Home > Livros > Análises > Vou lhe mostrar o medo – Suspense biográfico!

Vou lhe mostrar o medo – Suspense biográfico!

Vou lhe Mostrar o Medo

Vou lhe mostrar o medo

O século XIX foi abrigo de muitos eventos marcantes na história da nossa sociedade. Além do colapso de grandes impérios europeus e asiáticos, como o Sacro Império Romano e o chinês, tivemos a famosa Revolução Industrial e também várias descobertas e invenções nas áreas de mecânica, eletricidade e transporte. É nesse contexto de crescimento populacional e urbano que viveu um dos mais importantes contistas e poetas do suspense literário, Edgar Allan Poe.

Em Vou lhe mostrar o medo, escrito pelo norueguês Nikolaj Frobenius (roteirista da versão original do filme Insônia) e publicado em 2008, acompanhamos a vida de Poe desde a infância até sua morte em 1849, focando nas relações familiares, os conflitos que teve com os escritores e críticos literários da época e nos misteriosos assassinatos claramente inspirados em seus escritos. Misturando realidade e ficção, a obra assume um tom de biografia romanceada com grandes doses de mistério e suspense, digno dos contos de Poe.

Nikolaj Frobenius

Nikolaj Frobenius

Ao acompanharmos o protagonista na carreira de poeta e escritor, notamos dois aspectos muito fortes que compõem sua personalidade. Um deles é arrogância. Poe trata a grande maioria dos seus críticos e escritores contemporâneos com um forte desdém e simplesmente não aceita a ideia de não ser reconhecido. Tal raiva é ainda mais acentuada por seu eterno estado de pobreza e testemunho da tuberculose de sua esposa. O outro aspecto é seu fascínio pela morte. Em diversas passagens do livro ele fala sobre a beleza existente no conceito da morte, e sua paixão mostra-se doentia quando o próprio admite amar mais sua esposa quando está moribunda.

Além de Edgar Allan Poe, outra figura central é a do poeta e crítico literário Rufus Griswold. Religioso e cidadão exemplar – de acordo com o pensamento geral da época – Griswold torna-se o maior inimigo e, de certa forma, o melhor amigo de Poe. Mesmo não considerando as obras dignas das ”pessoas de bem“, Rufus enxerga uma inquestionável qualidade, porém as aponta como destituídas de moral e afirma que renegam a Deus. Mesmo odiando-as não consegue parar de lê-las, com uma mistura volátil de fascinação e desgosto, o que torna os diálogos entre Edgar e Rufus o ponto forte do livro. As falas de cada personagem – além de serem uma análise do próprio Nikolaj sobre a obra de Poe – são muito bem escritas e conseguem dar o tom da sensível relação entre essas duas figuras opostas que se admiram.

Rufus Wilmot Griswold (1815 - 1857)

Rufus Wilmot Griswold (1815 – 1857)

A partir do momento em que os assassinatos se iniciam, temos a sensação de que a narrativa ganhará um tom mais próximo do thriller, mas Frobenius nos surpreende em não colocar o protagonista na posição de suspeito – o que seria o clichê óbvio. Ao invés disso, a história se preocupa mais em explorar as questões psicológicas dos personagens em meio a esses crimes bizarros.

A narrativa também traz dois diferentes estilos que enriquecem a percepção dos acontecimentos. Quando acompanhamos Poe e Griswold, lemos uma história em terceira pessoa. Em outros momentos específicos, a leitura é intercalada com capítulos escritos de forma rudimentar em primeira pessoa. São as cartas enviadas a Poe por Samuel Reynolds, um albino, filho de escravos, que criou uma elevada admiração pela obra e pessoa do escritor. Ao ler essas passagens, sentimos um incômodo ao perceber que Samuel foi influenciado, da pior maneira possível, pelo elemento misantrópico das histórias de Poe.

Edgar Allan Poe (1809 - 1849)

Edgar Allan Poe (1809 – 1849)

Com referencias a inúmeros poemas e contos de Edgar Allan Poe, Vou lhe mostrar o medo é um ótimo suspense psicológico, com diálogos ácidos e uma análise do panorama literário da primeira metade do século XIX. Funcionando como um verdadeiro romance biográfico, o livro de Nikolaj Frobenius é leitura essencial para qualquer um que se interesse pelo pai do gênero policial na literatura.

Já leu essas?
Resenha de Shenzhen: Uma Viagem à China, de Guy Delisle
Shenzhen: Uma Viagem à China – Estranho numa terra estranha!
Crítica de Uma Razão Para Viver
Uma Razão Para Viver – Estreia frustrada de Andy Serkis na direção!
Cemitério Perdido dos Filmes B Redux
Cemitério Perdido dos Filmes B: Redux – Despertar dos cinéfilos imortais!
Critica de Histórias de Amor que Não Pertencem A Este Mundo
Histórias De Amor Que Não Pertencem A Este Mundo – Comédia italiana!