Home > Livros > Análises > Conan, O Bárbaro – A capa engana!

Conan, O Bárbaro – A capa engana!

Conan, o Bárbaro em seu ambiente natural!

Em 2011, a última aparição de Conan nas telonas não agradou, frustrando uma esperança que a grande maioria dos produtores de hoje nutre: iniciar uma franquia de sucesso. Os fãs do bárbaro cimério, e de bons filmes, lamentam e repudiam – com razão – essa produção, o que torna questionável a decisão de estampar o pôster do filme na capa de um livro, lançado no ano seguinte, dando a impressão de que se trata uma novelização do roteiro. Nada mais distante da verdade, já que estamos falando de um volume que traz o único romance com o personagem, mais três contos inéditos, escritos pelo seu próprio criador. Esclarecida essa questão, esqueça Jason Momoa e vamos ao livro.

Adquira o livro clicando na imagem abaixo!Conan, O Bárbaro

Juntando-se aos dois volumes de Conan, O Cimério, lançados pela Conrad entre 2005 e 2006 e contendo os primeiros contos do personagem, Conan, O Bárbaro, da Generale, aumenta o alcance da obra de Robert E. Howard, grande nome dos pulps e pai do gênero “espada & feitiçaria”. A mesma editora também publicou depois, na íntegra, os contos de outro herói de Howard, o puritano Solomon Kane, outra iniciativa bem vinda de disponibilizar mais clássicos do gênero em um mercado carente como o nosso. A edição dedicada ao bárbaro tem um prefácio especial de Roy Thomas, roteirista e ex-editor-chefe da Marvel, nome bastante envolvido com as HQ’s de Conan. Ele também foi responsável pela adaptação para os quadrinhos de A Hora do Dragão, a narrativa longa que é a estrela do livro.

The Hour of The Dragon, também referido como Conan, the Conqueror, foi publicado em capítulos entre 1935 e 36, pouco antes da morte precoce do autor, relançado em um único volume apenas em 1950. Aqui, encontramos Conan já como rei da Aquilonia, amado pelo povo e contando com círculo próximo fiel, porém  lidando com uma conspiração de nobres descontentes que ressuscitam um feiticeiro para tomar o trono. A tramoia tem algum sucesso e ele torna-se um foragido, usando todos os conhecimentos e habilidades para encontrar o artefato que lhe dará alguma chance de retomar o que ele conquistou. Ainda que mais maduro e sábio, a selvageria em combate foi um traço que ele manteve.

A Hora do Dragão toma cerca de 200 páginas do livro. Como era o caso em Solomon Kane, é necessário que leitor interessado tenha em mente a época em que essas aventuras foram escritas. Robert E. Howard é um escritor obrigatório para qualquer amante de aventura e fantasia, à procura de aprofundar seu conhecimento sobre um gênero específico, mas as muitas virtudes e habilidades de seu Conan soam um tanto convenientes demais para os padrões de hoje. Entrar de cabeça na aventura e deixar-se levar, sem questionar esses traços, é a melhor coisa, prestando atenção nos detalhes daquele mundo e uma ou outra pincelada de Lovecraft, que trocava correspondências com Howard.

Conan, O Bárbaro

A capa original de A Hora do Dragão e Robert E. Howard, o “pai” de Conan!

Histórias curtas que ganham em dinamismo

Além do Rio Negro, As Negras Noites de Zamboula e Os Profetas do Círculo Negro completam o volume. Por conta de sua duração, estes contos – ambientados em um período anterior ao da outra história – funcionam melhor. O que pode ser incômodo na narrativa longa é menos evidente nos três casos, onde o espaço menor garante o dinamismo. No primeiro, Conan está servindo como soldado em um forte, que é a única linha de defesa entre uma área de colonos e selvagens pictos, que contam com um feiticeiro poderoso entre eles. Básico e funcional, com uma história apoiada na ameaça dos selvagens atacarem, o conto se segura muito bem.

No seguinte, o mais curto entre eles, o bárbaro se encontra de passagem em uma cidade onde nenhum estrangeiro está a salvo, sobretudo se hospedar-se em uma determinada estalagem suspeita. A explicação para esse perigo é muito boa, culminando em uma vingança que fará o leitor mais sádico sorrir e o final nos brinda com aquele lado mais malandro do nosso protagonista. Na última história, temos uma princesa querendo vingar o irmão, enquanto sete homens do bando de Conan são mantidos prisioneiros em seu reino. Sua ideia é trocar a liberdade deles pelos serviços do cimério, mas uma reviravolta a coloca no papel de refém nesta troca. Muitas situações de virada neste conto, o melhor entre eles, mantendo o ritmo até o fim.

A edição da Generale contou com a competente tradução de Alexandre Callari, só pecando por um ou outro descuido na revisão. Conan, O Bárbaro é um livro que merece o lugar na estante de qualquer fã de fantasia que se preze. Se você havia sido enganado pela capa, agora não tem mais desculpa.

Já leu essas?
ocarina of time
The Legend of Zelda: Ocarina of Time Perfect Edition – Por Hyrule!
drizzt
Drizzt Do’Urden ganhará mais uma trilogia pelas mãos de R.A. Salvatore!
A entrevista com Fellini em A Arte da Visão
A Arte da Visão Vol. 1 – Fellini dispara contra o mundo!
Resenha de Piquenique Na Estrada
Piquenique Na Estrada – Você não é especial!