Home > Cinema > Artigos > Fritz Lang e o horror das multidões (Parte 1) – Metrópolis

Fritz Lang e o horror das multidões (Parte 1) – Metrópolis

Nos últimos meses, tornou-se impossível acompanhar o noticiário sem deparar-se com informações sobre o mais recente fenômeno social brasileiro: a onda dos “rolezinhos” foi alçada a baluarte da luta de classes e contra a discriminação racial. O ponto chave, nessa questão, é o poder que uma grande reunião de pessoas pode alcançar quando demonstra algum interesse comum, uma intensão (real ou aparente) de causar impacto, de marcar presença.

Desde os protestos de junho de 2013, a multidão assumiu um novo posto no imaginário brasileiro, ratificando categoricamente sua posição como instrumento de transformação. Mas transformar o quê, para aonde? Essa pergunta é que abala a estrutura do status quo e infringe o medo, e até o pânico, em quem não participa ou não compartilha dessa manifestação.

No cinema, o medo e o poder de construção/destruição que um grande número de pessoas enfurecidas pode obter encontra uma ilustrativa ferramenta de reflexão. Fritz Lang pode ser, entre os grandes diretores, o que mais se escandalizou com esse propósito nas conturbadas primeiras décadas do século XX.

A multidão de Fritz Lang

A multidão de Fritz Lang

O cenário político-social sempre influenciou, direta ou indiretamente, cineastas de todo mundo na produção dos mais diversos gêneros cinematográficos.   Lang construiu sua carreira na Europa arrasada do período entre-guerras, sob as sombras do nazi-fascismo e a égide da força de propaganda e entretenimento que o cinema angariava nesse período socialmente frágil.

Austríaco, oriundo de uma família de posses, Lang conviveu com figuras proeminentes de seu país desde muito cedo, resultado das relações profissionais que seu pai, empreiteiro, mantinha em esferas do governo. Viajou por diferentes países da Europa e lutou na Primeira Guerra Mundial, da qual saiu gravemente ferido. Tal contraste de situações afinou sua sensibilidade quanto a realidade social e sua entrega ao expressionismo alemão, talvez a mais representativa manifestação cultural dessa angústia existencialista em que o mundo mergulhava.

A obra de Fritz Lang é uma das mais magníficas da história do cinema, tanto em aspectos visuais, quanto em conceituais. O diretor, que no auge da fama recusou ser instrumento de propagação da ideologia nazista (proposta abraçada por sua esposa, Thea Von Harbou), assistiu às massas sendo manipuladas por objetivos ferozes, supostamente justificados pelo cenário psicologicamente devastador que as rodeavam.  Três produções, criadas em sete anos, exemplificam, em maior ou menor grau, o horror de Lang contra as multidões tomadas pelo instinto, que derrubam qualquer razão aparentemente nobre em sua origem.

Metropolis

Metropolis

Na superprodução Metropolis (1927), que consagrou Fritz Lang como um dos maiores diretores de sua época, é possível observar o fascínio que o poder da revolta coletiva pode exercer. Na tela, o mundo se divide em dois: na abastada Metroplis, da superfície, os cidadãos podem compartilhar do que de melhor a tecnologia pode oferecer quando a conforto e diversão. No subterrâneo, milhões de operários trabalham muitas e exaustivas horas para manter o funcionamento do andar de cima.

Essa súbita divisão de classes, que se organiza de maneira tão evidente, logo assume a posição de conflito para o espectador. O grande número de trabalhadores que obedecem a rígidas normas de conduta para manter o funcionamento da Máquina Coração transmite a mensagem que são eles que de fato têm o poder. Em poucas linhas, temos a ideologia pregada até hoje por sociólogos de esquerda, que veem na organização coletiva dos oprimidos a chave para a resolução de seus problemas.

Em Metropolis, o controlador da cidade, Joh Fredersen, sequestra a jovem e doce operária Maria, que exerce grande influência sobre seus pares, para substitui-la por um clone robô e iniciar uma revolta popular do mundo subterrâneo. A intensão é provocar uma desordem generalizada entre os trabalhadores e justificar a violência para consolidar seu poder. Após uma série de desdobramentos, a multidão cega de ódio destrói a máquina principal e foge para a superfície, mas esquece das crianças no subterrâneo que começa a ser inundado.

Para quem ainda não viu, segue o revolucionário filme de Fritz Lang com legenda em português, se alguém se interessar em vê-lo na internet:

A alegoria pode ser tida como uma referência sobre como a insanidade coletiva anula a razão individual e leva seus componentes a abandonar seus princípios mais preciosos.

Parte 2 AQUI!

Já leu essas?
Alien é mais do que um mero sci-fi de horror; muito mais coisas se escondem nas sombras da Nostromo
Alien – O Pessimismo Cósmico do Oitavo Passageiro!
M, O Vampiro de Dusseldorf, um clássico de Fritz Lang no Formiga na Tela
M, O Vampiro de Dusseldorf no Formiga na Tela!
Clássico Metropolis de Fritz Lang pode ganhar minissérie!
Superman: Qual é o Preço do Amanhã?