Home > Cinema > Artigos > It: A Coisa – A morte da inocência enquanto metáfora!

It: A Coisa – A morte da inocência enquanto metáfora!

It: A Coisa tem mais camadas do que se supõe inicialmente

O cinema americano tem se tornado cada vez mais apelativo, expositivo e verborrágico. Vive neste ano de 2017 uma de suas piores crises de bilheteria das últimas décadas, além de ter sobrevivido a um agosto completamente ausente de filmes que despertem a atenção do público. Quando finalmente surge algo bom, muita gente fica incrédula e desconfiada pelo buzz gerado na internet e no boca-a-boca. Mesmo que 2017 não tenha brilhado tanto quando poderia na Sétima Arte, It: A Coisa tornou-se uma das melhores pérolas do ano.

A nova adaptação do clássico livro de Stephen King é sim um baita de um ótimo filme que novamente eleva o gênero do Terror sem a necessidade das firulas tradicionais que andam amaldiçoando exemplares cada vez mais fracos e sem sentido. E nós veremos um desses motivos primordiais aqui neste artigo.

Cuidado! O artigo abaixo contém spoilers!

Crítica de It: A Coisa (2017).

 

O TERROR ONDE MAIS IMPORTA

O discurso narrativo de It: A Coisa é bastante óbvio para o espectador mais atento: a morte da inocência. A jornada constitui no custoso amadurecimento de todo o grupo de pré-adolescentes durante as férias de verão na cidade de Derry, no interior do Maine, quando decidem investigar o sumiço de Georgie, irmãozinho do protagonista do filme, Bill.

Porém, ao contrário de muitas narrativas que envolvem um grupo, It: A Coisa consegue satisfazer plenamente as exigências mínimas do espectador em um ponto crucial de qualquer história: desenvolvimento de personagens.

Mas como isso é feito? Realmente, os diálogos têm sua função, mas caso tenha prestado bastante atenção, notará que a maior parte dos conflitos mais pesados e complicados é resolvido pela encenação bem-feita, através do “mostrar” e não no “contar. E isso é uma das características mais belas da Sétima Arte, o verdadeiro indizível cinematográfico que anda cada vez mais raro em produções supérfluas e verborrágicas.

O filme tem o papel de desafiar o espectador para que ele esmiúce o sentido das imagens. No caso de It, é uma das peças mais importantes para sacar os personagens. Nisso, não me preocupo em focar sobre o material original. Nunca li o livro de Stephen King e tampouco vi o telefilme de 1990.

O que interessa aqui é como o diretor Andy Muschietti consegue provocar uma compreensão maior na plateia apenas com o poder da síntese visual. Por isso, vamos dividir aqui em tópicos a jornada dos garotos, falando como o visual é o principal instrumento para que conheçamos o amago de suas aflições, medos e da morte de suas inocências, afinal, não é por menos que Pennywise seja um bicho-papão metamorfo.

GEORGIE

O pequeno Georgie é a alma e incidente incitante de toda a narrativa que circunda o Clube dos Otários. Em questão de pouco tempo, nos afeiçoamos pelo menino pelos medos comuns que ele compartilha com o espectador: a escuridão do porão de casa. É preciso que ele enfrente esse pequeno momento de pavor para que consiga a cera para fazer seu veleiro flutuar para brincar na chuva nas ruas de Derry.

Conquistando o pequeno triunfo, Georgie volta à segurança para seu irmão, aprende coisas novas, troca afeições e ligações poderosas e depois vai embora. Para nunca mais voltar. Através de uma correção de cor poderosa, o clima da chuva é bastante sombrio, como se a tempestade tivesse tirado toda a alegria de Derry ao castiga-la a tons acinzentados e deprimidos. Porém, Georgie é uma força contrária a tudo aquilo, afinal traja a colorida e vibrante capa de chuva amarela proporcionando luz na escuridão, uma leve alegria em meio ao choro dos céus.

Porém, isso não demora nada para ser revertido. Assim que o frágil barquinho de Georgie cai na escuridão do bueiro, a reviravolta é pontuada. O destino do garoto é o mesmo que o do brinquedo: se perder na escuridão – talvez para sempre.

Aqui, é extremamente importante que notemos algo que quebra os padrões depois estabelecidos pela narrativa: a abordagem de Pennywise. Ao contrário dos outros garotos com medos muito mais estabelecidos e pessoais, Georgie parece ser novo demais para que seja aterrorizado com figuras assombradas já conceituadas no imaginário popular.

De todos, Georgie é o mais ingênuo e menos vivido. Logo, A Coisa faz Pennywise se comportar como um pedófilo sedutor, oferecendo benesses, leves brincadeiras, prometendo comidas irresistíveis para qualquer criança. Mas a encenação nega tudo aquilo, afinal o palhaço está dentro de um bueiro de esgoto: destino de coisas podres e indesejadas e guardião de segredos escondidos.

Todavia, não é somente porque Pennywise está dentro do bueiro que temos a sensação de estranheza. Bill Skarsgard torna o palhaço bastante simpático e amistoso, mas também é sábio em fazer com os olhos de Pennywise virem para lados distintos, criando algo bastante incomodo e extraordinário. Aquela criatura não é normal e se esforça além da conta para manter a ilusão do palhaço além do tempo necessário.

A cor dos olhos, outrora profundamente azuis, muda para um amarelo nauseante e Skarsgard engrossa a voz. Porém, aqui, Georgie já sabe que há algo de errado com o palhaço e deseja ir embora. Pennywise fracassa em primeiro momento. Logo, é importante relembrarmos a primeira frase que o menino fala quando o barquinho cai no bueiro: Bill vai me matar!

Para não decepcionar o irmão, Georgie se arrisca a reconquistar o barco de papel, mas acaba com o braço devorado pela Coisa que depois a sequestra a arrastando para os confins da podridão. A alegria do menino é morta pelo tom cruel e violento do vermelho do sangue. E Georgie morre. Seja por amor ou medo, a mente do menino estava concentrada em seu irmão.

Detalhe, já estamos no décimo parágrafo para concluir um personagem que não chega a ter nem mesmo dez minutos de tempo de tela. Entenderam como o poder da imagem de um filme é transformador e importante para agregar o desenvolvimento inteiro de um personagem? E isso é só o começo.

Crítica de It: A Coisa (2017).

EDDIE

Eddie é um dos personagens que mais se destacam na aventura sombria pelo tom inteligente do humor marcado em suas falas. O garoto é o hipocondríaco do grupo, além de sofrer de uma asma constante.

A fragilidade da saúde marca o personagem superprotegido pela mãe que nada lembra uma figura saudável tanto no psicológico quanto no físico. É por meio de Eddie que temos uma ligeira apresentação do modo obsessivo e castrador que os adultos agem com as crianças. Praticamente nenhum maior de idade é representado de modo otimista, mas sempre em representações odiosas e cruéis.

A mãe de Eddie o superprotege de tudo e todos, removendo parte da experiência de vida do garoto ao confina-lo a tantos remédios e tortura diária em casa. O menino é praticamente induzido a acreditar ser extremamente doente e hipocondríaco – algo bastante cruel para castrar sua liberdade.

As primeiras aparições da criatura sempre pegam as crianças em seus momentos mais vulneráveis: quando estão isolados ou distraídos. Com Eddie, além disso tudo, ainda o inferniza justamente na hora de tomar os medicamentos. A personificação de Pennywise como um homem Leproso é bastante óbvia, além de caçoar do efeito inexistente daqueles medicamentos. O engraçado é que, assim como Georgie, antes de Pennywise surgir, Eddie também reclama que sua mãe irá mata-lo por ter perdido a hora dos medicamentos.

Admito que Eddie seja um dos personagens que menos se valem do poderio imagético do filme. Apenas temos o uso óbvio do Leproso como a personificação do medo exagerado de doenças com Eddie. Mas a maior graça da encenação ocorre em outros dois pontos simples.

A insistência da permanência do grupo dos Otários com o Loser assinado em seu gesso indicando a retomada do contato com os amigos que o leva a entrar em conflito direto com sua mãe controladora e, depois, no confronto final contra Pennywise quando o palhaço vomita dejetos nojentos na cara do menino que sente apenas uma só coisa: raiva. Eddie se liberta, pelo menos por um instante, de suas fobias para derrotar seu maior medo.

RICHIE

“Bip bip, Richie!”. Sim, o grande falastrão do Clube dos Otários é um dos que recebem o melhor traço da estética do filme para que compreendamos seus verdadeiros medos.

Ao contrário da maioria dos meninos, Richie não possui um segmento destinado a um primeiro encontro isolado com o palhaço e com seus verdadeiros medos. Apontado como falha por muitos críticos, creio que essa seja outra grande sacada por parte de Muschietti e dos roteiristas.

Richie possui sim seu encontro, mas acompanhado por Bill e Eddie em primeiro momento. O garoto que adora se autoafirmar através de comentários chulos e depreciativos tem um dos medos mais complexos de todo o grupo, mas “mente” em primeiro instante. Diz que é de palhaços, porém a Coisa prepara armadilhas psicológicas mais poderosas.

Quando o trio entra na casa decrépita onde a Coisa vive, não demora muito para que Richie encontre uma mensagem só para ele: um flyer de desaparecido contendo sua foto. Em uma cena anterior, vemos o grupo refletir sobre como os novos desaparecimentos fazem com as pessoas esqueçam dos anteriores, como se tivessem perdido importância.

O verdadeiro medo do menino é desaparecer e ser esquecido. E isso é perfeitamente condizente com o modo histérico e narcisista do menino expressado pelo seu senso de humor curioso. Quando Richie está isolado no quarto repleto de palhaços, reparem que os calafrios e atenção do menino estão concentrados no caixão no centro da saleta. A porta dele abre, apresentando o mesmo flyer encontrado anteriormente, mas com os dizeres “ENCONTRADO” escritos em sangue. Richie vê seu próprio simulacro e se desespera. O medo da morte é real.

Depois dessa sequência, nunca mais temos vislumbre do medo de Richie. Sua rotina após o desmembramento do grupo é a menos detalhada, porém, assim como os outros, o garoto supera seu maior medo ao notar que nunca seria esquecido pelos próprios amigos.

it a coisa

BEVERLY

Sem a menor sombra de dúvidas, Beverly é a personagem mais desenvolvida do filme inteiro sem a necessidade do uso de diálogos. O seu drama provavelmente é o mais complexo, pois toda a encenação das cenas em sua casa colabora para que o espectador acredite que ela é abusada sexualmente por seu pai – novamente, o horror real dos adultos que colocam a pureza e liberdade das crianças em cheque.

O drama de Beverly é inserido assim que a personagem é apresentada no banheiro da escola: uma menina que sofre com boatos de ter transado com diversos garotos mais velhos do colégio. O filme não martela isso, mas conforme a personagem cresce, sabemos que se trata de uma mentira.

Depois de comprar absorventes (sim, isso é importante), Beverly volta para sua sombria casa. Ali, no corredor, seu pai a encontra e toca nos cachos do cabelo ruivo dizendo “você ainda é a garotinha do papai, não é? ”. A conotação sexual é implícita e pelo desconforto da menina, fica claro que o homem faz essas investidas contra ela há algum tempo.

Tanto que na cena seguinte, Beverly corre ao banheiro para cortar os cabelos que agradavam ao pai, na tentativa de afastá-lo de si, de deixar de ser atraente para ele. Isso reflete a inocência da garota, acreditando que caso ela se torne “feia”, o pai deixará de perturbá-la. Porém, como sabemos, isso acaba o motivando a assediá-la ainda mais: “por que cortou os cabelos? Agora parece um menino. ”.

Enquanto a menina corta os cachos, o diretor nos oferece planos detalhes longos o suficiente para frisar a ação dos cabelos descendo pelo ralo. Não muito tempo depois, Pennywise finalmente aparece para infernizar a vida de Beverly. Ao contrário de todos os outros, o terror da menina é muito mais abstrato tanto que a Coisa não toma forma humanóide pela primeira vez.

Os cabelos jogados pelo ralo retornam e agarram a menina – uma metáfora visual para o medo de ser estuprada pelo pai. Os cabelos a forçam até a pia até vazar, ejacular uma torrente de sangue que quase inunda todo o banheiro – estão lembrados do desconforto da menina ao comprar os absorventes? O medo da garota é o de ser violentada pelo próprio pai em sua casa – certamente o mais pessoal e terrível de todo o grupo.

Com esse momento tão terrível e um cenário familiar péssimo, fica claro o motivo de Beverly se encantar tanto com o carinho e amor provido pelos seus novos amigos. Sua função no grupo também delimita outro tipo de morte de inocência nos garotos que começam a sentir outros sentimentos que vão além da amizade – como visto na cena do lago.

Então passamos a entender a importância da cena da limpeza do banheiro. Ela é um marco da união dos meninos contra a Coisa assim como Beverly acaba sendo no fim do fim do filme. Todos se unem para limpar o medo da menina e deixa-la mais segura. E é justamente pelo amor de seus amigos que ela consegue enfrentar a Coisa e, depois, seu próprio pai durante a tentativa de estupro.

Como ela derrota o medo dos outros e o seu próprio, a Coisa percebe que Beverly não pode mais existir se não acabará colocando sua existência em risco. Não é por menos que a menina é sequestrada justamente quando vence o pai. Porém, ao raptar a menina, a Coisa acaba provocando o efeito contrário: consegue unir ainda mais o grupo, agora totalmente motivado para exterminar de vez seus medos.

it a coisa

A MORTE DA INOCÊNCIA

É através dessas situações expostas acima que a maioria dos pré-adolescentes de It: A Coisa consegue matar a inocência da infância e amadurecer através de uma jornada árdua e terrível. Como disso, a maioria desse desenvolvimento é centrada apenas na encenação inteligente, na sugestão e no ordenamento mais sábio dos medos das crianças que realmente a tornam únicas.

Outros personagens que não mencionei no artigo também possuem jornadas próprias e importantes. Até mesmo os antagonistas humanos na forma dos bullies sofrem em encarar os medos trazidos pela Coisa: como a homossexualidade de Patrick Hockstetter e o medo da rejeição ou do ódio mortal que Heny Bowers sente pelo pai rude.

Certamente vale ter um olhar aprofundado a este maravilhoso filme que Andy Muschietti nos trouxe. Vários elementos estão abertos para a interpretação do espectador e certamente há diversas outras maneiras de ver esses elementos que citei no texto. É por isso que ainda vale a pena acreditar no bom cinema. Mesmo que estejam cada vez mais raros, os grandes filmes surgem vez ou outra.

No caso de It: A Coisa, temos a felicidade dele ter alcançado grandiosa popularidade. E é por meio deste merecido reconhecimento instantâneo que o debate sobre Cinema se torna mais vivo, divertido e inteligente. Agora é hora de aproveitar esse excelente momento.

Este artigo foi publicado originalmente no nosso site irmão Bastidores!

Não deixe de conferir também nossa crítica do filme!

Já leu essas?
o justiceiro
Quando o Justiceiro definitivamente não foi levado à sério!
Elder Fraga premiado melhor diretor por curta baseado em Shakespeare!
liga da justiça dc
Liga da Justiça DC? Também tem da Marvel, Image, do mal, etc…
Crítica de Uma Razão Para Viver
Uma Razão Para Viver – Estreia frustrada de Andy Serkis na direção!