Home > Cinema > RIOCORRENTE mostra ser humano à beira da explosão! (Estreia em 05/06/2014)

RIOCORRENTE mostra ser humano à beira da explosão! (Estreia em 05/06/2014)

Renata (Simone Iliescu) é uma mulher intelectual e de costumes burgueses, casada com o jornalista igualmente intelectualizado Marcelo (Roberto Audio), com quem compartilha uma vida de interesses comuns pela arte e cultura universal. Ao mesmo tempo, vive um tórrido romance com o Carlos (Lee Taylor), um criminoso ladrão de carros que tenta, porém sem muito esforço, despregar-se da vida bandida, seja pela dúbia presença de Renata, seja pela criação do menino Exu (Vinícius dos Anjos), tirado das ruas, mas ainda com fortes vínculos com o ambiente hostil em que crescera. Como pano de fundo, uma São Paulo sufocante e intimidadora, que oprime os moradores à exaustão.

Na verdade, tudo é sufocante em Riocorrente, primeiro longa-metragem de ficção de Paulo Sacramento, o internacionalmente premiado documentarista de O Prisioneiro da Grade de Ferro (2002), filme que o consagrou como um dos principais diretores do gênero no país. Na obra atual, Sacramento permanece, superficialmente, na temática social da violência urbana, porém com um viés mais intimista e menos óbvio que o exigido pelo pregresso trabalho jornalístico. Para tanto, escolheu atores do teatro e pouco conhecidos do grande público para evitar contaminações interpretativas, ampliando as perspectivas de absorção do espectador e do próprio elenco no entendimento dos personagens.

Em Riocorrente, a vida urbana, com suas rotinas de aparências e obrigações, pressiona o ser humano quase a loucura. Não importa se o exterior é o bom comportamento do “trabalhador honesto” ou os sobe-desces da desregrada vida criminosa. Quando viver (e parecer) se torna uma obrigação, tudo vira um fardo, um peso que tira o sentido e o prazer de tudo a nossa volta. Renata se divide entre os dois mundos na busca de um sentido para a própria vida, causando ainda mais angústia nos dois extremos sociais entre os quais se coloca e em si mesma. Marcelo vê no distanciamento da esposa o resultado da vida monótona que a mulher sempre se queixou. Já Carlos se enxerga cada vez mais longe da amante por nunca conseguir se equiparar a ela. Nisso, o diretor expõe os dilemas e paradigmas que defrontamos diariamente, uma vida claustrofóbica de aparências que coloca a cada um nós na eminência de uma explosão.

O filme não possui narrativa linear. Não se trata de uma obra de entretenimento, estando repleto de metáforas e referências que invariavelmente o tornará hermético para uma boa parte do público. A montagem se estrutura em recortes da vida de cada personagem, como se tudo fizesse parte do sonho (ou pesadelo) de algum deles. Não espere por uma história com começo-meio-fim. Esteja preparado para cenas de sexo e violência que tanto já referenciaram nosso cinema pejorativamente. A inexperiência dos atores frente às câmeras pode ser o motivo para uma certa limitação nos comportamentos em cena, mas não a ponto de desconstruir seus papéis. O argumento é limitado para o roteiro, fazendo o filme parecer mais um “curta-metragem de uma hora e meia” do que um longa por definição. A ênfase social buscada pelo diretor também compromete o aprofundamento na psique dos personagens, algo que valorizaria muito o tema proposto. Riocorrente vale mais como estudo audiovisual do que como experiência cinematográfica. No entanto, com Paulo Sacramento, tudo vai além das aparências. Fique atento.

 

Já leu essas?
Estreias nos Cinemas – 05/06