Home > Cinema > Artigos > Uma lista com cinco filmes sobre o Rei Arthur – Vida longa ao Rei!!

Uma lista com cinco filmes sobre o Rei Arthur – Vida longa ao Rei!!

Cinco momentos do monarca bretão no cinema

O Rei Arthur e seus Cavaleiros da Távola Redonda estão presentes na literatura galesa desde o século V. Segundo os famosos romances de cavalaria que fizeram a infância de muita gente uma época mais feliz, Arthur foi um líder britânico que liderou a defesa da Grã-Bretanha contra os invasores saxões. Debates dentro e fora da Academia discutem o que é invenção e o que realmente ocorreu durante as batalhas e o reinado de Arthur. Uma história permeada por personagens mágicos, como o Mago Merlin e sacerdotisas pagãs, só poderia atiçar a criatividade dos roteiristas em busca de uma boa trama de aventura para as telonas. No embalo do lançamento de Rei Arthur: A Lenda da Espada, do diretor Guy Ritchie, separamos cinco exemplares da saga do filho bastardo que arrancou a espada da pedra e tornou-se rei.

(Que tal conferir também a resenha e o FormigaCast sobre a trilogia literária de Bernard Cornwell?)

Lista Rei Arthur filme

 

Confira!

5- Excalibur (John Boorman, 1981)

O diretor tem fama de ser bom em ação, logo este filme não foge à regra. Boorman colocou força nas batalhas e, logo nas primeiras cenas, explora os duelos violentos da Idade Média. Tanto que a produção virou um clássico da Sessão da Tarde, bem ao estilo fantástico que fez sucesso nos anos 80 e 90. Helen Mirren surge deslumbrante em cena com um figurino que a deixa parecendo uma cantora pop, mas a linguagem e os dilemas são típicos da rotina de reis, rainhas e cavaleiros.

 

4 – Os Cavaleiros da Távola Redonda (Richard Thorpe, 1953)

Mais uma superprodução. Só que dessa vez não temos canções ou cenários inovador. O filme de 1953 segue as regras de um bom épico, com direito a centenas de figurantes e cenários montados em estúdio que reproduzem a grandiosidade dos castelos medievais. Mel Ferrer e Robert Taylor encabeçam o elenco, que ainda conta com a diva Ava Gardner no papel de Guenevere. Uma aventura clássica que, apesar da fotografia e dos figurinos exageradamente coloridos, ainda diverte quem prefere um bom filme ao invés de uma reconstituição de época detalhista.

 

3 – Camelot (Joshua Logan, 1967)

Vencedora de três Oscar, a superprodução de 1967 se baseou no romance escrito por T. H. White e tem seu foco no romance entre o Rei Arthur e sua esposa Guenevere, casal interpretado por nada mais, nada menos que Richard Harris e Vanessa Redgrave. Não bastassem os grandes nomes como protagonistas, o terceiro elemento surge com Sir Lancelot, interpretado por Franco Nero, que chega para abalar o coração de Guenevere e tornar as coisas no reino de Camelot bem complicadas. Seguindo o formato tradicional do musical americano, onde do nada as pessoas começam a cantar, o filme, apesar do sucesso de público, é mais lembrado por uma história de bastidores: foi durante as filmagens que começou o romance entre Redgrave e Nero, que tiveram um filho dois anos depois. Porém, o casório só aconteceu em 2006. O amor é lindo, não?

 

2 – A Espada Era a Lei (Wolfgang Reitherman, 1963)

Ah, os clássicos da Disney! Se plantaram nas meninas do mundo inteiro a síndrome de princesa, também garantiram o interesse por história dos(as) pequenos(as). Transformar o Rei Arthur em um desengonçado garoto que acredita na bondade do ser humano pode parecer inocência demais, porém o alívio cômico protagonizado pelo Mago Merlin e sua fiel coruja Arquimedes compensa qualquer romantismo exagerado do protagonista.  Isso sem contar o duelo entre Merlin e Madame Min, em sua primeira aparição no cinema.

 

1 – Monty Python Em Busca do Cálice Sagrado (Terry Gilliam e Terry Jones, 1975)

Parece piada, mas não é. Muita gente teve um primeiro contato com a lenda do Rei Arthur por meio desta sátira inteligente e nonsense do grupo britânico de humor Monty Python (inclusive já rendeu um Formiga na Tela muito divertido!). Não espere resgate histórico. O período medieval e a busca dos cavaleiros pelo seu governante é apenas um propósito para John Cleese e sua turma avacalharem a política britânica da década de 1970 e criarem cenas hilárias. Dos Cavaleiros que dizem Ni ao ataque do coelho assassino, é impossível sair sério de uma sessão deste clássico. Fica a dica: a versão dublada garante diversão em dobro!

 

Gostou? Odiou? Faltou algum filme? Comenta aí…

Já leu essas?
Elder Fraga premiado melhor diretor por curta baseado em Shakespeare!
Crítica de Uma Razão Para Viver
Uma Razão Para Viver – Estreia frustrada de Andy Serkis na direção!
Crítica de Liga da Justiça
Liga da Justiça – Joss Whedon é o membro mais valioso da equipe!
O filme da Liga da Justiça no Formiga na Cabine
Liga da Justiça no Formiga na Cabine!
  • Alexander Meireles da Silva

    Boa lista Bianca. Realmente EXCALIBUR ainda se mantém como a melhor e mais fiel adaptação da obra do Thomas Malory, cuja história já tem ação e elementos fantásticos o suficiente para dispensarem releituras que só tem o propósito de agradar o que eles acham sejam os gostos e estética apreciada pelo publico jovem.

    • Bianca De França Zasso

      Alexander, acredito que o que falta é uma adaptação voltada para um público mais adulto e também para quem conhece os livros. Excalibur continua divertido mesmo tendo toda a atmosfera das aventuras dos anos 80. 🙂

  • Alvaro_G

    EXCALIBUR tem elementos que podemos chamar de definitivos: Nicol Willianson é o Merlin definitivo (“ananatrachurdvasbethroethdoveldienve”), a espada é a mais bem acabada representação de excalibur na cultura visual e o uso do “Funeral de Siegfried” como parte da trilha sonora soberba estabelecem o filme como algo necessário como introdução dos não-iniciados ao Ciclo Arthuriano.

  • Alvaro_G

    Recomendo buscar o obscuro filme Gwain e o Cavaleiro Verde, que adapta para o cinema, um episódio bastante interessante da legenda arthuriana. E Sean Connery participa deste, como O Cavaleiro Verde.

    • Bianca De França Zasso

      Vai pra lista, Alvaro! Valeu!

      • Alvaro_G

        Disponha. O titulo original é Sir Gawain and the Green Knight.