Home > Cinema > Pantera Negra – Mesma receita com outra cobertura!

Pantera Negra – Mesma receita com outra cobertura!

Pantera Negra não traz muita novidade, mas é uma boa diversão

Não é de hoje que muitos têm apontado que os filmes da Marvel Studios estão seguindo à risca uma famigerada “fórmula”, mudando apenas a cobertura do bolo de acordo com seu protagonista. Por mais ranzinza e pedante que possa parecer, essa afirmação não deixa de ser uma verdade. Todavia, às vezes, a cobertura pode ser tão interessante a ponto de merecer destaque, como é o caso de Pantera Negra (Black Panther).

(Confira nosso Formiga na Cabine sobre o filme. Leia também a resenha da HQ Pantera Negra: Uma Nação Sob Nossos Pés)

Filme Pantera Negra

Pantera Negra

Pantera Negra se inicia após os eventos de Capitão América: Guerra Civil, mostrando o retorno do príncipe T’Challa (Chadwick Boseman) a Wakanda para sua cerimônia de coroação. O reino de Wakanda, que fica escondido em algum lugar do continente africano, é dividido em cinco tribos, onde uma delas não apoia o governo atual por considerá-lo fraco. Após T’Challa ser empossado, ele parte em busca de Ulysses Klaue (Andy Serkis), que apareceu em Vingadores: Era de Ultron e agora roubou uma quantidade significativa de vibranium. O bandido recebe ajuda de Erik Killmonger (Michael B. Jordan), cuja intenções e interesse por Wakanda são um mistério.

A despeito do roteiro, não temos muita novidade na sinopse e tampouco em seu desenvolvimento. A jornada de seu protagonista, mesmo que funcional, não apresenta motivações sólidas o suficiente além de suas próprias responsabilidades como novo Rei. Mas algo que sustenta o seu arco é o conflito em relação a seu pai, o antigo rei T’Chaka (morto em um atentado no já citado filme do Capitão América) e a política isolacionista de seu reino.

No caso, todos os ancestrais que governaram Wakanda, mantiveram-se alheios ao mundo por acharem que sua tecnologia avançada traria consequências devastadoras nas mãos de outros. O dilema em torno dessa questão, mesmo não aprofundada – pelo visto, para Kevin Feige, tais questões não devem ser abordadas com maior profundidade em filmes de super-herói – torna o enredo mais interessante e menos maniqueísta.

Infelizmente, a narrativa também apresenta diversas conveniências, tanto para apresentar um problema quanto sua solução, o que diminui consideravelmente a tensão no espectador e sua catarse. Tal problema no texto acaba afetando também algumas cenas de ação, que poderiam ter uma carga emocional mais elevada.

Crítica - Pantera Negra

Chadwick Boseman vive T’Challa, o Pantera Negra.

Esteticamente belo e diferente

Se o roteiro não tira o espectador do lugar comum, podemos dizer que esteticamente o filme consegue trazer um frescor a esse universo. O diretor Ryan Coogler (Creed), decidiu trazer para a equipe de Pantera Negra, alguns colaboradores de seus filmes anteriores, como a diretora de fotografia Rachel Morrison e Hannah Beachler no design de produção. Mesmo com a questão tecnológica muito presente, os figurinos, objetos de cena e cenários em Wakanda conseguem passar a ideia de uma cultura tribal que permaneceu afastada de influências externas.

A estética do filme, totalmente baseada na cultura africana, é um verdadeiro deleite visual que, considerando a proposta, consegue ornar com esse universo e deslocar o espectador para um mundo realmente novo e relacionado a tudo que foi visto nos filmes anteriores do estúdio.

As coreografias de luta também foram baseadas em artes marciais africanas, o que traz muita riqueza ao longa. Vale apontar aqui que as lutas um contra um, sem a indumentária de Pantera Negra, são muito mais tensas, empolgantes e interessantes que as cenas de ação principais.

Outro ponto importante de ressaltar é a interessante trilha sonora incidental do filme, composta com poderosos tambores e instrumentos de sopro que ditam o ritmo de algumas cenas. Além da qualidade em si da música, ela também é um forte elemento cultural de Wakanda, ajudando na imersão daquele ambiente.

Crítica - Pantera Negra

A estética de Wakanda é totalmente baseada na cultura africana e traz novidade no visual do Universo Marvel!

Personagens não tão profundos, mas atuações carismáticas

Como apontado anteriormente, o roteiro não apresenta grandes surpresas e seus personagens acabam caindo na superficialidade. Isso é verdade, mas, felizmente, a atuação daqueles que dão vida aos principais personagens é competente e carismática. Mesmo que nenhum entregue um trabalho perfeito, é visível que todos ali estão se esforçando e acreditam no projeto – diferente de Thor: Ragnarok. Tanto o protagonista quanto seus coadjuvantes, em especial Lupita Nyong’o (fazendo o papel de Nakia) e Danai Gurira (interpretando Okoye e mais conhecida por ser a Michonne de The Walking Dead) conseguem transmitir veracidade em suas personagens, que são praticamente unidimensionais.

Esse carisma faz com que o espectador se importe com a equipe, apesar da superficialidade e dos tropeços deste texto, que abusa da verborragia para desenvolvê-los. Michael B. Jordan também consegue relativo destaque. Mesmo que emulando seus papéis anteriores em certos momentos, o ator consegue transmitir as frustrações de seu personagem e ganhar a empatia do público. Algo indispensável para a jornada de seu personagem.

Pantera Negra é uma boa diversão que não desrespeita o tempo do espectador. Embora o roteiro nem tente inovar, há uma pincelada – pequena, mas há – sobre assuntos interessantes com relação a isolacionismo de nações (assustadoramente atual) e enriquece um pouco mais o Universo Cinematográfico da Marvel. Esteticamente muito bem resolvido, traz algo a mais para o gênero em termos visuais. É a mesma receita de bolo, um clichê verdadeiro, mas temos aqui uma cobertura levemente diferente, que vale a pena experimentar.

Já leu essas?
Crítica de Pequena Grande Vida
Pequena Grande Vida – A sustentável leveza do ser!
Crítica de Trama Fantasma.
Trama Fantasma – O melhor e o pior de Paul Thomas Anderson!
Crítica de Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi
Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi – A segregação no pós-Guerra!
Crítica de Lady Bird: Hora de Voar
Lady Bird: A Hora De Voar – Celebração do medíocre!