Home > Cinema > JERSEY BOYS traz o encantamento do olhar humanista de Clint Eastwood!

JERSEY BOYS traz o encantamento do olhar humanista de Clint Eastwood!

Frankie Valli é um astro do pop-rock norte-americano, com uma carreira similar a de muitos outros músicos de sucesso de sua época: infância pobre, início difícil, relacionamento conturbado com familiares e companheiros de percurso, postura de bom-moço frágil e várias décadas de altos e baixos profissionais. Por outro lado, autor de algumas das mais belas canções do século 20, apreciadas no mundo inteiro por muitos que nem sabem sua verdadeira origem. Jersey Boys: Em Busca da Música também poderia ser uma cinebiografia musical como muitas outras, mas tem algo que a diferencia e a coloca em consonância com o ritmo doce e profundo que levou Valli e sua banda ao estrelato: o talento de Clint Eastwood para desvendar os meandros humanos sem perder o aspecto pop.

Jersey Boys divide opiniões nos Estados Unidos desde antes da estreia, em 20 de junho. A proposta de adaptar um dos musicais mais famosos e premiados da Brodway na última década não foi bem recebida. Clint não vinha de uma boa experiência com seu J Edgar (2011) e a ideia de produzir um filme biográfico cujos biografados fazem parte da produção executiva também não agradou aos fãs do gênero mais apegados à realidade. Nas telas, os primeiros comentários acusaram Jersey Boys de ser uma colagem de apelos emocionais exagerados intercalados por musicas populares. Mas muitas das injustas reclamações se devem mais a preconceitos ideológicos e a uma ingênua repelência por um filme musical não tão “musical” assim – pelo menos não no formato do segmento – do que pela evidente qualidade técnica do longa.

Você não verá longas cenas de cantoria estimuladas por qualquer acontecimento cotidiano, a qualquer tempo e a qualquer hora. As inesquecíveis melodias do The Four Season estão totalmente introduzidas no enredo da trama, apenas salientadas como convém ao gênero. Antes que um musical, Jersey Boys é um drama humanista, que viaja pelas contradições íntimas do ser-humano frente a realização eminente de um grande sonho e, às vezes, trágicas consequências que ele acarreta. É neste ponto que o talento de Clint Eastwood se sobressai,  respaldado por trabalhos magníficos que também  buscavam o mesmo olhar intimista, como Menina de Ouro (2004) e Os Imperdoáveis (1992). Também é uma trama de frescor juvenil que o torna leve e divertido em muitos momentos.

O filme é emocionante não devido a clichês sentimentais, mas pela identificação com personagens que encontram na música um caminho de autoidentificação  ao mesmo tempo em que se distanciam do mundo que os produziu. A narrativa flutuante, protagonizada por cada personagem em diferentes momentos, leva o espectador a mergulhar ainda mais nos pontos de vista individuais, enriquecendo a mensagem de que, talvez, mais que a veracidade detalhista dos fatos, as consequências dos eventos é o que realmente importa na vida de cada um. Não espere por ineditismos: muitos dos recostos clássicos das cinebiografias de bandas estão lá, com as diversas contraposições subjetivas do sucesso, como as festas, brigas e famílias problemáticas, mas nada que comprometa o resultado final.

O filme é estrelado por John Lloyd Young, ator que se consagrou pelo mesmo papel nos palcos, trabalho que lhe rendeu o Tony Award o Oscar do teatro norte-americano. Além de um prazeroso talento para as telas, Young também de destaca por voz incrivelmente semelhante como a mítica vocalidade de Frankie Valli. A produção também conta com o premiado staff de Clint Eastwood, como o diretor de fotografia indicado ao Oscar, Tom Stern (A Troca, 2008), o designer de produção também indicado ao mesmo prêmio na mesma ocasião, James J. Murakami, o editor vencedor da estatueta Joel Cox (Os Imperdoáveis, 1992), além de roteiristas e produtores ligados a peça nova-iorquina. A presença do próprio Frankie Valli e de Bob Gaudio, compositor dos grandes sucessos do The Four Seasons, como produtores-executivos, apenas enriquecem e embasam a evolução da história.

Christopher Walken faz uma participação tímida, aquém de seu talento e do que poderia acrescentar. Seu personagem é mais uma contribuição luxuosa da produção do que uma necessidade dramática, mas que cumpre sua importância na trama ao construir um mafioso que dá o tom jovial do universo de incertezas que a fama impõe, ao mesmo tempo em que divide o processo de amadurecimento de Valli. Acima dele, um elenco semi-desconhecido do grande público, mas afinado e entrosado, faz uma interessante homenagem a cultura norte-americana e, sobretudo, a carreira de um dos mais importantes músicos vivos. O resultado é um Clint que deve disputar em muitas categorias na próxima premiação do Oscar. Em tempo, ao término do filme, curta o divertido show de encerramento durante a apresentação dos créditos. Este sim, um clássico dos musicais e um recado de Eastwood para os críticos.

Já leu essas?
lenzi
Um homem de gênero – 5 filmes para lembrar Umberto Lenzi!
Crítica de O Estranho Que Nós Amamos
O Estranho Que Nós Amamos – Um obscuro sentimento chamado desejo!
Lista 10 Filmes Rock
Viva o Rock – 10 filmes sobre músicos que fizeram história!
Quem gosta de filmes de boxe vai curtir esta lista com 10 boeeadores mais icônicos do cinema
Lista dos 10 boxeadores mais icônicos do Cinema!
  • Valeu, Vanderson, tem filme que faz a gente mergulhar nas ideias. Fico feliz que tenham gostado, pois vocês são os Caras, rs.