Home > Livros > Análises > O Cair da Noite – Asimov sobre a histeria coletiva!

O Cair da Noite – Asimov sobre a histeria coletiva!

O Cair da Noite_Asimov

O Cair da Noite

Muitos autores já se arriscaram em ensaios especulativos, enfocando as reações da população em determinadas situações extremas. Uns escolheram o caminho da ficção em forma de romance, como Saramago em Ensaio Sobre a Cegueira, outros optaram pelo caminho da projeção, a partir da análise de dados, como é o caso de Thomas Malthus em Ensaio Sobre o Princípio da População – atualmente muito contestada, em virtude da evolução tecnológica na agropecuária – que fala sobre o problema da superpopulação. Isaac Asimov (Eu, Robô, As Cavernas de Aço, O Fim da Eternidade) escolheu fazer em formato de um conto, onde uma sociedade, que nunca antes testemunhara a escuridão, veria o dia se transformar em noite.

Em O Cair da Noite (Editora Arte & Letra), Asimov nos apresenta um planeta com uma população idêntica a nossa. Mesmas profissões, mesmo tipo físico, mesma psicologia, mesmas crenças e mesmos temores. A única coisa que difere nossa Terra de Lagash, é que esse planeta alienígena se encontra em um sistema com seis estrelas e sua trajetória fez com que ele não tivesse noite pelos últimos 2049 anos. Isso fez com que a sociedade não conheça a escuridão e nem sequer seu lugar no Universo, pois a enorme quantidade de luz no céu não permite a visão de outras estrelas no plano celeste.

O Cair da Noite - Isaac Asimov (1920 - 1992)

Isaac Asimov (1920 – 1992)

A história começa quando um repórter entra no observatório científico para fazer uma entrevista com o chefe do departamento, a respeito de uma nova descoberta que indica que haverá uma noite nas próximas horas. A partir do diálogo entre os envolvidos, conseguimos aprender sobre o contexto histórico e cultural do povo de Lagash, inclusive que alguns cultistas já haviam descrito que um evento apocalíptico aconteceria. Tal forma de narrativa através de diálogos é tipico de Asimov. Além de proporcionar uma leitura mais dinâmica, também facilita o fluxo de pensamento e empatia do leitor ao acompanhar o raciocínio dos personagens em “tempo real“.

Toda a dialética feita pelos protagonistas possui os argumentos mais lógicos de cada área, sendo um sacerdote que acredita em circunstâncias divinas, o cientista falando sobre o momento astronômico do planeta e o psicólogo expondo as questões de preparo de cada indivíduo. A cada instante Lagash vai ficando mais e mais escura e a discussão passa a tomar novas rédeas, focando muito mais na questão psicológica da população e dos próprios intelectuais da sala onde ocorre todo o conto.

Cair da Noite

Posteriormente, o conto O Cair da Noite foi transformado em um romance com co-autoria de Robert Silverberg. Entretanto, sua qualidade é muito inferior.

A história acontece em um só ambiente – o observatório científico – e durante aproximadamente 6 horas, que nos faz sentir o senso de urgência e a impotência dos personagens perante tal evento. Mesmo ocorrendo durante um período ínfimo de tempo, conseguimos entender plenamente o ciclo de nascimento, vida e morte de todas as civilizações que já passaram por Lagash.

Asimov mais uma vez coloca em debate não só ciência e religião, como também sociologia e comportamento de grandes massas. Compreendemos, através da narrativa, que poucos indivíduos conseguem ser coerentes diante de uma circunstância, porém, a partir do momento que lidamos com um número grande de pessoas, tal situação extrema gera pânico e histeria em massa – algo debatido também no ótimo livro Contato, de Carl Sagan, e na obra de Saramago citada no início.

Além do caos urbano durante o Apagão de 2009, o índice de criminalidade aumentou. Imaginem se a escuridão se estendesse por mais tempo.

Além do caos urbano durante o Apagão de 2009, o índice de criminalidade aumentou. Imaginem se a escuridão se estendesse por mais tempo.

Também é importante notar que esta obra é o estopim de muitas ideias e pensamentos do autor, como a importância do registro histórico e científico que ele utilizou mais tarde como mote principal da trilogia A Fundação. A importância desse tipo de documento é tão forte que poderia evitar o fim de uma civilização, como Lagash, afinal, se houvesse registro dessa noite rara, não haveria motivo para pânico ou especulação religiosa, estabelecendo o conhecimento científico e histórico como o meio mais coerente para a sobrevivência de qualquer sociedade.

Evidentemente, O Cair da Noite é uma leitura obrigatória para qualquer fã de literatura de ficção científica. Com uma mitologia e pano de fundo próprios, foi publicado originalmente em 1941 e considerado o melhor conto de ficção-científica pelo Science Fiction Writers of America. Em menos de 100 páginas, Asimov, com toda sua maestria narrativa e conceitual, consegue nos mostrar a evolução e decadência de uma sociedade milenar durante um período de poucas horas. Que em nosso próprio mundo, o conhecimento seja uma vela que nos ilumine durante a escuridão da ignorância.

Já leu essas?
Vinte Mil Léguas Submarinas no Formiga na Tela
Vinte Mil Léguas Submarinas no Formiga na Tela!
O livro Frankenstein no FormigaCast.
Frankenstein fez 200 anos e está no FormigaCast!
drizzt
Drizzt Do’Urden ganhará mais uma trilogia pelas mãos de R.A. Salvatore!
A entrevista com Fellini em A Arte da Visão
A Arte da Visão Vol. 1 – Fellini dispara contra o mundo!