Home > Cinema > 2081, o ano em que seremos totalmente iguais, segundo Kurt Vonnegut!

2081, o ano em que seremos totalmente iguais, segundo Kurt Vonnegut!

2081, um curta que vale a pena conferir

Para quem ainda não conhece, existe um curta-metragem chamado 2081 que é uma bela produção americana pouco divulgada, mas disponível e legendado (neste caso, infelizmente, apenas em espanhol) no YouTube. Se está com preguiça de entrar lá e procurar, não se preocupe, estamos disponibilizando o acesso ao final desta singela matéria.

O curta é baseado em um conto chamado Harrison Bergeron de Kurt Vonnegut, que teve uma primeira versão em 1996, mais romanceada e feita para TV, com Sean Astin (Goonies e Senhor dos Anéis).

Sean Astin na primeira adaptação de 1996 de Harrison Bergeron, conto que deu origem a 2081

Sean Astin na primeira adaptação de 1996 do conto de Vonnegut

Vonnegut é um escritor de ficção que provavelmente teve sua mais famosa adaptação para as telas com Matadouro 5, dirigido por George Roy Hill. Ele segue a linha de Philip K. Dick* , com livros de ficção associados a críticas sociais. O que o difere de Dick, que teve inúmeras obras transpostas para o cinema como Vingador do Futuro e Blade Runner, talvez seja o foco maior na crítica, deixando a  questão científica para segundo plano.

*(Sobre PKD, leia também a resenha sobre sua biografia, a coletânea de contos Realidade Adaptadas e ouça o podcast sobre o mesmo tema)

Na história, ou conto, estamos no ano de 2081, quando algumas leis entram em vigor e determinam que os cidadãos devam ser, obrigatoriamente, iguais em todos os sentidos. Os mais fortes usam pesos para serem equiparados aos mais fracos, os mais belos usam máscaras e os mais inteligentes são vetados através de um alarme/choque quando têm boas ideias. É uma época em que a população é nivelada em todas as formas e a igualdade chegou ao seu extremo.

O controle da igualdade em 2081

O controle da igualdade

O filme não chega a ter 30 minutos e esse é o tempo que o diretor tentará passar mensagens subjetivas de forma convincente. É pouco, porque a premissa é tão interessante e o tema tão rico que o próprio tempo é seu inimigo. Você vai querer mais ao final e suas perguntas serão infinitamente superiores as suas respostas.

Em poucas palavras (afinal é um curta!), a adaptação do conto de Vonnegut é uma produção caprichadíssima e seu teor é uma crítica feroz à cultura de massa. Simbolismos que mostram um futuro sombrio de uma sociedade conformada e presa ao ser medíocre. É claro que o futuro de 2081, transposto na tela, está longe de ser realista e nem o mais pessimista poderia prever uma realidade tão exagerada, mas a ideia não é ser real, afinal estamos falando de uma história de ficção científica. O que fica é o choque e o subjetivo é muito mais interessante, afinal faz você pensar. E essa é a intenção do escritor, certamente.

Enfim, tire suas conclusões da história, faça suas conexões políticas, critique a sociedade, o governo, os veículos de comunicação, o ser humano acomodado… Entenda e faça a sua interpretação da forma que quiser. A certeza é que 2081 é muito mais do que uma história comum de ficção científica.

Confira!

Já leu essas?
Cinco curtas imperdíveis do Anima Mundi 2017
Anima Mundi 2017 – As melhores animações desta edição!
megaman
Megaman – Filme ganha diretores e iniciará produção!
Top 5 George Romero Filmes
Os 5 melhores filmes de horror do cineasta George Romero!
Transformers 5 é o destaque nas estreias em 20/07
Estreias nos cinemas – 20/07
  • Parabéns, como sempre o Formiga traz coisas interessantes e de pouco conhecimento do grande público, isso já é um grande diferencial do site. Baixando now

    • Daniel Fontana

      Muito obrigado, Marcia! Continue com a gente…