Home > Programas > Formiga na Tela > Operação França é a pauta de mais um Formiga na Tela!

Operação França é a pauta de mais um Formiga na Tela!

Operação França, a virada de William Friedkin

Um dos grandes exemplares do período que ficou conhecido como Nova Hollywood (tema de outro episódio do Formiga na Tela), Operação França foi o filme que colocou William Friedkin nos holofotes, rendendo até um Oscar de Melhor Diretor em 1972. O cineasta depois emplacaria outro enorme sucesso com O Exorcista (outro que ganhou um vídeo nosso), mas o retrato cru e incisivo da luta de dois policiais contra um esquema de distribuição de drogas é o divisor de águas nesta carreira.

Com toda a experiência que acumulou enquanto diretor de documentários para a TV, Friedkin, no fim da década de 1960, se via em uma encruzilhada. Após quatro filmes de pouco destaque, embalado por influências de Antonioni e da Nouvelle Vague, o jovem diretor rejeitava o cinema de gênero. Em contrapartida, havia um receio de que seus filmes nunca tivessem um grande alcance. O convite para adaptar o livro de Robin Moore, mais um conselho do lendário Howard Hawks, abriram sua mente. Poderia ser apenas mais um filme policial genérico, feito com orçamento enxuto, mas se tornou algo mais.

Operação França no Formiga na Tela

Produzido por Phil D’Antoni, que vinha do sucesso de Bullitt, com Steve McQueen, a ideia era extrapolar. Não seria apenas um caso em de “caras bons enfrentando caras maus”. Baseado em vivências de pessoas reais, os policiais Eddie Egan e Sonny Grosso, que também participaram de Operação França, a composição do protagonista traria uma ambiguidade muito maior ao filme assumidamente de gênero. A capacidade de Friedkin de conferir verossimilhança às sequências, adquirida em seu passado na TV, se tornaria mais um diferencial.

Claro que toda essa carga dramática poderia se perder sem o elenco certo. O papel do truculento e obsessivo Jimmy “Popeye” Doyle ficou com Gene Hackman, após vários outros cotados, inclusive o próprio McQueen. Escolha mais do que acertada, trazendo mais realidade a essa trama urbana. Roy Scheider como Buddy “Cloudy” Russo encarnou o parceiro mais ponderado, criando um elo de ligação mais forte com o público.

Confira mais detalhes sobre essa fantástica produção em mais esse Formiga na Tela, onde falamos bastante também sobre a icônica cena de perseguição, algo difícil de ser superado até mesmo hoje em dia.

Inscreva-se, curta, comente e compartilhe. Voltamos na semana que vem e até lá!

Confira!

Já leu essas?
Crítica de Tempestade: Planeta em Fúria
Tempestade: Planeta em Fúria – O espectador também…
Crítica de Além da Morte
Além Da Morte – E também da qualidade, inteligência e do bom senso!
Resenha Elric de Melniboné
Elric de Melniboné no Formiga na Tela!
Crítica do filme Bom Comportamento
Bom Comportamento – Marginalidade pulsante e afetos desajustados!