Home > Cinema > Memórias Secretas – O passado bate à porta!

Memórias Secretas – O passado bate à porta!

Memórias Secretas

Atom Egoyan é um diretor interessante. Afeito à histórias fortes e cheias de camadas, que provocam reflexão e até um certo desconforto, acertou a mão em filmes como O Doce Amanhã e O Fio da Inocência, em que equilibra bem o desenvolvimento da trama com o dos personagens. Porém, em seus últimos filmes tem faltado aquele vigor característico e eles tem ficado aquém de seus trabalhos anteriores. Em seu novo longa, Memórias Secretas (Remember), ele ensaia um retorno à boa forma, com um filme misterioso e uma história provocante, mas que peca um pouco na lógica do roteiro e das situações apresentadas.

Memórias Secretas

Na trama, Zev (Christopher Plummer), um senhor de 90 anos, recém-viúvo, já com demência e gradual perda de memória, é incumbido de uma misteriosa missão por seu amigo Max (Martin Landau), que também vive na mesma casa de repouso. Missão essa que o levará a fugir da instituição e o levará para diversos cantos do país. Os detalhes do que ele deve fazer estão explicados em uma carta escrita por Max, que Zev deve sempre ler e reler, pra se lembrar do que está fazendo e para onde está indo. Qual é o plano não cabe revelar aqui, pois é interessante descobrir conforme o filme vai soltando as informações. Basta saber que ambos são judeus e estiveram em Auschwitz.

Memórias Secretas

 

A narrativa do filme é inteligente, fazendo uso do mistério e um clima de tensão crescente e usando os problemas de memória de Zev como uma ferramenta, lembrando Amnésia, de Christopher Nolan, em alguns momentos. A fotografia também ajuda, com alguns enquadramentos bastante belos e inspirados, porém, o grande trunfo e alma do filme é a interpretação magnífica de Christopher Plummer. Dono de uma forte presença de tela, o ator demonstra aqui um vigor e sensibilidade ímpares, compondo um personagem complexo e bem interessante, tornando fácil acompanhar sua jornada e simpatizar com ele, mesmo que seu objetivo seja um tanto sombrio. Sem dúvida a atuação de Plummer é a peça que mais funciona no filme e o eleva.

O restante do elenco também está ótimo. Afinal, é composto por atores consagrados e experientes, como Landau e Bruno Ganz. Todos se empenham, mesmo com pouco tempo de tela, e brilham, dando força e profundidade para seus personagens. Destaque para a excelente participação de Dean Norris, o Hank de Breaking Bad, na sequência mais eletrizante do filme.

Memórias Secretas

Infelizmente, nem tudo são flores e o enredo se perde bastante em algumas situações que parecem um tanto implausíveis ou convenientes demais. Manter o suspense e fazer parecer crível a jornada de um idoso com demência em uma difícil missão não é nada fácil, e há momentos em que o filme não segura a bronca e falha em seu objetivo. Isso acaba tirando um pouco o público da história e a tornando menos impactante.

Enfim, Memórias Secretas é um bom filme, que utiliza do talento de seu diretor pra criar um clima e conta com personagens que mantém nosso interesse, beneficiando-se principalmente de uma poderosa performance de seu protagonista, mas – lamentavelmente – abusa um pouco da boa vontade do espectador com uma série de coincidências por demais convenientes. Ainda assim, é uma jornada que vale a pena conferir pelos talentos reunidos.

Já leu essas?
Crítica de Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi
Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi – A segregação no pós-Guerra!
Crítica de Lady Bird: Hora de Voar
Lady Bird: A Hora De Voar – Celebração do medíocre!
Crítica de Eu Tonya
Eu, Tonya – Uma verdadeira comédia de erros!
Crítica - Pantera Negra
Pantera Negra – Mesma receita com outra cobertura!