Home > Cinema > Artigos > T-Bone Burnett – Uma lenda da trilha sonora!

T-Bone Burnett – Uma lenda da trilha sonora!

 Você já ouviu a trilha sonora de T-Bone Burnett. Pode ter certeza.

Pode passar despercebido para você, mas T-Bone Burnett, que fez 70 anos ontem (14/01), foi supervisor ou compositor de muita trilha sonora que você ouviu (e gosta!). É possível que você cantarole a abertura de True Detective (HBO, 2014 – Presente) e nem imagine que a trilha toda foi produzida por ele. Ou então, cante músicas da trilha de Jogos Vorazes (The Hunger Games, EUA, 2012) e nunca tenha prestado atenção ao produtor musical.

Parece tão estranho que uma trilha que tenha músicas de Taylor Swift, Maroon 5 e Miranda Lambert tenha sido produzido por um sexagenário. Mas, não somente foi, como se tornou o 1° lugar na parada Billboard 200 naquele ano e ganhou o Grammy de Melhor Canção para mídia para Safe & Sound, composta por Swift, Burnett e a dupla The Civil Wars.

Esses dois exemplos só mostram a versatilidade de Joseph Henry Burnett (que surrupiou o apelido T-Bone do também guitarrista T-Bone Walker, inspiração para músicos como Jimi Hendrix). Aos 28 anos, tocou em uma turnê de Bob Dylan, e, nos anos seguintes, integrou a banda Alpha e gravou seu primeiro álbum solo, em 1980.

De lá para cá, foram álbuns de folk, rock, country e produção para músicos do calibre de Roy Orbison, Elton John, Leon Russel, Tony Bennett, Alison Krauss e Counting Crows (o excelente primeiro álbum da banda, August and Eveything After, com o hit chiclete Mr. Jones, foi produzido por ele).

Para que você possa conhecer (ou relembrar) a obra do aniversariante do dia, aí vão algumas das trilhas mais conhecidas produzidas por ele:

  • 6. E aí meu irmão, cadê você?

A divertida comédia dos irmãos Coen teve a trilha composta (e premiada com um Grammy) por Burnett. Destaque para as faixas I Am A Man Of Constant Sorrow, que dita bem o tom e época da história, aparecendo em momentos e arranjos diferentes, e Down To The River To Pray, lindamente cantada por Alison Krauss.

  • 5. Cold Moutain

Tem muitas músicas interpretadas por Jack White, que faz, aqui, um belo trabalho vocal. O arranjo bluegrass, com muito banjo e piano, é riquíssimo. Destaque para a dócil Never Far Away.

  • 4. Inside Llewyn Davis

Além de uma bela história, com belas interpretações, é, verdadeiramente, uma homenagem ao gênero folk. Destaque para as faixas Dink’s Song, canção tradicional aqui interpretada por Oscar Isaac e Marcus Mumford, (dos Mumford & Sons) e Please Mr. Kennedy, composta por Burnett em parceria com os irmãos Coen, os compositores Ed Rush e George Cromarty e o cantor e compositor Justin Timberlake, que também faz parte do elenco.

  • 3. Johnny & June

Aqui, com a produção cuidadosa de Burnett, o destaque é trabalho vocal de Joaquin Phoenix e Reese Witherspoon. Escute It Ain’t Me Babe com eles e depois com Johnny Cash e June Carter. Vale a pena.

A versão original!

A versão de Phoenix e Whiterspoon!

  • 2. Jogos Vorazes

Aqui temos tanta diversidade que sugiro ouvir o álbum todo. Destaque para a balada Safe & Sound, de Taylor Swift e o rock Abraham’s Daughter, do Arcade Fire.

  • 1. Coração Louco

Filme cuja canção original deu o Globo de Ouro e o Oscar a T-Bone Burnett. O destaque vai para a própria, The Weary Kind, composta em parceria com o cantor e compositor Ryan Bingham.

Outras colaborações e trabalhos originais

O já citado August and Eveything After, dos Counting Crows, possui músicas belíssimas, vale uma conferida. Indico as baladas Round Here e Omaha.

Se gostar mais de country rock e folk, vá de Raising Sand, de Robert Plant e Alison Krauss. Onde poderia sair um álbum estranho, saiu uma pequena obra prima. Escute o álbum todo!

Para conhecer melhor o T-Bone Burnett cantor, dois ótimos álbuns: Trap Door, álbum de 1982, e The Talking Animals, de 1987 (onde há uma parceria dele com Bono Vox na melancólica Purple Heart).

Quando você terminar de ouvir, comenta aí embaixo o que você achou!

Já leu essas?
Crítica de Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi
Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi – A segregação no pós-Guerra!
Crítica de Lady Bird: Hora de Voar
Lady Bird: A Hora De Voar – Celebração do medíocre!
Crítica de Eu Tonya
Eu, Tonya – Uma verdadeira comédia de erros!
Crítica - Pantera Negra
Pantera Negra – Mesma receita com outra cobertura!