Home > Cinema > Tempestade: Planeta em Fúria – O espectador também…

Tempestade: Planeta em Fúria – O espectador também…

Tempestade: Planeta em Fúria não é um filme-catástrofe, mas um filme catastrófico!

O filme-catástrofe é popular em Hollywood desde a década de 1970. Seja com algum problema ambiental grave ou até mesmo invasão de monstros ou alienígenas, é o tipo de obra cujo único objetivo é divertir a plateia com o nível da destruição (como Terremoto, com The Rock). Agora, Tempestade: Planeta em Fúria (Geostorm) nem consegue fazer nem com que o publico se entretenha com a quebradeira na tela, pois é um filme idiota de conspiração que se disfarça na catástrofe. Claro que não se sai muito bem em nenhuma das duas vertentes.

Crítica de Tempestade: Planeta em Fúria

Tempestade: Planeta em Fúria

Ambientado em 2023, após o aquecimento global criar eventos naturais que quase destruíram o planeta e a humanidade, existe uma estação espacial com vários satélites que controlam o clima do planeta, chamada Dutch Boy. Um dia, descobrem que houve um problema com um dos satélites, provocando uma nevasca em uma vila do Afeganistão, matando a todos na região. O presidente dos Estados Unidos (Andy Garcia) encarrega Max Lawson (Jim Sturgess), Secretário de Defesa, de descobrir o que está acontecendo. Max decide mandar para a estação o seu irmão rebelde, Jake (Gerard Butler), o engenheiro que criou a Dutch Boy antes de perdê-la para o governo. Brigados, os irmãos se unem para evitar que ocorra uma “geotempestade” que acabará com o planeta.

Se a sinopse parece boba e sem profundidade, veja bem, caro leitor… na prática é muito pior. Os personagens são péssimos e mal construídos, os diálogos são risíveis e os relacionamentos entre os personagens são patéticos. Principalmente entre os irmãos, que o roteiro – assinado pelo diretor Dean Devlin e Paul Guyot – insiste em lembrar a cada cinco minutos o parentesco entre eles. Não só com Jake e Max, mas com outros que falam mais de uma vez quem são seus familiares e seu trabalho, já que o roteiro é tão incompetente que nem consegue construir o básico.

Crítica de Tempestade: Planeta em Fúria

Outro problema sério neste texto é a falta de motivação dos personagens, que não conseguem criar o mínimo de empatia com o público. Os próprios “vilões” da trama tem motivos tão idiotas que é mais fácil rir do que realmente achá-los ameaçadores.

Quando nem a técnica salva

Ok, em um filme como esse não se espera um roteiro incrível (só que faça o básico), mas – pelo menos – que tenha uma boa parte técnica, que até os filmes mais fuleiros de Rolland Emmerich entregam. Nem isso é entregue de forma satisfatória em Tempestade: Planeta em Fúria.

Nesse quesito, a produção também é amadora, com efeitos especiais precários e um desenho de som que só é alto, sem qualquer tipo de inteligência em sua construção. Nem o 3D funciona direito. Como o diretor Dean Devlin – que não por acaso foi roteirista e produtor de vários filmes de Emmerich – utiliza uma pequena profundidade de campo, acaba inutilizando o efeito do 3D. Esse filme foi mostrado para imprensa em uma sala IMAX 3D e em momento algum houve alguma sensação a mais que não fosse de sono.

Se não bastasse a má qualidade dos efeitos, a direção de arte também é muito pobre, principalmente pela arquitetura da estação espacial. Coroando o conjunto, uma péssima direção de fotografia serve apenas para enfear os atores e deixar o filme cheio de flares, aquele truque que J.J. Abrams utiliza, com uma luz batendo diretamente na lente da câmera.

Crítica de Tempestade: Planeta em Fúria

Claro que tudo isso se deve à péssima direção de Devlin, que não consegue criar ou dar alguma emoção. Tudo é muito jogado e nada é bem construído. Sua falta de habilidade na direção de atores também é evidente. Gerard Butler já mostrou ser um ator carismático, mas só faz caras e bocas e parece estar ficando mais torto que o Sylvester Stallone. Enquanto isso, Jim Sturgess só se mostra apático, sem conferir qualquer sentimento ao seu personagem. Andy Garcia está no piloto automático, usando o mesmo tom de voz durante todo o filme. Os atores mais respeitados, como Ed Harris e Abbie Cornish, se mostram muito caricatos e percebemos que é por culpa do roteiro, escrito em papel higiênico, e da inépcia da direção.

Já deu, não? Sem mais a dizer sobre dessa desgraça chamada Tempestade: Planeta em Fúria. Michael Bay faria melhor que isso…

Já leu essas?
Elder Fraga premiado melhor diretor por curta baseado em Shakespeare!
Crítica de Uma Razão Para Viver
Uma Razão Para Viver – Estreia frustrada de Andy Serkis na direção!
Crítica de Liga da Justiça
Liga da Justiça – Joss Whedon é o membro mais valioso da equipe!
O filme da Liga da Justiça no Formiga na Cabine
Liga da Justiça no Formiga na Cabine!