Home > Cinema > Feito na América – Uma agradável surpresa!

Feito na América – Uma agradável surpresa!

Feito na América traz uma história surpreendente contada de maneira contagiante

Sejamos sinceros, quando vemos o trailer de Feito na América (American Made) pela primeira vez, pensamos o seguinte: mais um filme sobre Pablo Escobar (que tem andado em evidência desde Narcos), só que agora pela perspectiva de um personagem vivido por Tom Cruise (recentemente visto em A Múmia), que – novamente – interpreta… Tom Cruise. Mas nada como uma boa e velha surpresa, pois o longa de Doug Liman se mostra muito inspirado e com uma energia fascinante.

Crítica de Feito na America, com Tom Cruise.

Feito na America

O filme conta quase uma década da vida de Barry Seal, um piloto de avião malandro que é contratado por Schafer (Domhnall Gleeson), um agente da CIA, para fazer entregas de armas e propinas na América Central, a fim de acabar com os cartéis de drogas. No meio do caminho, o piloto encontra os líderes do famoso cartel de Medelín, com Pablo Escobar (Mauricio Mejía) entre eles, e decide trabalhar para ambos os lados, se aproveitando da situação para ganhar muito dinheiro. Apesar do grande esquema feito por Barry, nada que é bom dura por muito tempo.

Sei que a história não parece grande coisa, mas como dizia Roger Ebert: Não importa sobre o que é o filme, mas sobre como ele é sobre tal tema. No caso, o roteiro de Gary Spinelli se mostra muito inteligente e ágil por apresentar de maneira clara os personagens e por criar ótimas situações que variam entre o tenso e o cômico com muita naturalidade. Aliás, clareza é a palavra chave para o roteiro: tudo é deixado de maneira explícita desde o começo. Das motivações dos personagens até o contexto político. Mesmo as críticas ácidas aos métodos do governo norte-americano são feitas de maneira direta. É um roteiro focado, que conta uma história interessante de uma maneira que prende a atenção do espectador.

Martin Scorsese wannabe

É justamente nas escolhas narrativas que Feito na América se destaca. A impressão é que o diretor Doug Liman quis emular o estilo mais louco de Martin Scorsese em O Lobo de Wall Street, saindo-se muito bem. Além de um senso de humor ácido e uma boa dose de energia, Liman consegue recriar a década de 1980 e as suas loucuras. Toda a linguagem do filme está a serviço deste objetivo, utilizando, inclusive, as famosas narrações em off  dos filmes de Scorsese e o tipo de trilha característica dos trabalhos do cineasta veterano.

Crítica de Feito na America, com Tom Cruise.

A montagem é outro fator que corrobora a afirmação acima e é excelente. Feita por três pessoas (Saar Klein, Andrew Mondshein, Dylan Tichenor), dá um ritmo ótimo ao filme com cortes rápidos e até animações com os esquemas feitos por Barry. Além de construir com eficiência os momentos de tensão, é um dos pontos que mais chama a atenção do filme.

A fotografia é assinada pelo uruguaio César Charlone e mistura vários estilos. Vai de vídeo VHS com a imagem muito granulada até a película com as luzes estouradas, principalmente quando Barry viaja para os países latinos. Poderia se tornar uma grande bagunça visual, mas se mostra um elemento de identidade muito forte para o filme. Além de um competente trabalho na parte visual, a câmera e as luzes criam uma energia que permeia todo o longa.

O elenco se mostra muito bem encaixado. Domhnall Gleeson constrói um personagem com uma moral tão duvidosa quanto a de Barry, revelando suas reais intenções aos poucos, mostrando uma ótima química com Tom Cruise. Aliás, esse mérito não é apenas de Gleeson, mas para todos os atores, sendo que quase todos contracenam com Cruise e mostram o mesmo entrosamento. Outros destaques são os atores que fazem os chefes dos cartéis, que conseguem ir do amigável ao ameaçador com muita facilidade, e para Sarah Wright, trazendo uma ótima personalidade para a esposa de Barry.

Crítica de Feito na America, com Tom Cruise.

E chegamos a Tom Cruise. Vou deixar claro que o acho muito carismático e talentoso, mas, em seus últimos trabalhos, parece que é sempre a persona do ator em cena. Virou um clichê ele interpretar alguém simpático e sorridente, ou mesmo algum genérico de Ethan Hunt, seu personagem na franquia Missão: Impossível. Em Feito na América, o ator mantém seu carisma combinado com algumas sutilezas na composição, destacando Barry na galeria de personagens. Exemplo: notem como mesmo por trás dos sorrisos e das falas amigáveis, Cruise deixa claro que o seu personagem está assustado através de sutilezas como fala ou olhar.

O jeito calmo do protagonista cria aquele tipo ambíguo que é sempre interessante. A presença do ator e a composição fazem com que seja inevitável simpatizar com ele, porém, estamos falando de alguém cuja moral é corrompida, falando de um jeito simples. É esse tipo de contradição que faz a diferença. Você, que assistiu a Breaking Bad, sabe bem como é isso…

Enfim, Feito na América se torna uma boa surpresa nestes últimos lançamentos. Ágil, bem humorado, com boas atuações e uma história bem legal. Infelizmente, termina com a impressão que poderia ser melhor, mas, para sua proposta, está de ótimo tamanho.

Já leu essas?
Elder Fraga premiado melhor diretor por curta baseado em Shakespeare!
Crítica de Uma Razão Para Viver
Uma Razão Para Viver – Estreia frustrada de Andy Serkis na direção!
Crítica de Liga da Justiça
Liga da Justiça – Joss Whedon é o membro mais valioso da equipe!
O filme da Liga da Justiça no Formiga na Cabine
Liga da Justiça no Formiga na Cabine!