Home > Cinema > Artigos > SplaTV mostra os mestres do improviso nos efeitos especiais nacionais!

SplaTV mostra os mestres do improviso nos efeitos especiais nacionais!

Fazer efeitos especiais no Brasil pode ser dureza

Embora nosso folclore seja rico em criaturas, não devendo nada para o bestiário de um Dungeons & Dragons, o Brasil nunca teve tradição na literatura fantástica. Salvo, é claro, o ultrarromantismo de Álvares de Azevedo, com seu Noite na Taverna; o amado e odiado “mago” Paulo Coelho; e nomes atuais como André Vianco, com sua ótima epopeia de vampiros; o encantador de dragões, Raphael Draccon; Eduardo Spohr, entre outros.

O antigo time da extinta Dragão Brasil, (Marcelo Cassaro, J.M. Trevisan, Rogério Saladino, Marcelo Del Debbio, Evandro Gregório…) também merece destaque, e nomes como Carlos Patati (autor do Almanaque dos Quadrinhos e de vários títulos), Luciano Cunha, de O Doutrinador, e o espetacular L.E.O. (Luiz Eduardo de Oliveira), da trilogia Aldebaran, Betelgeuse e Antares, figuram no panteão dos autores fantásticos.

Mas é na sétima arte que a coisa muda de figura. Com exceção do nosso estimado José Mojica Marins, o Zé do Caixão, e suas produções que remetiam aos exploitations setentistas, sempre tivemos dificuldade em emplacar o gênero no país – seja por dificuldades técnicas, ou falta de aceitação do público, já que os fãs do gênero não encontravam eco em seu gosto nas produções nacionais.

Mas, desde que o bug do milênio se confirmou um terror irreal, a década de 2000 nos brindou com Amor Só de Mãe, de Dennison Ramalho, Fábulas Negras, de Rodrigo Aragão e o recente O Rastro, de J.C. Feyer. As produções são boas, o terror é real (e não apenas o “terrir,” subgênero comum ao nosso temperamento tropical, embora boas piadas sejam colocadas na hora certa) e nós provamos que nem só de sorrisos vive a Ilha de Vera Cruz.

Hora da gambiarra

Mas, como nem tudo são flores (e toda roseira tem espinhos), a produção de efeitos especiais costuma ser algo caro, e os materiais escassos. Mestres da gambiarra que somos, conseguimos dar nó em pingo d´água… ou sangue.

Para mostrar um pouco as entranhas da produção do terror nacional, a jornalista, atriz e stripper Larissa Maxine, pela SplaTV, bateu um papo com Dan Caliban, Tomas Gravina e Guilherme Najar, da (infelizmente) extinta Nurder. Mas como adoramos a morte…

Já leu essas?
astro city
Bem-vindo a Astro City – Como Kurt Busiek resgatou os super-heróis!
Crítica de Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas
Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas – Inventando verdades!
Crítica de Star Wars: Os Últimos Jedi
Star Wars: Os Últimos Jedi – Bem ou mal, surpreende…
dublagem
Socorro, meu ator tem muitas vozes! – Uma homenagem à dublagem no Brasil!