Home > Formiga recomenda > Barrier – Uma HQ obrigatória para os dias de hoje!

Barrier – Uma HQ obrigatória para os dias de hoje!

A HQ Barrier é mais um ótimo trabalho de Vaughan e Martín

Brian K. Vaughan (de Os Leões de Bagdá e Doutor Estranho: O Juramento) é um cara que merece sua atenção. Não apenas pela sua qualidade como roteirista, mas também por sua coragem empreendedora ao lançar um site como o Panel Syndicate. Caso você nunca tenha ouvido falar, a coisa funciona da seguinte forma: HQ’s em formato digital são disponibilizadas por lá e você paga quanto quiser. Mesmo que coloque 0 no campo do valor, o download é liberado. Barrier, minissérie em cinco partes, teve seu último número disponibilizado em julho passado e é algo que você deveria ler.

Resenha da HQ Barrier, de Brian K. Vaughan e Marcos Martín.

Se você já acompanha o Formiga Elétrica há algum tempo, é provável que já tenha esbarrado em um texto sobre The Private Eye, primeira iniciativa de Vaughan no formato digital, ao lado do desenhista Marcos Martín e da colorista Muntsa Vicente. Um trabalho tão bacana que rendeu até outro artigo sobre um aspecto conceitual específico. Universe!, de Albert Monteys, também ganhou uma resenha e é imperdível. Em Barrier, o trio criativo de TPE se junta novamente, trazendo outra ficção científica, mais uma vez discutindo um tema bastante pertinente para o mundo de hoje.

“Blah! Não tenho tablet e não gosto de ler no celular…”

Calma! Não desista desta resenha por isso. Talvez você ainda não saiba que as HQ’s do Panel Syndicate não são simplesmente páginas pensadas para o formato impresso que viraram arquivos. A diagramação é feita com a imagem na posição “paisagem” ou invés de “retrato”, o que significa que é possível ler com certo conforto até em seu monitor widescreen. Além disso, pense em como é preciso elaborar um raciocínio narrativo diferente para essas histórias… Ainda não fui de todo convincente? Bom, agora eu posso falar das qualidades da nossa obra em questão.

Liddy é proprietária de um rancho no Texas, o que a deixa em uma posição sensível em relação à entrada de imigrantes ilegais no país. Oscar é um hondurenho que foge sozinho de seu lar depois de uma tragédia bárbara. A primeira carrega preconceitos bastante comuns, o segundo é uma vítima das circunstâncias, ambos encontrando-se na mesma situação quando são abduzidos por estranhos seres interplanetários, com uma linguagem incompreensível e inimaginável para qualquer ser humano. Ah, é claro que Liddy não fala espanhol e Oscar não sabe nada de inglês.

Resenha da HQ Barrier, de Brian K. Vaughan e Marcos Martín.

Páginas elaboradas para o formato widescreen

Humm… linguagem + alienígenas. Lembra o filme A Chegada, não é mesmo? Se alguém pensou em apropriação de ideias, esqueça, pois o #1 saiu ainda em 2015. Além disso, falando com bastante franqueza, Barrier é muito mais eficiente em sua proposição do que o filme de Denis Villeneuve, cujo roteiro peca na solução e cai no abismo da ingenuidade. Partindo de uma ousadia que tem tudo a ver com a temática, trata-se de uma história bílingue. Inglês e espanhol intercalam-se de acordo com o núcleo enfocado. Uma versão com tradução uniforme para outra língua tiraria o sentido da história.

Confuso? Explico. Essa HQ foi concebida, em um primeiro momento, para um público norte-americano. Qualquer dificuldade com a língua hispânica faz parte das intenções do roteirista, uma vez que as imagens dão conta das informações vitais, caso o leitor não saiba palavra alguma do idioma. Para outros lugares do mundo, vale o mesmo raciocínio. A noção do inglês, pelo menos, é essencial. Pensando em uma situação inversa, a lógica se mantém.

Proposta em harmonia com a execução

O choque cultural entre esses dois protagonistas alude a um problema comum de hoje em dia, o que poderia redundar em mais uma história sobre antagonistas que se unem frente a uma situação extrema. No entanto, existe bem mais aí. Trazendo mais informações em flashback sobre a jornada de cada um dos dois, conforme a história avança, Oscar e Liddy vão ganhando substância  enquanto conhecem um ao outro, o que vai aprofundando essa discussão para algo que não é apenas sobre imigração ilegal.

Até mesmo o fato de serem alienígenas a colocá-los juntos é um detalhe importante nesta estrutura. A concepção nada humanoide destes também não é gratuita, além de sua linguagem incompreensível deixar o leitor inquieto sobre as razões por trás de todo esse tormento infligido aos dois. Com as revelações do final, Vaughan reafirma o sentido de ler Barrier com seu texto original bilíngue. Também nos mostra que o problema da falta de comunicação entre nós está longe de ser explicado com maniqueísmo fácil, revelando-se uma espécie de fractal quando olhamos de longe.

Resenha da HQ Barrier, de Brian K. Vaughan e Marcos Martín.

Essa ficção científica das boas é valorizada pela arte estilizada e dinâmica de Marcos Martín, cuja performance está bem à altura do trabalho anterior, convencendo nas detalhadas paisagens e criaturas alienígenas.  Em matéria de narrativa, a HQ flui fantasticamente em suas boas jogadas para indicar a passagem do tempo simultânea em dois locais, entre outros momentos. O uso de onomatopeias e a escolha de alguns planos de detalhe também são fatores muito chamativos, tudo isso auxiliado pela colorização sóbria e eficiente de Muntsa Vicente.

Brian K. Vaughan fez de novo, entregando algo que nos faz pensar sobre nossa situação atual. The Private Eye era sobre a privacidade na era digital. Barrier se mostra uma obra irmã, apesar do foco na questão da imigração. O ponto é que o questionamento sobre como a internet modificou a vida das pessoas na primeira obra encontra uma intersecção no assunto da comunicação na segunda. Afinal, as facilidades que temos hoje poderiam ter servido para diminuir a distância entre as pessoas, acabando com vários preconceitos. Infelizmente, o mundo está aí para mostrar não foi assim que aconteceu… até aqui, pelo menos.

Não deixe de ler e refletir. Se puder, contribua com qualquer valor com e continue acompanhando o Panel Syndicate. Já tem HQ nova rolando por lá…

Já leu essas?
liga da justiça dc
Liga da Justiça DC? Também tem da Marvel, Image, do mal, etc…
Resenha de Shenzhen: Uma Viagem à China, de Guy Delisle
Shenzhen: Uma Viagem à China – Estranho numa terra estranha!
Alena Kim W Andersson
Kim W. Andersson, autor de Alena, no Formiga na Tela!
A Liga da Justiça e suas cinco melhores HQ's
A Liga da Justiça em cinco ótimas HQ’s!