Home > Cinema > Mulher-Maravilha – Atingindo as expectativas e divertindo!

Mulher-Maravilha – Atingindo as expectativas e divertindo!

O peso nos ombros da Mulher-Maravilha

Chega a ser injusto colocar tanta responsabilidade em cima de um filme, ainda mais pelo público – e uma parcela da crítica – quase nunca lembrar que existem pessoas pressionadas por trás de cada produção.  Mulher-Maravilha (Wonder Woman) é um desses casos, chegando com o fardo de limpar a barra do Universo Cinematográfico da DC iniciado com O Homem de Aço, em 2013. Com o massacre promovido após Batman Vs. Superman e Esquadrão Suicida, a expectativa em torno da Princesa Amazona, uma das coisas das quais ninguém reclamou sobre BvS, cresceu muito. Bem, sobre sua aventura solo, no mínimo, é preciso admitir que ela se saiu melhor na telona que seus colegas até aqui.

(Confira também o Formiga na Cabine sobre o filme!)

Crítica de Mulher-Maravilha

Mulher-Maravilha

No mínimo, eu disse. O filme dirigido por Patty Jenkins (de Monster: Desejo Assassino) é uma aventura de época nostálgica e uma história de origem bem construída, com uma escalada dramática funcional para a protagonista vivida por Gal Gadot. Mais do que isso, justamente pela ambientação na Primeira Guerra, tão distante dos outros filmes da DC, não existe a insípida enxurrada de easter eggs, referências e participações relâmpago de outros personagens, travando a fluidez narrativa. Mulher-Maravilha é um filme bem à parte de seu universo compartilhado, o que acaba deixando os realizadores mais à vontade.

Mostrando a personagem desde sua infância na ilha de Themyscira, um local habitado apenas por amazonas mitológicas, Diana se mostra desde cedo inclinada às artes do combate. Sua mãe, a rainha Hipólita (Connie Nielsen), procura inutilmente impedir o treinamento da menina pela general Antiope (Robin Wright). A história deste povo é marcada por um confronto entre Zeus e Ares, o Deus da Guerra, que, mesmo vencido, tem sua volta dada como certa em algum momento.

Quando Steve Trevor (Chris Pine), militar da inteligência britânica, encontra acidentalmente a ilha durante uma fuga do exército alemão, Diana toma conhecimento do conflito exterior e resolve partir com ele para o front, insistindo que a catástrofe é obra de Ares e contrariando sua mãe. Com a guerra já insinuando seu fim e a Alemanha prestes a assinar a rendição, o perigo de um genocídio sem precedentes se mantém nos planos do rebelde General Ludendorff (Danny Huston) e a Dra. Isabel Maru (Elena Anaya), mais conhecida como Dra. Veneno.

Crítica de Mulher-Maravilha

Ainda em Themyscira

Apresentadas as situações e motivações, só resta esperar ansiosamente que Diana se torne a Mulher-Maravilha no campo de batalha, com todos os apetrechos trazidos da ilha, não? Mais ou menos, caro(a) leitor(a), pois o filme é muito feliz na construção dos momentos que antecedem a ação pesada, mesmo no início em Themyscira. Existe uma boa química entre o casal protagonista, com Chris Pine ótimo e Gal Gadot compensando sua deficiência dramática com muito carisma, e o choque cultural da recém-chegada à Inglaterra diverte bastante sem comprometer o ritmo. Nada de alívios cômicos em excesso, afinal, precisa existir um clima de urgência e o peso da Guerra tem que ser claro (dentro dos padrões de um filme de super-herói, evidentemente). Mais um ponto positivo.

O roteiro de Allan Heinberg, em cima de seu próprio argumento elaborado com Zack Snyder e Jason Fuchs, é eficiente na jornada da protagonista de uma completa inocente até a formação de uma verdadeira heroína. São muito bem definidos os estágios comuns de um filme de origem, mas o importante é que aqui eles funcionam em seu começo, meio e fim, diferente do já citado O Homem de Aço. Heinberg, em seu primeiro trabalho fora de episódios de séries para TV (como Grey’s Anatomy e The O. C.), entrega uma história que convence em seus conflitos básicos, ainda que seja muito previsível em um ou outro ponto, inclusive no que se pretendia a grande virada. Além disso, é falho com dois personagens coadjuvantes: Hipólita acaba prejudicada na coerência em sua última aparição (momento que poderia ter caído fora na edição) e Ludendorff é aquele típico vilão desinteressante que é a maldade em pessoa.

Crítica de Mulher-Maravilha

Casal com química

Mesmo com um ou outro deslize, Patty Jenkins tinha um bom texto para trabalhar. A diretora mostra segurança e sabe onde quer chegar, travada apenas por ser obrigada a seguir uma espécie de padrão visual criado por Zack Snyder nas cenas de ação. O excesso da conhecida câmera lenta de Snyder, infelizmente, marca presença, procurando justificar o uso do 3D (se puder, fuja dele e economize um pouco). Não consegue, evidentemente. Mesmo assim, a cineasta se esforçou bastante e a forma como mostra a movimentação e estilo de luta da Mulher-Maravilha compensa isso. Ela também fez bonito na construção do ritmo e clima e na interação entre os personagens.

Parte técnica competente

A fotografia de Matthew Jensen ajuda bastante nesta tarefa. Outro caso de profissional vindo da TV, com séries como Ray Donovan e Game of Thrones no currículo, ele contribui com matizes diferentes em cada momento do filme, destacando as fases da trajetória de Diana. Mais interessante é que essas cores são correspondentes ao próprio figurino dela, fazendo referência à sua própria reconfiguração como uma heroína. Além disso, Jensen emprega muito bem esses recursos cromáticos para dar o ar nostálgico de um filme de época.

Claro que um bom design de produção também é fundamental nesta parte, e Aline Bonetto (de Peter Pan e Uma Viagem Extraordinária) mostra novamente sua capacidade em criar mundos fantásticos, no caso de Themyscira, e não se perde quando vai para os campos de batalha realistas. Uma ressalva que não diz respeito a ela, mas acaba prejudicando de certa forma seu trabalho, é o uso do CGI em determinados trechos. Não que não fossem necessários, mas os efeitos empregados aqui pesam demais e se integram às cenas de forma pouco orgânica. Algo que esperamos que seja melhorado em Liga da Justiça

Crítica de Mulher-Maravilha

Fotografia integrada à narrativa

Sobre a trilha sonora, é bom comentar sobre outro caso de trabalho prejudicado. Rupert Gregson-Williams fez exatamente aquilo que se espera de uma trilha de época. O problema é que, em diversos momentos de ação, a música é invadida por aquele tema de Junkie XL que ouvimos em BvS. Se lá já atrapalhava por ser tão destoante do resto, aqui é ainda pior. O bom é que na luta final ele é finalmente esquecido.

Chegando ao seu final, Mulher-Maravilha recompensa seu espectador e entrega o filme melhor resolvido da safra recente da DC. Deslizes eram inevitáveis e são perdoáveis pelo conjunto*, mas, ironicamente, ele não aumenta a animação pelos próximos filmes da DC. Não para mim, pelo menos. Explico: uma continuação com ela no presente talvez traga os problemas citados no segundo parágrafo. Enfim, até que isso aconteça para comprovar ou desmentir meu pessimismo, aproveitem esta bela aventura.

*(A única coisa realmente imperdoável é um erro crasso na decupagem perto do final. Preste atenção quando Diana se afasta de sua espada e percebe isso depois…)

Já leu essas?
Elder Fraga premiado melhor diretor por curta baseado em Shakespeare!
liga da justiça dc
Liga da Justiça DC? Também tem da Marvel, Image, do mal, etc…
Crítica de Uma Razão Para Viver
Uma Razão Para Viver – Estreia frustrada de Andy Serkis na direção!
Crítica de Liga da Justiça
Liga da Justiça – Joss Whedon é o membro mais valioso da equipe!