Home > Cinema > La Jetée – Os macacos de Terry Gilliam no aeroporto de Chris Marker

La Jetée – Os macacos de Terry Gilliam no aeroporto de Chris Marker

La Jetée e sua relação com 12 Macacos

Desde o advento Tarantino (cineasta que já foi tema em um dos nossos podcasts) e a estréia de Matrix, ambos na década de 1990, uma hora ou outra os dois acabam sendo mencionados quando o assunto é aquela velha polêmica sobre o que seria de fato citação, homenagem, referência ou simples plágio. Como tais detalhes específicos quase nunca são discutidos diretamente em entrevistas ou declarações dos diretores, a coisa acaba meio que no limbo daquelas discussões entre os fãs de um lado e detratores do outro. Algumas influências são admitidas, outras nem tanto e ninguém chega a um consenso. Enquanto isso, ninguém sabe o que os realizadores realmente pensam a respeito. Falando nisso, já ouviu falar sobre La Jetée?

La Jetée e sua relação com 12 Macacos

O visual “gambiarra” da tecnologia de 12 Macacos

Um caso raro nessas situações é a ficção científica 12 Macacos, de 1995, dirigido pelo ex-Monty Python Terry Gilliam. Acima da média, com um roteiro pessimista e sombrio, é o típico caso de produção hollywoodiana viabilizada apenas pela presença de estrelas no elenco. O filme contou com Bruce Willis no papel principal e um então subestimado Brad Pitt, cuja performance lhe rendeu uma indicação ao Oscar, e mesmo isso não impediu um baixo desempenho nas bilheterias. Pior para o público, que na época se esbaldava enchendo o caixa de patriotadas hiperbólicas como Independence Day (aproveite e leia a crítica de sua continuação: O Ressurgimento).

Caso ainda não o tenha visto, o filme mostra um futuro em que um vírus dizimou mais de 90% da população da terra. Os sobreviventes são obrigados a viver em subterrâneos e um deles é enviado ao passado para coletar dados sobre a epidemia e localizar o responsável, porém, chegando adiantado em alguns anos, ele acaba internado em um manicômio. Além da história e visual bastante interessantes, existe uma preocupação em evocar no espectador aquela experiência da imagem vista na infância que carregamos ao longo da vida, congelada em nossa memória como uma foto.

La Jetée e sua relação com 12 Macacos

Personagens perturbados

Certo, mas o que 12 Macacos e aquela tal imagem da infância tem a ver com a introdução do texto? Tudo, afinal o filme é uma espécie de refilmagem ou reimaginação de um curta francês de aproximadamente 30 minutos chamado La Jetée*, dirigido pelo artista multimídia Chris Marker em 1962. Essa relação é pouco conhecida mesmo entre admiradores do filme de Gilliam, e esse objeto de inspiração permanece quase obscuro.  Com certeza, alguém que se lembra bem do filme, ao assistir ao curta mesmo sem ter ouvido nada a respeito da relação entre um e outro, perceberia inúmeros pontos em comum e a mesma proposta.

O evento que mata milhões, a necessidade da viagem no tempo, alternância narrativa entre passado e futuro, o protagonista atormentado e a imagem fixada na memória, tudo está presente no curta. Além disso, um detalhe chama muita atenção e faz toda diferença em La Jetée;  a história é contada com imagens paradas. Fotos em preto e branco são exibidas acompanhadas de uma narração, o que faz muito sentido sendo a história tão ligada ao conceito da recordação de imagens.  *(A tradução literal da palavra é píer, terminal ou plataforma, utilizada aqui referindo-se a um aeroporto)

La Jetée e sua relação com 12 Macacos

La Jetée

Se você já havia visto 12 Macacos, porém, não sabia disso tudo, talvez ache agora que isso foi uma decepção e que o filme perdeu um pouco do seu brilho e da sua originalidade. Na verdade não é nada disso. Em primeiro lugar porque nada, em termos de narrativa, é original desde a Odisséia e a Ilíada. Segundo, nesta produção existe a virtude da mais honesta e transparente admissão da utilização das fontes. Eu disse tratar-se de uma raridade porque desde o início da produção, Terry Gilliam deixou claro com todas as letras que seu projeto era completamente baseado em La Jetée e que um não existiria sem o outro.

O Imdb inclusive credita Chris Marker como criador da história e nos créditos iniciais do filme ele também é mencionado, conforme a imagem abaixo. A maioria concordando ou não, assumir que o objetivo é fazer uma reinvenção expandida de outra obra, automaticamente encerra discussões a respeito de apropriação de conceitos ou imagens.

La Jetée e sua relação com 12 Macacos

Ninguém o chamaria de plagiador depois dessa!

Enfim, nada melhor do que conferir a obra completa com seus próprios olhos.

Conheça o aeroporto de Chris Marker…

Já leu essas?
Psicomagia – A arte da transformação nos quadrinhos de Jodorowsky!
Max Payne: Retribution, um fan film melhor que o longa oficial
Max Payne em um fan film melhor que o longa metragem oficial!
O curta Fist of Jesus pode virar longa metragem!
Fist of Jesus – Curta metragem com Jesus X zumbis pode virar longa!
Indianópolis, Meu Amor - Um filme brasileiro em curta metragem, dirigido por Guilherme Ferraro
Indianópolis, Meu Amor – Curta metragem de Guilherme Ferraro!