Home > Cinema > Artigos > De Toy Story a Procurando Dory – Um Ranking dos Filmes da Pixar!

De Toy Story a Procurando Dory – Um Ranking dos Filmes da Pixar!

Poucos estúdios como a Pixar conseguem segurar tal nível de qualidade durante tanto tempo

Fundada em 1986 pelo animador John Lasseter, um dos mais talentosos da Disney, a Pixar Animation Studio se tornou sinônimo de qualidade e originalidade após o lançamento do seu primeiro filme, Toy Story em 1995. Como o estúdio fez 53 filmes (17 longas e 35 curtas), sempre demonstrando grande qualidade na maioria das vezes, a Pixar se tornou um dos estúdios de animação mais queridos da última década. Aproveitando o lançamento de Carros 3 decidimos fazer um ranking dos longas do estúdio. Portanto, sentem-se e se preparem para a nostalgia.

  1. O Bom Dinossauro (Peter Sohn, 2015)

Praticamente um filme de encomenda. Apesar de ter momentos fofinhos, é um longa que não chega nem perto dos melhores momentos do estúdio, sendo completamente esquecível.

  1. Carros 2 (John Lasseter, 2011)

Ainda não conferi o terceiro filme, mas o universo de Carros nunca foi muito bem explorado. Parece que para esse segundo filme, os produtores escutaram críticas que diziam que o primeiro era muito parado, e tinha pouca ação. Então tiveram a ideia de fazerem uma trama de espionagem – e o resultado final é medíocre.

  1. Valente (Mark Andrews e Brenda Chapman, 2012)

Valente tem uma protagonista excepcional, isso é fato. Mas infelizmente o filme depende dela e apenas dessa personagem e essa dependência acaba prejudicando o resultado final. Mas vale destacar o trabalho impecável de arte e pesquisa quanto a cultura representada no filme.

  1. Universidade Monstros (Dan Scanlon, 2013)

Prelúdio do ótimo Monstros S.A. não chega nem aos pés do filme original, mas tem o seu charme por conta do ótimo universo que faz parte, e da dupla de protagonistas – Mike e Sully – que contém uma excelente química. Um filme divertido e funcional.

  1. Procurando Dory (Andrew Stanton, 2016)

A peixinha Dory sempre foi o destaque de Procurando Nemo, e acabou ganhando um filme em que ela é a protagonista. O resultado é positivo, por conta do carisma de Dory e de ter como coadjuvante o polvo Hank, que é um dos melhores personagens da Pixar.

  1. Carros (John Lasseter, 2006)

A primeira aventura de Relâmpago McQueen é simpática, e contém ótimos personagens. Mesmo tendo uma mensagem muito bonita, peca por não expandir o seu universo. Mas ainda é um filme muito emocionante.

  1. Procurando Nemo (Andrew Stanton, 2003)

Uma das aventuras mais bem feitas do estúdio. Procurando Nemo contém um roteiro muito bem escrito, com o qual o expectador cria uma forte conexão com o protagonista e sua busca. Além de ser um dos filmes de visual mais impactante do estúdio.

  1. Monstros S.A. (Pete Docter, 2001)

Uma comédia muito divertida. Dos universos criados para os filmes da Pixar, o de Monstros S.A. é um dos mais criativos: em um mundo aonde só se vivem monstros, esse devem assustar crianças para conseguirem energia, e existe uma empresa especializada nesse quesito. É um dos mais encantadores do estúdio.

  1. Vida de Inseto (John Lasseter e Andrew Stanton, 1998)

Uma releitura interessante do clássico Os Sete Samurais, de Akira Kurosawa: para evitar que o formigueiro em que mora seja atacado por gafanhotos, a formiga Flik vai há até a cidade para encontrar sete insetos para ajudar a combater os gafanhotos. É uma aventura leve e familiar, que tem uma excelente trilha sonora de Thomas Newman.

  1. Os Incríveis (Brad Bird, 2004)

Brad Bird não é da turma original de animadores da Pixar, mas já tinha realizado o ótimo O Gigante de Ferro com a Warner Bros. Sua estreia no estúdio não podia ser melhor: uma aventura matinê com uma família de super-heróis. É um dos melhores filmes de ação da Pixar, e que mostra que Bird é um artista realmente talentoso.

  1. UP – Altas Aventuras (Pete Docter, 2009)

Que jogue a primeira pedra quem não chorou nos primeiros vinte minutos de UP. Esses primeiros minutos já mostram a maturidade de Pete Docter como diretor. Apesar de ser uma história que aparenta ser bobinha (um senhor que vai a um mundo perdido com a sua casa presa a balões), esse é um dos filmes mais sensíveis do estúdio. E vale destacar a ótima trilha de Michael Giacchino.

  1. Toy Story 2 (John Lasseter, 1999)

Toy Story é uma daquelas franquias que ninguém pode reclamar que vai perdendo a qualidade de filme pra filme. Ela não só continua, como melhora. As introduções da vaqueira Jessie, o cavalo Bala No Alvo e de Zurg só melhoraram um universo que já era muito envolvente, além de tocar em um assunto que continua desde o primeiro filme: o medo do esquecimento.

  1. Toy Story (John Lasseter, 1995)

O filme que começou todo o legado da Pixar. Toy Story já mostra como a mente dos animadores da Pixar era diferente: é um filme infantil, mas que fala de temas como aceitação e – como já foi dito acima – o medo do esquecimento; ao mesmo tempo em que mostra a importância da felicidade de uma criança. Mesmo com a animação um pouco datada, continua um filme excepcional.

  1. Ratatouille (Brad Bird, 2007)

Lembram quando falei que Brad Bird era um artista muito talentoso? Pois bem, Ratatouille é a sua obra de arte. É um filme que mostra que qualquer pessoa –ou animal- que tenha talento e amor pela arte que pratica, tem que correr atrás. É uma das mensagens mais sinceras de um filme da Pixar.

  1. WALL-E (Andrew Stanton, 2008)

Uma distopia com uma importante mensagem ambiental, que ao mesmo tempo faz uma homenagem aos filmes mudos. Isso deixa WALL-E como um dos filmes mais originais do estúdio – e o casal de protagonistas é um dos melhores da Pixar: os robôs WALL-E e EVA.

  1. Toy Story 3 (Lee Unkrich, 2010)

Que jeito lindo de se fechar um ciclo. Como todo terceiro exemplar de uma franquia, o público estava com medo do que poderia vir desse novo filme. É emocionante demais, ao ponto de fazerem muitas pessoas chorarem. Toy Story 3 é um filme completo que fecha todas as questões da franquia de maneira mais que satisfatória.

  1. Divertida Mente (Pete Docter, 2015)

Mais um filme que arrancou lágrimas de várias pessoas. O brilhantismo de Divertida Mente está em ser um filme humano, que conversa com várias pessoas, e cuja a aparente simplicidade o torna tão emocionante. A briga entre os sentimentos é algo tão comum, que não tem como uma pessoa não se identificar com a protagonista. É um filme que merece o seu destaque. Não é um filme apenas para crianças – todos vão se conectar com a mensagem do filme.

Enfim, esse é o ranking dos filmes da Pixar! Gostaram ou não? Qual posição deveria ser trocada? Curtam e compartilhem!

Já leu essas?
curta animado
Baleias voadoras e visuais incríveis no curta animado Panacée!
incriveis
Poderes incríveis – As inspirações para Os Incríveis, da Pixar!
A HQ Deslocamento é singela e sensível
Deslocamento: Um Diário de Viagem – Vida frágil
ratatouille
Tem um rato na cozinha – Os 10 anos de Ratatouille!