uma espécie de Jack Kirby escreve Power Rangers” – embora, claro, os autores de forma alguma demonstrem querer estar à altura do Rei. De pegada despretensiosa, a história é orientada pela noção de que o leitor pode aceitar o fantástico como algo factual e comum dentro desse mundo, mesmo que inesperado para os seus protagonistas. O grupo de jovens – como não poderia deixar de ser – tem personalidades bastantes distintas; personalidades essas que encontrarão ecos nos seus poderes.

Esses poderes, incidentalmente, têm bastante a ver com as circunstâncias nas quais a história se escala. Tendo início da exploração de sítios arqueológicos antigos da América do Sul, a coisa toda cresce rapidamente de um tempo remoto em um local específico, para o presente em escala global. Mas, mesmo que os problemas atinjam proporções planetárias, os personagens não abandonam suas raízes sul-americanas – principalmente as nativas.

Resenha da HQ nacional Os Novos Atlantes

Até por isso, se deve levar em consideração que, em muitos momentos da HQ, a arte oscila um pouco – na alternância entre planos abertos de grande escala com momentos mais intimistas e closes nos personagens, a arte de Adan Marini tem alguma dificuldade em se firmar – essencialmente, em estabelecer um padrão mais épico ou mais detalhista.

Problema de escala

Talvez, isso também deva um pouco à oscilação no próprio roteiro – embora a ideia de trabalhar um grupo de jovens super-poderosos de maneira despretensiosa seja sempre divertida – dar a eles um desafio que envolve a destruição do mundo logo de início pode ter tirado do leitor a oportunidade de conhecê-los melhor. Até mesmo, talvez, de estabelecer uma progressão dos seus poderes com maior solidez, o que abriria mais horizontes dentro da obra.

É claro que, entendendo que se trata de uma peça mais voltada para a diversão do que para uma história grandiloquente, não poderíamos cobrar demais de Novos Atlantes. A própria comparação com Power Rangers não foi irônica – todos nós nos divertimos com isso em algum momento das nossas vidas.

Resenha da HQ nacional Os Novos Atlantes

Mas a proposta dos autores talvez não fique clara de início para todos, e pode haver uma exigência maior sobre o quadrinho do que ele pode oferecer. Se houver uma continuação, essa melhor definição das características da história precisa ser observada pelo time da Tesla. Os Novos Atlantes têm um mythos intrínseco aos seus personagens e sua história que são divertidos, e tem bastante potencial.

Se os autores conseguirem, agora que estes já foram apresentados em uma história de estrutura mais conservadora, ir além e entregar algo realmente original – sem necessariamente exigir que abandone seu caráter mais despretensioso e divertido – talvez tenhamos o início de uma saga instigante para se acompanhar. É simplesmente uma questão de perceber para onde essa história pode ir para fugir das referências mais claras que a influenciam.

Para conhecer mais do trabalho do pessoal da Tesla, basta acessar o site deles!

Já leu essas?
charlie brown
Charlie Brown e Peanuts – o Setembro Amarelo com um ziguezague preto!
Paciência Daniel Clowes
Paciência – Amor, psicodelia e viagem no tempo!
conan
Os Quadrinhos Selvagens de Conan, O Bárbaro!
Unfollow Vertigo Panini Vol. 1
Unfollow Vol. 1 – Sem novidade e sem empolgação!