Home > Cinema > A Outra Terra – Sci-fi intimista tem contexto provocativo

A Outra Terra – Sci-fi intimista tem contexto provocativo

Para aqueles que apreciam opções que passam longe do circuito comercial, há uma ótima dica do cinema independente chamada A Outra Terra (Another Earth) disponível. Venceu em 2011 o prêmio especial do júri no Festival de Sundance e esteve presente também na Mostra de Cinema do Rio de Janeiro do ano seguinte, mas passou em branco em nossos cinemas e chegou direto para ser assistido em DVD/Blu-Ray. Uma pequena pérola escondida que mistura ficção científica e drama.

Outra Terra

Um novo planeta é descoberto próximo da Terra. Nesta mesma noite, uma jovem de 17 anos, personagem interpretada por Brit Marling, comemora seu ingresso em um programa importante de astrofísica, porém tem sua vida mudada radicalmente quando causa um acidente fatal envolvendo um casal e seu filho. Neste acidente, a mãe e o garoto morrem, enquanto o pai fica em coma. Após 4 anos presa por ter causado este incidente, reencontra este homem ao mesmo tempo que tenta reiniciar sua vida. Paralelamente, o planeta que se aproxima da Terra, chamado de Terra 2, vai despertando interesse na população que tenta entender o que ele representa.

A história de reencontro entre agressor e agredido e a forma de lidar com traumas, não é novidade, mas aqui o diretor consegue trazer uma sensibilidade diferente para este tipo de conflito. Não mostra quem é o vilão ou o mocinho e nem procura expor a velha superação de adversidades tão clichê em Hollywood.

A Outra Terra tem toda a atmosfera de um indie movie, sem escancarar isso a ponto de ser pretensioso demais ou declarar sua vontade de ser considerado Cult. A trilha sonora tem destaque e deve ser valorizada. Segue o trailer abaixo:

Boas interpretações, mas o destaque vai para a protagonista, Brit Marling, que também escreveu o roteiro. Ela ainda é nova para o público, mas já vem aparecendo em filmes do circuito comercial. A boa notícia é que não parece deixar de lado ideias provocativas, como faz em Sound of My Voice de 2011, ainda não lançado no Brasil, que mostra novamente uma temática diferente e interessante. Esperamos que ela siga este caminho.

Já leu essas?
filme a queima roupa
À Queima-Roupa: 50 anos de um clássico!
Crítica do terror Sono Mortal.
Sono Mortal – O título já diz o que o público vai sentir!
Crítica de O Assassino: O Primeiro Alvo
O Assassino: O Primeiro Alvo – Um protagonista contraditório!
O filme Mãe! no Formiga na Cabine
O filme Mãe! comentado no Formiga na Cabine!