Home > Quadrinhos > Chico Bento – Arvorada | É di tirá umas lágrima du zóio!

Chico Bento – Arvorada | É di tirá umas lágrima du zóio!

Chico Bento – Arvorada é uma bela reinterpretação do personagem clássico

Por mais que a escola seja o local mais convencional de se receber lições, nada como a vida para ensinar aquelas mais importantes e difíceis. As vezes, só compreendemos a resposta depois de um certo tempo. E tudo bem. Faz parte. Em Arvorada, o clássico caipira criado por Maurício de Sousa, Chico Bento, é reinterpretado de maneira belíssima pelas mãos do talentoso artista Orlandeli. E nessa singela e graciosa história, aprendemos junto com o protagonista uma das lições mais importantes da vida.

Chico Bento em uma bela releitura

Chico Bento – Arvorada é a segunda história do personagem pelo selo Graphic MSP em que os clássicos personagens de Maurício de Sousa são repaginados.

Chico Bento – Arvorada é mais uma publicação do selo Graphic MSP, a primeira deste ano, em que os personagens clássicos de Maurício de Sousa são utilizados em releituras por diversos artistas nacionais. Inclusive, já publicamos um vídeo sobre as ótimas histórias do Astronauta lançadas pelo selo.

Maurício de Sousa nasceu no interior de São Paulo, em uma cidade chamada Santa Isabel. Foi a partir de suas lembranças sobre a vida no campo que o artista criou Chico Bento, que teve sua estreia em 1963 na tira Hiroshi e Zezinho, e logo tornou-se um dos personagens mais carismáticos e populares de Mauricio, tanto que roubou a tira para si mesmo.

Chico Bento em seus primórdios

Chico Bento nasceu em 1963 nas tiras de Hiroshi e Zezinho. Com o tempo, o personagem ganhou tanta força que se tornou protagonista de suas histórias.

Uma história simples e adorável

Sempre que falamos de histórias da Turma da Mônica, normalmente vem aquele pensamento nostálgico que, por mais agradável que seja, ainda assim soa como uma coisa que ficou na infância e que não tem lugar em nossa vida adulta. Além disso ser uma falácia em boa parte dos casos, a iniciativa do selo Graphic MSP realiza algo muito especial, que é recuperar a essência dos personagens clássicos e colocá-los em uma narrativa mais madura e direcionada para o público que cresceu com essas histórias, mas que em algum momento de sua vida deixou de lado esses quadrinhos.

Chico Bento – Arvorada conta uma situação entre o protagonista e sua amável avó, a famosa Vó Dita (que teve sua estreia em 1964), onde Chico acaba aprendendo não só uma, mas várias lições de vida sobre como valorizar os momentos especiais, mesmo que singelos a princípio.

O roteiro é de uma simplicidade invejável e possui uma pureza que só alguém que já viveu algo parecido com o que a história conta poderia proporcionar. No caso, o artista Orlandeli, nasceu em 1974 na cidade de Bebedouro, interior de São Paulo. Aos seis anos, mudou-se com a família para São José do Rio Preto. Essa vivência no ambiente interiorano, com certeza, foi essencial para o clima da história. Caso você, caro leitor, tenha a possibilidade de ler este quadrinho sentado na grama à sombra de uma árvore (um ipê seria o mais indicado), tenho plena certeza de que a experiência ganhará outra proporção. Caso isso não seja possível, não tem problema. Basta forçar um pouco mais a imaginação e relembrar do cheiro da grama após um dia de chuva.

Orlandeli reinterpreta o personagem Chico Bento de maneira cativante.

Em Chico Bento – Arvorada, Orlandeli consegue criar uma narrativa cativante e um traço belíssimo ao olhar.

Uma arte que salta aos olhos e impulsiona a narrativa

O traço e as cores do álbum também saltam aos olhos. Além do desenho possuir uma carga narrativa tão expressiva quanto as próprias falas, seu estilo ganha de imediato nossa empatia. O personagem meio torto e suas expressões salientes ajudam a transmitir a inocência dele perante o mundo, contrastando com a postura mais sábia dos adultos. A mise en scène minimalista e cartunesca reforça o caráter onírico e lúdico da história, em que, sem torná-la infantil, faz com que o adulto consiga mudar seu modo rígido de pensamento em algo mais pueril e sem o véu opaco oriundo de nossos problemas de gente grande.

É claro que na maioria dos casos em que esse tipo de sensação acontece, através de uma obra de arte, dizemos a nós mesmos que aprendemos com isso e vamos mudar. Isso dificilmente ocorre na prática. Prometemos a nós mesmos que vamos valorizar mais determinados momentos e ver a vida com outros olhos. Balela em muitos casos. Você sabe. Eu sei. Mas se a arte consegue extrair de nós um momento, por mais breve que seja, de reflexão e mudança de estado de espírito, já valeu a pena. Chico Bento – Arvorada consegue realizar isso de forma tão doce e natural quanto uma avó consegue arrancar um sorriso de seu neto dando-lhe uma cocada caseira fresquinha. Talvez, com o passar do tempo, a rotina o impeça de levar as lições dessa HQ para a vida prática. Mas se uma ou duas lágrimas escaparem, principalmente por aqueles que já tiveram sua Vó Dita, essa arte já cumpriu seu papel com maestria

Chico Bento - Arvorada é uma belíssima obra de arte.

Arvorada é uma história doce que vai fazer com que você derrame uma ou duas lágrimas. Ok, talvez mais.

Chico Bento – Arvorada é uma bela homenagem ao clássico personagem de Mauricio de Sousa e um incrível exemplar de história em quadrinhos nacional. Recomendado principalmente para adultos que tem pouco tempo para se atentar aos singelos momentos especiais da vida, Arvorada vai conseguir lhe tirar do ambiente barulhento e poluído da cidade e transportá-lo para a calmaria e pureza do campo, por pelo menos um instante. Mas é um instante que vale a pena. E mesmo que esse instante, embrulhado num pequeno pedaço de tempo, pareça pouco, confie em mim. Não é pouco.

Já leu essas?
thor: ragnarok
Thor: Ragnarok – Pastelão esquizofrênico
história do brasil
A Infância do Brasil – A triste história do Brasil pelos olhos das crianças!
HQ Teocrasília
A HQ Teocrasília é mais um trabalho nacional no Catarse!
Dark Horse Comics libera prévia de Grandville: Force Majeure
Dark Horse Comics solta prévia do novo álbum de Bryan Talbot!