Home > Livros > Análises > O Regresso – O livro que inspirou o filme!

O Regresso – O livro que inspirou o filme!

O Regresso_Michael Punke

livro O Regresso

Narrativas de sobrevivência tem um apelo geral indiscutível, ainda mais quando baseadas, ou meramente inspiradas, em fatos. Hugh Glass foi um caçador que viveu no século XIX, passando para a História por haver sido atacado por um urso cinzento, sobrevivendo sozinho e precariamente equipado em um ambiente selvagem, após seus companheiros, incumbidos de aguardarem sua morte e lhe arranjarem um enterro adequado, o abandonarem. Vingança? Claro, pois – bem ou mal – isso é uma motivação e tanto para manter-se vivo. Evidente que um caso como esse, ocorrido há tanto tempo, tem várias versões e discordâncias entre pesquisadores, mas todos aceitam que houve o ataque e que Glass foi abandonado, algo que oferece uma oportunidade fantástica para qualquer autor trabalhar em cima.

Michael Punke – embaixador dos EUA na Organização Mundial do Comércio – criou uma ficção mantendo-se fiel ao evento principal, incluindo outros participantes da vida real e locais por onde o protagonista teria passado. O livro O Regresso (The Revenant) foi lançado originalmente em 2002, ganhando agora sua edição brasileira pela editora Intrínseca. Com cerca de 270 páginas e dividido em duas partes, a primeira metade do livro descreve os eventos que disparam a busca por vingança, outro detalhe aceito como realidade, situando o leitor no momento histórico dos EUA e na vida dos três personagens principais. No presente do texto, Hugh Glass está a serviço da Companhia de Peles Montanhas Rochosas, trabalhando como caçador. O passado do protagonista também é contado neste primeiro ato, com as devidas liberdades que preenchem as lacunas dos fatos e especulações, como sua breve atuação forçada como pirata e seu posterior aprisionamento pela tribo Pawnee. Esse e outros casos relevantes são esclarecidos em notas históricas no fim do livro.

livro O Regresso

Retrato de Hugh Glass!

O autor também se esforçou, ainda na primeira metade, para criar um pano de fundo rico para os dois coadjuvantes importantes, John Fitzgerald e Jim Bridger. Os dois são destacados para cuidar do agonizante Glass, abandonando-o e levando seus pertences não muito depois. Toda trajetória anterior e motivações deles são bem interessantes, estabelecendo muito bem a personalidade de ambos, criando um Fitzgerald detestável que contrasta com a inocência do jovem Bridger. Vale citar, inclusive, que a participação deste último na saga real de Glass é contestada.

Trama de vingança partindo de um caso verídico, trio principal interessante e alguns momentos de tensão com pontos de virada dignos, apesar da simplicidade geral da situação. Estava indo bem, mas entrando em sua segunda parte, O Regresso cai bastante em termos de ritmo, com Glass já praticamente recuperado fisicamente e interagindo com outros personagens que encontra pelo caminho. A escrita não se mostrou, em momento algum, crua e impactante o bastante para enfatizar habilmente a dor e a solidão do protagonista, mas até ali vinha mantendo-se interessante pelos motivos já citados. Além de um personagem que insinuou-se como relevante e ficou apenas nisso, o Capitão Andrew Henry, conforme o protagonista vai se aproximando de Fitzgerald e Bridger, sua motivação também perde força e a leitura segue apoiada na recompensa final que o leitor espera receber.

Michael Punke

Michael Punke

Concluindo a jornada dos três personagens principais, fica uma dúvida. Por que a relutância em romancear um pouco mais esses eventos, já que o próprio autor apresenta sua obra como ficção? O resultado chega a ser frustrante e pouco justificável, no que parece pretender uma aproximação maior com aquilo que pode ter acontecido mesmo. Caso essa tenha sido a intenção, não é aceitável, já que Punke precisou de um personagem desinteressante – ingenuamente construído – aparecendo do nada, apenas para posicionar os elementos do clímax. Se o reencontro de Glass com Bridger tem até um peso dramático razoável, quando a resolução final se apresenta, deixa a impressão de que falta um capítulo, falhando justamente no momento mais aguardado. É importante citar não estamos falando de algo que sugere diferentes interpretações.

Partes do livro de Michael Punke foram utilizadas pelo cineasta Alejando Iñárritu e o roteirista Mark. L. Smith no roteiro do filme homônimo. É inútil discutir sobre qual dos dois é melhor, mas uma relativa comparação entre eles, neste caso, se torna interessante para pensarmos sobre o quanto dele foi aproveitado – e descartado – no cinema e quais as diferenças fundamentais entre as duas abordagens. Por isso, o livro O Regresso até se torna recomendável para um público curioso que, claro, tenha gostado do que viu na tela.

Com um começo bem promissor e bons momentos esparsos, depois revelando um conjunto pouco memorável, o texto de Punke ganha alguns pontos através da aura verídica que a história de Hugh Glass possui. Óbvio que o interesse em torno dele aumenta com o filme, mas o que pode ajudar na apreciação do leitor é, principalmente, uma expectativa bem moderada.

Já leu essas?
Vinte Mil Léguas Submarinas no Formiga na Tela
Vinte Mil Léguas Submarinas no Formiga na Tela!
Resenha de Almoço Nu, de William S. Burroughs
Almoço Nu – Desconstruindo tudo!
A entrevista com Fellini em A Arte da Visão
A Arte da Visão Vol. 1 – Fellini dispara contra o mundo!
Resenha de Elektra Vive
Elektra Vive – O Miller de antigamente!