Home > Livros > Análises > Conversas com Kubrick – Um novo modo de olhar o artista!

Conversas com Kubrick – Um novo modo de olhar o artista!

É indiscutível que Stanley Kubrick foi um dos diretores mais importantes da história do Cinema. Com apenas treze longas-metragens em seu currículo, ele deixou um legado de obras-primas que permanecem irretocáveis até hoje. Para compreender melhor e se aprofundar na questão estética e filosófica da filmografia do cineasta, o crítico Michel Ciment fez um compêndio, que une textos analíticos a entrevistas e depoimentos do próprio diretor e de pessoas que trabalharam com ele. Toda essa riqueza de informações sobre o recluso artista faz de Conversas com Kubrick (Kubrick), que a Cosac Naify lançou em 2013, uma leitura obrigatória para qualquer cinéfilo.

conversas-kubrick

Martin Scorsese é o responsável pelo prefácio do livro, que foi publicado originalmente três anos após a morte de Kubrick, em 1999. Já nesta parte, percebemos que sua obra precisa de tempo para ser digerida. O veterano fala de como vários filmes do falecido cineasta foram mal compreendidos em sua época de lançamento, recebendo o olhar que mereciam somente anos mais tarde. Só pelo peso destas declarações no prefácio, pode-se notar como é uma obra digna de ser vista com atenção e analisada de tempos em tempos.

“Assistir a um filme de Kubrick é como ver o cume de uma montanha a partir do vale. Nós nos perguntamos como alguém pôde subir tão alto.”

                                                                                                                       Martin Scorsese

Stanley Kubrick

Stanley Kubrick (1928 – 1999)

Entre as 384 páginas, também há um conjunto de textos sobre a obra de Kubrick escritos por diversos autores. É extremamente interessante como cada um mostra uma visão completamente diferente a respeito dos mesmos filmes, e o melhor é que todas elas são aplicáveis. É uma filmografia absolutamente rica em sua linguagem, conseguindo proporcionar essa diversidade de olhares até hoje.

Set de filmagem do filme 2001 - Uma Odisséia no Espaço

Set de filmagem do filme 2001 – Uma Odisséia no Espaço

Neste tipo de iniciativa, é claro que sempre existe um ou outro texto que força a barra em alguns momentos, como -por exemplo – um autor que diz que Kubrick escolheu o planeta Júpiter em 2001- Uma Odisséia no Espaço para representar o deus grego Zeus. Essa leitura seria até interessante, não fosse o fato de que a escolha de Júpiter foi por uma questão meramente técnica, já que Saturno (como é no livro de Arthur C. Clarke) não estava crível em tela. De qualquer forma, a leitura desses artigos nos faz querer revisitar cada um dos longas do cineasta à procura de novos significados.

Stanley Kubrick e Jack Nicholson no set de O Iluminado

Stanley Kubrick e Jack Nicholson no set de O Iluminado

Sem dúvida, a parte mais interessante é a que contém as entrevistas com o próprio Kubrick sobre Laranja Mecânica, Barry Lyndon e O Iluminado. Como sempre se manteve longe de holofotes e raramente concedia entrevistas, qualquer palavra dele mesmo sobre sua obra – ou sobre o Cinema em si – é muito valiosa. A visão sobre os próprios filmes é tão sólida que notamos, de cara, o caráter autoral e íntegro do diretor perante a sétima arte e suas possibilidades como linguagem.

E é claro que não poderiam faltar depoimentos e entrevistas com aqueles que trabalharam com o cineasta, tanto atrás quanto na frente das câmeras. Atores como Jack Nicholson, Shelley Duvall e Malcolm McDowell falam de sua experiência, assim como o produtor James B. Harris (Lolita), o diretor de arte Ken Adam (Barry Lyndon) e o diretor de fotografia John Alcott (2001 – Uma Odisséia no Espaço) detalham como funciona o processo de concepção artística junto com o diretor.

Set de Laranja Mecânica

Set de Laranja Mecânica

Conversas com Kubrick é sem dúvida um livro obrigatório para qualquer fã do diretor e do Cinema como arte. Michel Ciment reuniu um material extremamente valioso. Mas, cá entre nós, não é preciso muito esforço para ter algo de qualidade quando o objeto de estudo é um dos artistas mais importantes do século XX e dono de uma filmografia invejável.

Já leu essas?
Crítica de Não Devore Meu Coração
Não Devore Meu Coração – Experiência fascinante!
Crítica de A Vilã
A Vilã – Uma vida de muita violência!
Elder Fraga premiado melhor diretor por curta baseado em Shakespeare!
Crítica de Uma Razão Para Viver
Uma Razão Para Viver – Estreia frustrada de Andy Serkis na direção!